quarta-feira, 20 de junho de 2018

Alastair Crooke: Que sentido haveria, por hora, num encontro Trump-Putin?

Alastair Crooke, Strategic Culture Foundation

Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu

O presidente Trump trouxe à baila a ideia – e chegou a sugerir um convite ao presidente Putin, para que viesse a Washington. Ostensivamente, parece boa ideia: détente entre Rússia e EUA permitiria escoar a pressão geopolítica que cresce na 'retorta' cheia, já estourando nos rebites.
Uma reunião de cúpula pareceu a resposta correta – outrora. Mas a política exterior de Trump já não é a que um dia foi. E está andando de modo, pode-se dizer, inesperado. 

De cenouras e porretes: o Império desaba

Tom Luongo, Gold Goats 'n Guns

Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu

Vencer sempre é importante para abusadores-provocadores. Porque, se a fraqueza deles for exposta, não podem continuar com os abusos-provocações.
Impérios não começam como abusadores-provocadores. Começam como reação ao Império anterior que se tornou abusador-provocador depois de se agarrar à húbris, não à humildade.

Rússia cria bomba aérea capaz de se converter em míssil (FOTOS)

A Rússia elaborou um projétil de alta precisão que pode ser utilizado como míssil de cruzeiro ou como bomba aérea convencional, se lê no relatório da Corporação de Mísseis Táticos, que ficou à disposição da Sputnik.
Caça russo Su-34

Este malware pode infectar seu computador sem que nenhum antivírus o detecte

Especialistas da empresa de segurança na Internet descobriram um novo vírus em operação desde 2012 sem que ninguém tenha o notado. O vírus, denominado Zacinlo, abre sigilosamente publicidade em seu computador e faz capturas de tela sem pedir permissão nem avisar.
Um homem digita em um teclado de computador

Cruzada da Rússia contra o dólar parece ser séria

A Rússia vendeu em abril metade de seus títulos do Tesouro dos EUA, se livrando assim de 50% de seus reservas internacionais em dólares e mostrando que os títulos dos EUA já não são atrativos. Por que o Banco Central russo tomou essa decisão? Será que a China pode fazer o mesmo?
Nota de cinco dólares em chamas

AS IRONIAS DA HISTÓRIA.

Nos anos 30 do século passado, todo o Oriente Médio era área de influência inglesa e na Palestina, os árabes que lá viviam há séculos e os judeus, que começaram a chegar depois da Primeira Grande Guerra, viam os ingleses como seus inimigos e os alemães como possíveis aliados.

A DITADURA MIDIÁTICA YANQUE, PACOTE DE SANÇÕES DOS EUA. INTELECTUAL RUSSO BANIDO DA AMAZON.

Sanções dos EUA: Intelectual russo banido da Amazon.

Finda a mais recente cimeira dos países G7 em La Malbaie, no Canadá, com o anúncio de novas sanções contra a Rússia que foram prontamente aplaudidas pelo Reino Unido e pelo Canadá, a verdade é que a Rússia e alguns dos seus cidadãos e intelectuais tidos como mais próximos do Kremlin ainda se debatem com as sanções já em vigor, o caso mais recente é o de Aleksandr Dugin que viu as suas obras retiradas da Amazon no passado dia 8 nde Junho.

terça-feira, 19 de junho de 2018

Exército Destrói Ataque Terrorista Em Quneitra E Mata vários Terroristas Em Hama

Uma unidade do Exército Árabe Sírio frustrou um ataque de grupos terroristas em pontos militares no campo oriental de Quneitra.

O repórter da SANA em Quneitra disse que uma unidade do exército, apoiada por forças de apoio, entrou em conflito com grupos terroristas que se infiltraram da direção de Mas'hara / Um Batina / al-Ajraf em direção a pontos militares nas proximidades da vila de Juba e na área de Tal Koroum Juba na zona rural oriental da província.

Europa na encruzilhada: Sistema atlântico cai aos pedaços, por F. William Engdahl

Os eventos do mundo em dias recentes são muito mais significativos do que a divisão que todos veem no bloco das nações industrializadas, G7. 
Se imaginamos o planeta como um campo gigante de força elétrica, as linhas do fluxo estão em processo dramático de reordenação, com o sistema global pós-1945 baseado no dólar já entrado numa caótica fase final. As elites políticas da Europa estão hoje divididas entre a racionalidade e a irracionalidade. 

Iraque fraco e dividido tropeça rumo a futuro sem equilíbrio, por Elijah J. Magnier

Elijah J. Magnier, Blog

Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu

Entreouvido na Vila Vudu:


"Brasília é a neo-Bagdá [pano rápido]._

EUA, Irã e Arábia Saudita todos mandaram representantes ao Iraque para apoiar a reeleição de Haidar al-Abadi. O objetivo comum, em vez de indicar Iraque estável, manterá o país enfraquecido e politicamente dividido entre os principais grupos dominantes.
Sobretudo, a decisão do Parlamento, de anular os votos de iraquianos que residem fora do país, de cancelar 954 urnas em dez províncias, e de recontar manualmente as eleições de 12 de maio criará movimento de resistência, especialmente no movimento liderado por Moqtada al-Sadr. Al-Sadr, aparentemente contando com o maior número de deputados (54 cadeiras com votos, resultado não oficial), verá nessa ação movimento dirigido principalmente contra ele, especialmente quando o grupo é acusado, dentre outras coisas, de ser responsável por grande fraude em Bagdá e no sul do Iraque.

Resultados reais do encontro Trump-Kim 'Você congela, eu congelo' (e coisas engraçadas)


Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu

O que se vê depois do encontro Trump-Kim em Singapura confirma o que escrevi antes. Os dois lados assinaram um compromisso de "você congela, eu congelo" que a Coreia do Norte já oferecia desde, no mínimo 2015. Os EUA põem fim aos ameaçadores exercícios de guerra, e a Coreia do Norte suspende os testes nucleares e de mísseis. Os dois lados comprometem-se a voltar a conversar sobre um tratado de paz em troca de algum desarmamento nuclear.
Sob pressão dos linhas-duras, o governo Trump tenta divulgar outras concessões que os coreanos teriam feito na declaração divulgada ao final do encontro. Diz que a Coreia do Norte ter-se-ia comprometido a tomar medidas "verificáveis e irreversíveis". 

Todos os golpes da CIA são o mesmo golpe - "Por que não nos agradecem?"

Pankaj Mishra, London Review of Books, vol. 34, n.12, pp. 19-20 (traduzido em 15/6/2018)

Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu

Resenha de
Christopher DE BELLAIGUE, Patriot of Persia: Muhammad Mossadegh and a Very British Coup, [Patriota da Pérsia: Muhammad Mossadegh e um golpe muito britânico], Bodley Head, 310 pp, fev.2012, ISBN 978 1 84792 108 6
___________________________

"O crescente sentimento antibritânico finalmente levou o xá Muhammad Reza a nomear Mossadegh primeiro-ministro no início de 1951. (...) Mossadegh (...) tratou rapidamente de nacionalizar a indústria do petróleo. Dezenas de milhares ocuparam as ruas para saudar os funcionários mandados de Teerã para assumir o comando das instalações britânicas de petróleo em Abadan, beijando os carros cobertos de poeira (...). O embaixador dos EUA relatou que Mossadegh tinha o apoio de 95% da população(...)"

[Três anos depois] Ao festejar a visita oficial do xá aos EUA em 1954, o Times exultava: 'Hoje Mossadegh está onde tem de estar – na cadeia. E o petróleo volta a correr para os livres mercados do mundo'."

"'Não somos liberais como Allende e Mossadegh 
[dentre taaaaaantos outros & outras, né-não?! (NTs)], que a CIA derruba quando quer' – disse o aiatolá Ali Khamenei, hoje supremo líder do Irã, durante a crise dos reféns em 1979. Até hoje [o artigo é de 2012, mas vale para junho de 2018] a história mostra que Khamenei sabe do que fala."
Em 1890, um ativista muçulmano itinerante de nome Jamal al-din al-Afghani estava no Irã, quando o então governante Naser al-Din Shah Qajar, entregou uma concessão de tabaco a um empresário britânico, G.F. Talbot, que, na prática, lhe garantia um monopólio de compra, venda e exportação. 

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Trump contra todo o resto

por Prabhat Patnaik

O abandono de Donald Trump da cimeira do G-7 sem que tivesse alterado nem uma vírgula do seu proteccionismo indica desunião entre os principais países capitalistas acerca da estratégia para ultrapassar a crise dos mesmos. 
Trump decidiu que os EUA seguiriam seu próprio caminho, ampliando o défice orçamental, não apenas dando concessões fiscais às corporações, o que teria pouco efeito no estímulo à procura, mas também pelo aumento da despesa governamental o que teria este efeito e, ao mesmo tempo, o de proteger o mercado interno. 

NOS CONFLITOS A PERGUNTA, NOS EVENTOS A RESPOSTA. GUERRA CONTRA O IRÃ É AGORA A POLÍTICA DOS EUA, SEGUNDO O SECRETÁRIO DE ESTADO MIKE POMPEO.

O ex-diretor da CIA oferece uma política de prevaricação e verdade torturada.
Em 21 de maio, em seu primeiro discurso público formal, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (jurado em 2 de maio), declarou efetivamente guerra à soberana nação do Irã. Pompeo não tem autoridade constitucional para declarar guerra a ninguém, como ele bem sabe, então sua declaração de guerra é apenas um pouco evidente, embora inclua uma ameaça não tão velada de um ataque nuclear ao Irã.