quinta-feira, 24 de maio de 2012

Rússia testa novo míssil, em alerta ao escudo dos EUA

Um lançador móvel com um míssil Topol-M viaja ao longo da Praça Vermelha, durante um desfile militar em Moscou neste 09 de maio de 2010 foto de arquivo.

MOSCOU (Reuters) - A Rússia testou um novo míssil de longo alcance na quarta-feira que deve melhorar a sua capacidade de penetrar sistemas de defesa antimísseis, segundo os militares, no último aviso de Moscou a Washington sobre a implantação de um escudo antimísseis na Europa.
O Míssil Intercontinental Balístico (ICBM) foi lançado com sucesso a partir da instalação de Plesetsk, no noroeste da Rússia e sua ogiva fictícia aterrou no alvo na península de Kamchatka, na costa do Pacífico, informou o Ministério da Defesa.
O novo míssil é esperado para melhorar arsenal ofensivo da Rússia ", inclusive aumentando a capacidade para superar sistemas de defesa contra mísseis que estão sendo criados", disse o ministério em um comunicado.

Rússia se opõe a um escudo antimísseis dos Estados Unidos e da OTAN que está sendo implantando na Europa, dizendo que ele será capaz de interceptar ogivas russas por volta de 2018, enfraquecendo arsenal nuclear de Moscou e perturbar o equilíbrio de poder do pós-Guerra Fria.
Os Estados Unidos dizem que o sistema se destina a combater uma ameaça potencial do Irã e não representa qualquer risco para a Rússia, mas o Kremlin rejeitou essas garantias e intensificou as críticas do sistema, a ser implantado em quatro fases por volta de 2020.

No Outono passado, o então presidente Dmitry Medvedev delineou os passos que a Rússia estava a tomar para neutralizar a ameaça, incluindo atualizações para o arsenal ofensivo nuclear da Rússia.
Rússia e os Estados Unidos ainda estão em negociações para acordar a cooperação na defesa antimísseis, mas Moscou já avisou de novas medidas, caso não se seja alcançado e Washington se recusa a fornecer quaisquer garantias de ligação do seu sistema não irá ameaçar a Rússia.
Em uma conferência em Moscou neste mês, general Nikolai Makarov sênior disse que a Rússia poderia realizar ataques preventivos sobre as futuras instalações da OTAN de defesa antimísseis para proteger sua segurança.

O sistema europeu inclui instalações de mísseis interceptores na Polônia e Romênia e um radar na Turquia, bem como interceptores e radares a bordo de navios baseados no Mar Mediterrâneo.
Rússia geralmente nomeia as suas armas, mas o Ministério da Defesa não fez qualquer menção de um nome para o novo míssil. Ele disse que poderia ser disparado de um lançador móvel.
A Defesa antimísseis tem laços com problemas entre a Rússia e os Estados Unidos desde a Guerra Fria.
A disputa sobre o projeto atual tem desenvolvido, apesar da decisão do presidente Barack Obama em 2009 para acabar com os planos da administração anterior de maior alcance dos interceptores, o que ajudou a melhorar as relações após um período de tensão crescente.

Autoridades ocidentais dizem que melhorias no arsenal dos ICBM da Rússia minam o argumento de Moscou de que o sistema irá apresentar uma ameaça e sugerem que o Kremlin quer usar a questão como um poder de barganha em negociações mais amplas sobre cortes de armas nucleares.
Durante seu mandato Kremlin 2000-2008, o presidente Vladimir Putin disse várias vezes que a Rússia iria melhorar a sua capacidade ofensiva nuclear em resposta aos planos americanos de defesa de mísseis.

Em 2007, primeiro vice-primeiro-ministro Sergei Ivanov, agora chefe de pessoal de Putin, foi citado por agências de notícias russas, dizendo que a Rússia já tinha armas que poderiam superar qualquer sistema de defesa antimísseis atuais ou futuros.

UND

Nenhum comentário:

Postar um comentário