domingo, 23 de fevereiro de 2014

Ucrânia tem novo presidente interino

O parlamento da Ucrânia nomeou Oleksander Turchynov como presidente interino. Ele assume o comando do país após o presidente

Ele ofereceu eleições antecipadas (em dezembro) e a formação de uma nova coalizão de governo, dizendo-se preparado para reformar a Constituição e devolver mais poderes ao Parlamento.

Mas na noite deste sábado, a guarda armada ao redor dos escritórios governamentais sumiu; o destino de Yanukovych também se tornou incerto.

Aparentemente, ele deixou a capital, mas deu uma entrevista de TV insistindo que ainda está no poder.

Só que sua arquirrival Yulia Tymoshenko foi libertada e levada a Kiev, cidade que Yanukovych parece não mais controlar. Muitos de seu partido também parecem desertá-lo.

Qual o papel da Rússia?

A Rússia claramente tem uma forte influência sobre Yanukovych, o qual foi apoiado por Moscou durante a Revolução Laranja de 2004 – quando sua eleição foi considerada fraudulenta.

A Rússia suspendeu empréstimos quando o governo ucraniano renunciou e restringiu o comércio bilateral quando a Ucrânia flertou com o Ocidente. A UE chamou isso de pressão econômica “inaceitável”.

Moscou acusa a UE de tentar fazer o mesmo ao oferecer acordos de livre comércio a Kiev.

Nos bastidores, acredita-se que esteja operando também a grande força de ricos oligarcas ucranianos. O mais rico deles, Rinat Akhmetov, emitiu comunicado apoiando protestos pacíficos. Outros oligarcas parecem apoiar Yanukovych.

ter sido derrubado no sábado, em votação no paralamento que se seguiu a uma sangrenta semana de protestos nas ruas.

Turchynov disse aos deputados que eles têm até terça-feira para formar um novo governo de coalização.

O presidente interino é aliado da ex-primeira-ministra Yulia Tymoshenko, importante opositora do governo deposto que foi libertada ontem. Ela estava presa desde 2011, quando foi condenada – numa decisão controversa – a sete anos de prisão, por abuso de poder.

Turchynov já havia sido nomaedo presidente do legislativo ontem, depois que o chefe anterior renunciou. O paradeiro de Yanukovych, que descreveu ontem a decisão do parlamento como um golpe, permanece obscuro.

Ele teria viajado para Kharkiv, no leste do país, na noite de sexta-feira. Segundo a imprensa local, autoridades ucranianas dizeram que ele foi parado pela polícia de fronteira ao tentar voar para a Rússia a bordo de um avião particular.

No sábado, o parlamento também decidiu retirar o status oficial da língua russa, cancelando uma lei do governo Yanukovych. Além disso, liberou a visitação à suntuosa residência de campo do presidente deposto Viktor Yanukovych e determinou a devolução do local ao Estado.

Após uma semana sangrenta, milhares de manifestantes permanecem neste domingo no centro de Kiev, mas a atmosfera na Praça da Independência parece calma.

As eleições para a Presidência estão marcadas para 25 de Maio. Em declarações à BBC, um dos líderes da oposição, Vitaly Klitschko sugeriu que será candidato.

“Eu quero fazer da Ucrânia um país europeu moderno”, disse ele. “Se eu puder fazer isso como presidente, eu vou fazer o meu melhor”.

Os desdobramentos deste fim de semana se seguem a três meses de protestos antigoverno. Na última semana, a violência se agravou – até o momento, o governo calcula 88 mortos na onda de confrontos.

A crise coloca em xeque o futuro dos 45 milhões de habitantes da Ucrânia, que ficam no meio de uma disputa de poder estratégica entre Rússia e o Ocidente.

A BBC Brasil fez um guia para explicar o que está em jogo:
O que motiva os protestos?

Os protestos começaram quando Yanukovych rejeitou, em novembro, um acordo com a União Europeia, preferindo uma aproximação comercial com a Rússia.

Milhares de pessoas – favoráveis à integração com a Europa – deram início a manifestações pacíficas e à ocupação da Praça da Independência.

Desde então, houve repressão policial aos protestos, a aprovação de leis restringindo as manifestações e a prisão de ativistas – fazendo com que as demonstrações antigoverno se intensificassem.

Muitas pessoas começaram a protestar menos por causa da integração à Europa e mais por temer que Yanukovych estivesse tentando servir aos seus próprios interesses e aos de Moscou.
O que causou a violência de fevereiro?

O derramamento de sangue de 20 de fevereiro foi o mais grave até o momento. Acredita-se que 77 pessoas tenham sido mortas e 600 feridas em 48 horas.

Vídeos mostram franco-atiradores disparando contra manifestantes. Os dois lados se culpam mutuamente, mas ainda não está claro quem atirou a primeira pedra ou disparou o primeiro tiro.

Governo e oposição fizeram, então, um acordo, que previa anistia a manifestantes presos e a desocupação, por parte dos opositores, de prédios estatais.

A oposição também pedia que o Parlamento discutisse mudanças na Constituição para reduzir os poderes presidenciais. Como isso não foi aceito, opositores promoveram manifestações diante do Legislativo.

Quem são os manifestantes?

Os protestos são mais fortes na região de Kiev e no oeste ucraniano (onde é maior a afinidade com a Europa e o Ocidente) do que no leste e no sul, onde fala-se russo graças à imigração durante o período soviético.

Os líderes de três partidos da oposição – Vitali Klitschko, do movimento Udar, pró-UE; Arseniy Yatsenyuk, do Fatherland, maior grupo opositor; e Oleh Tyahnybo, da extrema direita Svoboda- estão na Praça da Independência, tentando direcionar os protestos e angariar apoio.

Mas parte da população mantém sua desconfiança quanto a eles. O partido Fatherland, em especial, é criticado por seus anos recentes no governo e considerado como parte do establishment político.

Alguns grupos de extrema direita estão na dianteira dos confrontos com a polícia, mas não está claro se eles têm apoio de grande parte dos ucranianos.

O que está em jogo?

A crise na Ucrânia faz parte de um cenário maior. O presidente russo, Vladimir Putin, quer fazer de seu país uma potência global, que rivalize com EUA, China e UE. Para isso, ele está criando uniões aduaneiras com outros países e vê a Ucrânia como parte crucial disso – inclusive pelos profundos laços históricos e culturais entre ambos.

Já a UE defende que a aproximação com a Europa e eventual entrada no bloco europeu trariam bilhões de euros à Ucrânia, modernizando sua economia e dando-lhe acesso ao mercado comum europeu.

No leste, muitos ucranianos que trabalham em indústrias (fornecedoras da Rússia) temem perder seus empregos se Kiev se aproximar da Europa. Mas, no oeste, muitos anseiam pela prosperidade e pelo estado de direito que, acreditam, podem ser alcançados com acordos com a UE.
O país será dividido em dois?

Muito se fala das divisões linguísticas e culturais entre leste e oeste da Ucrânia.

Mapas mostram que áreas onde grande parte da população fala russo votaram em massa por Yanukovych em 2010. Para alguns analistas, isso indica que o país pode rachar ao meio, de forma violenta, caso não se negocie uma saída para a crise.

Outros alegam que essa divisão é improvável – e que, mesmo no leste pró-Rússia, muitos se identificam como ucranianos.

O que aconteceu com Yanukovych?

O presidente havia assinado um acordo com líderes da oposição, após conversas com chanceleres de três países europeus (França, Alemanha e Polônia).

Ele ofereceu eleições antecipadas (em dezembro) e a formação de uma nova coalizão de governo, dizendo-se preparado para reformar a Constituição e devolver mais poderes ao Parlamento.

Mas na noite deste sábado, a guarda armada ao redor dos escritórios governamentais sumiu; o destino de Yanukovych também se tornou incerto.

Aparentemente, ele deixou a capital, mas deu uma entrevista de TV insistindo que ainda está no poder.

Só que sua arquirrival Yulia Tymoshenko foi libertada e levada a Kiev, cidade que Yanukovych parece não mais controlar. Muitos de seu partido também parecem desertá-lo.

Qual o papel da Rússia?

A Rússia claramente tem uma forte influência sobre Yanukovych, o qual foi apoiado por Moscou durante a Revolução Laranja de 2004 – quando sua eleição foi considerada fraudulenta.

A Rússia suspendeu empréstimos quando o governo ucraniano renunciou e restringiu o comércio bilateral quando a Ucrânia flertou com o Ocidente. A UE chamou isso de pressão econômica “inaceitável”.

Moscou acusa a UE de tentar fazer o mesmo ao oferecer acordos de livre comércio a Kiev.

Nos bastidores, acredita-se que esteja operando também a grande força de ricos oligarcas ucranianos. O mais rico deles, Rinat Akhmetov, emitiu comunicado apoiando protestos pacíficos. Outros oligarcas parecem apoiar Yanukovych.

FONTE: BBC Brasil

O Ser Humano


O homem tem que viver assim,ajudando as outras espécies do planeta afinal somos os guardiões do planeta, se fossemos mais generosos com nossos semelhantes e outras espécies que dividem esse maravilhoso planeta com nosco os problemas correntes não existiriam.

Imagem de satélite registra UAV 'misterioso' na Rússia

Acima o UAV até então desconhecido russo

A modernização das Forças Armadas Russas talvez é o tema mais importante da Rússia. Pelo menos ¼ do orçamento da defesa da Rússia é destinado a criação de novas tecnologias. Com a guerra moderna, países se vem obrigado a projetar e construir novos veículos aéreos não-tripulados. A Rússia não seria diferente.

Em junho do ano 2013, a corporação aeronáutica russa MiG e o Ministério da Defesa da Rússia assinaram um contrato recentemente, o qual permiti a MiG seguir com as pesquisas e o desenvolvimento de um novo UCAV (aeronave não-tripulada de ataque), baseada no protótipo do MiG Skat.

Porém, vazou uma imagem de satélite na internet, da região russa de Tver, que mostra um aparato aéreo, na forma de asa voadora. Especialistas creem que seja um UAV ultra-secreto russo.

Apesar da imagem de baixa resolução, estima que o mock-up mede cerca de 10-11 metros. Não sei como, mas eles avaliam que o aparato não te uma grande entrada de ar no bico, o que faz dele um aparato no mínimo “diferente”.

Esperemos maiores novidades.

O Informante

Rachaduras estruturais no F-35B são mais extensas do que se pensava

As rachaduras estruturais encontradas nas asa do F-35B no ano passado são mais extensas do que se pensava, provocando uma parada nos testes de durabilidade em terra até o quarto trimestre deste ano.

As rachaduras iniciais foram encontradas na seção 496 (uma das quatro nervuras principais da asa) no ano passado e levou as autoridades a suspenderem os testes em terra após mais de 9400 horas de ensaios, ou mais de 8 mil horas de voo real, para investigar o problema.

Desde então, rachaduras também foram encontradas nas nervuras adjacentes, de acordo com Joe Dellavedova, porta-voz do Escritório do Programa Conjunto do F-35. “Inspeções subsequentes nas estruturas adjacentes à luz desta descoberta encontraram rachaduras adicionais em outras duas nervuras adjacentes”, diz ele.

Como as descobertas foram encontradas após o primeiro ciclo de 8.000 horas de uso, o problema não está afetando as operações de voo da frota de F-35B. Estas questões também estão limitadas, até agora, ao modelo B, variante de pouso vertical e decolagem curta (STOVL) para os Fuzileiros Navais dos EUA (USMC). O Reino Unido e a Itália também devem adquirir o F-35B.

Dellavedova dise que a questão não deve colocar em risco os planos dos fuzileiros navais de declarar a capacidade operacional inicial (IOC em inglês) do F-35B em julho de 2015.

Embora desapontado, o Pentágono parece sentir que o problema é administrável. “Consideramos [este resultado] significativo, mas de nenhuma maneira catastrófico”, diz o chefe do aquisição do Pentágono Frank Kendall”. A análise de causa principal ainda está em andamento, no entanto, com base na análise preliminar, um redesenho dos elementos estruturais afetados serão necessários. Esperamos ter peças modificadas disponíveis a tempo para o lote 9 e estamos avaliando o impacto sobre Lote 8, o lote de 2014″.

Ele observa que reforços estruturais serão necessários para os F-35B já entregues.

Um projeto melhorado para a segunda nervura 496 está sendo desenvolvido e estará pronto para teste em março, diz Dellavedova. Além disso, “um projeto de desenvolvimento semelhante para as novas descobertas nas estruturas adjacentes apenas começou, por isso as estimativas de quando as peças de reparo estarão disponíveis e instaladas não é precisa, mas estima-se que os reparos serão feitos no quarto trimestre de 2014 com a retomada dos ensaios”.

A nervura 496 é a mesma estrutura que apresentou rachaduras em 2010 depois de 1.500 horas de ensaios. Aquele problema suspendeu os ensaios até que uma solução fosse implementada.

O peso adicional da correção para a seção 496 é estimado em menos de duas libras (algo como 0,9 Kg). Já o aumento de peso das melhorias para as outras duas nervuras ainda não foi divulgado.

Apesar deste problema com o modelo B, o Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, brigadeiro Mark Welsh, que está comprando o modelo F-35A, diz se “sentir muito bem sobre este programa”, disse ele a jornalistas durante uma conferência de imprensa após o simpósio anual da Air Force Association Air Warfare em 21 de fevereiro.

FONTE: Aviation Week (tradução e adaptação do Poder Aéreo, a partir do original em inglês)

Farrakhan pede ao Presidente Obama a abertura da Área 51 e o fim do acobertamento de OVNIs

Louis Farrakhan, Jr., líder da Nação Islâmica, EUA

O líder estadunidense da Nação Islâmica, Louis Farrakhan, pediu ao Presidente Obama a abertura da Área 51 aos cientistas, em um sermão ministrado por ele no sábado, dia 15 de fevereiro passado. Foi o último sermão de uma série que durou um ano, intitulada “Time and What Must Be Done“, ( “Tempo e o Que Deve Ser Feito“, em português).

Farrakhan muitas vezes tem falado sobre um OVNI, que ele chama de Roda Mãe, o qual, de acordo com o New Yorker, o líder descreve como “uma espaçonave pesadamente blindada, com o tamanho de uma cidade, que irá fazer chover destruição sobre a América branca, mas irá salvar aqueles que abraçaram a Nação do Islã“.

Em seu recente sermão, Farrakhan disse: “Acreditamos que as nossas palavras, nas quais temos compartilhado sobre a presença da Roda, poderia ajudar o presidente e os Estados Unidos a evitar o alerta de Alá sobre o castigo e destruição, se os Estados Unidos não se curvarem“.

Aparentemente, sua sugestão para a abertura da Área 51 aos cientistas ajudaria nesses esforços, de alguma forma.

De acordo com o The Blaze, que reportou sobre o recente pedido de Farrakhan para Obama, no ano de 2011 Farrakhan tinha descrito a Roda e sua força de fogo destrutiva em grande detalhe.

“O final será a destruição. O Honorável Elijah Muhammad nos contou sobre uma gigantesca Aeronave Mãe que é feita como o universo, esferas dentro de esferas. As pessoas brancas as chamam de objetos voadores não identificados (OVNIs). Ezequiel, no Velho Testamento, viu uma roda que parecia como uma nuvem de dia, mas um pilar de fogo à noite. O Honorável Elijah Muhammad disse que a roda foi construída por alguns dos cientistas originais na ilha de Nippon, que é agora chamada de Japão. Ela custou 15 bilhões de dólares em ouro naquela época para ser construída. Ela é feita do aço mais duro. Os Estados Unidos ainda não sabem a composição do aço usado para fazer um instrumento como aquele. Ela é uma nave circular, e a Bíblia diz que ela nunca faz curvas. Devido à sua natureza circular ela pode parar e viajar em todas as direções à velocidades de milhares de milhas por hora. Ele disse que há 1.500 pequenas rodas dentro desta Roda Mãe, a qual tem meia milha por meia milha (800 metros de diâmetro). Esta Roda Mãe é como um pequeno planeta construído por humanos. Cada uma destas pequenas naves carrega três bombas.”

Logo após Farrakhan fazer esta fala em 2011, ele incorporou os OVNIs na convenção do Dia do Salvador da Nação do Islã. A convenção ocorreu ao mesmo tempo do International UFO Congress (IUFOC) em meados de fevereiro, e vários dos palestrantes do IUFOC participaram de ambos os eventos. Na época o jornalista mexicano e pesquisador de OVNIs Jaime Maussan ajudou Farrakhan a organizar as palestras sobre OVNIs.

A crença de Farrakhan na Roda Mãe tem sido combatida com grande incredulidade, mas ele tem insistido nas suas alegações por anos. No seguinte vídeo, em inglês, produzido em 2008 pelo programa de TV estadunidense Nightline, da rede ABC, o repórter Ted Koppel pede para Farrakhan explicar seus comentários sobre a Roda Mãe, a qual Koppel descreve como sendo “balbuciação” (gibberish em inglês).


 ColJimQ/Ovni Hoje

Advertência russa: Ameaça de guerra russa sobre a Ucrânia atordoa governo Obama

Um novo relatório do Ministério dos Negócios Estrangeiros ( MNE ) sobre a crise em curso na ex-Rep. Sov. da Ucrânia diz que presidente dos Estados Unidos Barack Obama estava " atordoado" ontem depois que o presidente Putin advertiu ele em um diálogo telefônico entre os dois líderes de que a Rússia estava preparada para enviar mais de 250.000 soldados fortemente armados para a Criméia para proteger a segurança de seus cidadãos contra novas agressões dos EUA-UE .

Criméia é uma república parlamentar autônoma dentro da Ucrânia, com uma população de mais de 2 milhões de cuja composição étnica é mais de 70% russos, e tártaros ligados a oposição da Ucrânia são 24% e é a base da Frota do Mar Negro da Rússia localizada em Sevastopol.

Putin começou a se envolver nesta última crise da Ucrânia esta semana, este relatório diz que , depois de receber um telefonema do presidente ucraniano, Viktor Yanukovych , que apelou para a intervenção direta de Moscou devido à sua nação estar sob " ataque direto " dos Neo- nazistas e de extrema-direita nacionalistas apoiados pela UE e os EUA em conflitos que deixaram, pelo menos , 67 mortos.

Importante notar, este relatório continua , é que o regime Obama tem instigado uma série de golpes de Estado " silenciosos" contra governos eleitos democraticamente que pretendem desestabilizar , fragmentar e reabsorver em sua aliança globalista ocidental.

Infelizmente para o povo da Ucrânia , este relatório diz , o regime de Obama e seus homólogos da UE têm se alinhado com o grupo de oposição de um setor da direita temido que consiste principalmente de homens jovens de direita , ultra- direitaistas, fascistas limítrofes , bem como o ainda mais temido nacionalista de extrema direita partido Svoboda que tem sido descrito como por vezes um partido neo- nazista anti-semita e por organizações internacionais de jornais que monitoram o discurso de ódio , as organizações judaicas , e aos oponentes políticos.

A International Business Times ( IBC) , está alertando para o Partido Svoboda e disse que não pode ser chamado de uma " débil" organização de partido , uma vez que atualmente ocupa 36 assentos no parlamento de 450 membros da Ucrânia , concedendo-lhe o status como o quarto maior partido do país.

Além disso, diz IBC , Svoboda está ligado a outros grupos de extrema-direita em toda a Europa por meio de sua participação na Aliança dos Movimentos Nacionais Europeus , que inclui o Partido Nacional Britânico (BNP) do Reino Unido e Jobbik , o neo- fascista , anti- semita e anti- Roma, partido da Hungria .

Em responder ao apelo de Yanukovych para a intervenção direta contra estes fascistas apoiados por ocidentais , este relatório diz , Putin ordenou ao Comissário de Direitos Humanos Vladimir Lukin para intermediar a suspensão imediata da crise , avisando que a Rússia " estava pronta para ir para a guerra pela Criméia. "
Após o encontro com Lukin , este relatório continua , o ministro dos Negócios Estrangeiros polaco Radosław Sikorski foi gravado pela ITV News afirmando sem rodeios aos líderes da oposição ucraniana fascistas , "Se vocês não suportam este [ acordo ] vocês vão ter a lei marcial , vocês terão o exército . Tudo o que vocês vão ver vai estar morto. "

Se as medidas mais extremas a serem usadas nesta crise pelos militares russos , este relatório afirma ainda , a autoridade legal para fazê-lo cabe ao apelo do Conselho Supremo da República Autónoma da Criméia a Yanukovych , que foi apresentado pelo Presidium do Soviete Supremo da Criméia ao Presidente instando-o a tomar medidas extraordinárias para preservar a ordem constitucional e de unidade na Ucrânia, e que Putin é obrigado a suportar pelo tratado.
Embora um acordo foi alcançado ontem para tentar acabar com esta crise , este relatório continua (que a Rússia se recusou a assinar e Yanukovych afirmou na televisão ucraniana que ele não iria assinar documentos com os "bandidos" que aterrorizam a Ucrânia ) ministro das Relações Exteriores , Sergei Lavrov , no entanto, expressou sua profunda preocupação para com os ministros das Relações Exteriores da Alemanha, França e Polônia sobre a incapacidade da oposição ucraniana para cumprir o acordo.
Pior ainda , este relatório continua, o fascista parlamento ucraniano levou adiante e declarou o presidente Yanukovych constitucionalmente incapaz de exercer as suas funções mais cedo do dia 22 e definiu uma eleição antecipada para 25 de maio, um movimento que Yanukovych se recusou a reconhecer ao declarar que um golpe de Estado estava em curso e que ele não vai renunciar.

Uma das primeiras " blowbacks não intencionais " para o Ocidente seguintes as suas tentativas de "golpe silencioso " na Ucrânia , este relatório afirma , foi a decisão da Islândia hoje cedo para cancelar seu referendo sobre a adesão à UE , como eles não estão mais interessados ​​em ingressar neste bloco comercial , um movimento feito pela Ucrânia em novembro passado que começou esta última crise , em primeiro lugar .
Com o chanceler Lavrov observando a hipocrisia ocidental relativa à violência Ucrânia , afirmando : "Quando algo assim acontece dentro de um país europeu, ninguém questiona a necessidade de conter a desordem e violência com medidas firmes ", este relatório conclui , permanece a Obama para acatar a advertência de Putin para evitar uma guerra total .

 WhatDoesItMean.Com/UNDHN

Venezuela: protestos acabam em confrontos com polícia

Em Caracas ocorreram confrontos entre a polícia e manifestantes da oposição.

Várias pessoas ficaram feridas, manifestantes arremessaram pedras e a polícia usou gás lacrimogêneo para dispersar a multidão. Ao todo, a manifestação reuniu dezenas de milhares de pessoas.

Em outros bairros de Caracas e cidades do país se registraram manifestações de apoio ao presidente Nicolás Maduro, que acusa seus adversários de tentativa de golpe de Estado.

As duas partes se atribuem mutuamente a responsabilidade pela morte de ao menos 10 pessoas ocorrida na sequência dos confrontos de rua nas últimas duas semanas.

Voz da Rússia

Risco de desintegração:Consultor alemão não exclui desintegração da Ucrânia

Os dramáticos acontecimentos em curso na Ucrânia pode ser visto como um sinal de iminente desintegração do país e não há evidências claras de que a agitação na Ucrânia está sendo orquestrada do exterior, alega Christoph Hoerstel, Consultor de Governo e publicitário, na Alemanha, em uma entrevista exclusiva com o Voz da Rússia.

O governo ucraniano fez uma série de concessões aos manifestantes. Mas a oposição parece não ter pressa para traduzir as suas promessas e ações.O que você acha, como é que se desenrolam os acontecimentos na Ucrânia a partir de agora e é a desintegração do país possível?

Infelizmente, todos os sinais significam mais violência, mais destruição e mais mortes. Eu não excluiria uma desintegração da Ucrânia. Claro, eu não tenho nenhuma idéia do que está sendo planejado secretamente em Washington e na UE, mas uma coisa parece ser certa - Washington está insinuando todos na Ucrânia de que eles não estão fora de compromisso. O compromisso foi oferecido pela Rússia, indiretamente, o último fim de semana e através de um canal muito bom e que foi rejeitado, não foi atendido. E, de fato, a resposta foi o que vimos esta semana. Então, na verdade, as perspectivas são muito oblíqua e são astutos para os projetos agressivos dos EUA.

Você acha que os EUA, a Alemanha e a França poderiam influenciar o curso dos acontecimentos na Ucrânia? De que maneira?

Temos uma situação em que a UE está em algum tipo de ação poodle agora.Eles são vítimas de bullying em obediência, em tratar de forma agressiva com a crise ucraniana.Tivemos avanços do lado do presidente ucraniano, que eu acho que são sem precedentes na história da humanidade como ele estava oferecendo o governo completo para a oposição. Ele estava oferecendo o trabalho de primeiro-ministro e do emprego do ministro mais importante para a oposição e eles rejeitaram. E isso significa que nos países ocidentais fato, a União Europeia, liderada e gerida por Washington, não está pronto para o compromisso.

Eles não querem dividir o bolo, eles querem que todo o bolo. E a razão é muito simples de que não é mais um projeto e que o projeto é a Rússia.Eles querem uma mudança de regime em última análise, na Rússia. Então, eles não podem sair com apenas metade da Ucrânia ou algo assim, ou um compromisso administrado a partir de todos os lados. Eles querem completo Ucrânia e, em seguida, eles vão para a Rússia. Isso é o que está acontecendo aqui e ele não só está a acontecer na Ucrânia. Está acontecendo na Síria, bem como, onde ataques militares e zonas de exclusão aérea a ser discutidas e nós temos a agitação agora na Venezuela, outro amigo da Rússia. Assim, vemos três amigos da Rússia agora sob ataque americano.
Por que os EUA e seu presidente Barack Obama acreditam que têm o direito de ditar as nações soberanas como lidar com a crise local, após a declaração de ontem por Obama?

A declaração de Obama ele é realmente cínico. É inacreditável como ele pode dizer coisas assim que os manifestantes pacíficos não devem ser desafiados por forças do governo. É o contrário exatamente. Se você assistir a todos esses vídeos, o que acontece nas ruas, é muito claro que os manifestantes armados agora estão desafiando o governo, as forças policiais e que ésão naturalmente, algo que nenhum país na Europa permitiria isso em casa.

UNDHN

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Centro de estudos de ETs na Unicamp abrigaria o ET de Varginha

Instituto de Química da Unicamp abrigaria o Pavilhão 18, 'casa' do ET de Varginha e de vááários outros

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), instituição fundada em 1966 e que concentra 23 mil alunos em seus 60 cursos conceituados, conquistou uma fama que pouco tem a ver com a área acadêmica: estudiosos da ufologia, ciência que estuda elementos ligados a óvnis (objetos voadores não identificados) apontam a universidade como abrigo para criaturas extraterrestres e o maior centro brasileiro de pesquisa sobre a vida fora da Terra.

Por isso, os ufólogos apelidaram a Unicamp de Área 51 brasileira, uma referência à área militar restrita no deserto de Nevada, nos Estados Unidos, tão secreta que o governo norte-americano só admitiu sua existência oficial em 1994 e ainda com muitas restrições. Ufólogos afirmam que o local recebe extraterrestres capturados no território americano, fato nunca confirmado ou negado pelo governo. Por isso, segundo eles, a semelhança entre os dois locais.

De acordo com estudiosos, a Unicamp começou a se tornar o principal reduto de pesquisas extraterrestres brasileiras a partir de 1996, com o caso do ET de Varginha (MG). Para os ufólogos, a criatura encontrada na cidade mineira foi trazida para a Unicamp.
"O Exército foi até o local, mas o ET não estava mais lá e tinha sido retirado numa ambulância. Os militares foram atrás dela e a interceptaram. O ET foi retirado da ambulância e levado para a Unicamp, onde foi pesquisado. Foi um dos casos mais importantes da ufologia de todo o mundo. E há muitas testemunhas", diz afirmou José Fernando de Moraes Pinto, biólogo e estudioso do tema.

O local

O laboratório de testes da Unicamp, que teria criaturas de outros planetas mortas e também vivas, ficaria metros abaixo da terra e seria conhecido como Pavilhão 18. Segundo os ufólogos, ele é guarnecido de forma única e estaria localizado próximo ao Instituto de Química e a Faculdade de Ciências Médicas.

"Já vimos soldados do Exército, com armas de calibre grosso, e também seguranças particulares que rondam o local durante todo o dia, mas não dá para saber muito, já que o local não é acessível para alunos e pessoas em geral", disse Ricardo Roehe, ufólogo, pesquisador e responsável pelo site "Ufólogos Online".

Roehe explica que, com o sucesso na análise do ET de Varginha, que teria sobrevivido e seria mantido no local até hoje, a universidade foi escolhida para receber outras criaturas. A partir daí, o laboratório subterrâneo teria sido construído para abrigar os extraterrestres. "O motivo de ser subterrâneo é controlar os poderes mentais dos ETs e evitar que eles tentem se comunicar com seus pares por telepatia", informou ele, contando ainda que a Unicamp concentra uma grande variedade de extraterrestres "Todos os ETs capturados em Varginha estão lá, assim como os chupa-cabras capturados vivos ou mesmo os abatidos no interior do país", disse.

Outro lado

A universidade se pronunciou através de nota oficial e negou as informações. "Não procede a informação de que a Unicamp estaria desenvolvendo pesquisas ou abrigando supostos extraterrestres em suas dependências", afirma a universidade.

"A instituição interpreta o assunto como um mito que prosperou no imaginário popular e nega qualquer afirmação ou insinuação a esse respeito", completa a nota oficial.

Procurado para comentar o caso, o Exército Brasileiro informou, em nota oficial, que a informação sobre a presença de militares do Exército protegendo uma área na Unicamp "não procede".

O Et de Varginha

O caso de Varginha ocorreu no dia 20 de janeiro de 1996, e se tratava de uma possível aparição de objetos voadores não identificados com captura de criaturas extraterrestres de alto nível de civilização pelas autoridades brasileiras. Uma destas criaturas teria sido levada até a Unicamp, onde permaneceria até hoje.

Três garotas, ao passarem próximas a um terreno baldio, afirmaram terem visto uma das tais criaturas, que teria pele marrom, viscosa, olhos enormes de cor vermelha e três protuberâncias na parte superior da cabeça, que era muito grande.

Na mesma cidade, um casal também afirmou ter visto um óvni esfumaçado, e outra testemunha afirmou ter presenciado a queda de um óvni e seus destroços sendo recolhidos por militares. Uma investigação realizada pelo Exército Brasileiro, finalizada em 1997, afirmou que as pessoas viram um homem no terreno e confundiram-no com um suposto extraterrestre

UOL

Força Aérea da Rússia recebe seu primeiro T-50, para ensaios de vôo

A Força Aérea Russa recebeu hoje um caça T-50 de quinta geração para testes, adiantou nesta sexta-feira o serviço de relações publicas da empresa Sukhoi.

Em dezembro do ano passado, o comandante em chefe da Força Aérea Russa, tenente-general Viktor Bondarev, disse que em 2016 as tropas começariam a receber os jatos de quinta geração produzidos em série.

Ao mesmo tempo, ele não descartou que o início das entregas do T-50 à Força Aérea poderia ocorrer mesmo antes do prazo previsto se “os testes de voo forem efetuados de maneira mais acelerada”.

Voz da Russia

Agente da CIA capturado na Ucrânia ajudando manifestantes a protestar


Um agente da CIA supostamente foi capturado na Ucrânia, como mostrado no vídeo abaixo. Este vídeo foi enviado ao B4IN a pedido e que publicamos essa informação imediatamente. Isso é mais uma prova de que o governo dos EUA com a CIA estão fomentando revolução na Ucrânia.

UNDHN

Ucrânia se dividindo? Províncias do Sul e Leste da Ucrânia assumem ordem constitucional.

Os departamentos provinciais do sul e do leste da Ucrânia e a república autônoma de Criméia, cujos representantes se reuniram na cidade de Járkiv, anunciaram que assumem a plenitude do poder até que se restabeleça a ordem constitucional em Kiev.
A reunião assistida pelos deputados de todos os níveis e governantes das províncias de Donetsk, Lugansk, Dnipropetrovsk, Járkiv e a república autônoma da Criméia, assim como as prefeituras das cidades de Járkiv, Sebastopol e Donetsk.

"Os acontecimentos dos recentes dias na capital da Ucrânia, a cidade de Kiev, levaram a paralisia dos órgãos de poder e a desestabilização da situação no país", reza o documento que aprovaram . O texto da resolução inclui também a convocação dos vizinhos das ditas províncias a organizarem-se para fazer frente a uma invasão de grupos armados ilícitos.
Os órgãos de poder central estão paralisados, revela a resolução. "A Rada Suprema (Parlamento) da Ucrânia funciona em condições de terror, sob a mira de pistola e sob ameaça de assassinato". Por este motivo, "as decisões do Parlamento em Kiev, adotadas sob estas condições, colocam em dúvida sua legitimidade e validade".

Desde a tribuna da conferência, depois de que for adoptada a resolução, foi proclamado uma convocatória incluso mais explícita: "Organizem pelotões, batalhões. ¡Adiante os veteranos da Guerra do Afeganistão! Pois alguns grupos terroristas se apoderaram do poder, temos que opor e mosrar a eles resistência".
RT
G1/RT/UNDHN

Rússia atenta com Ucrânia.General russo: "Nós estamos em guerra '

Em uma entrevista publicada por km.ru,o general Leonid Ivashov , ex- chefe de relações internacionais do Ministério da Defesa e atual presidente da Academia de Estudos Geopolíticos da Rússia , emitiu um alerta afiado sobre a natureza da crise estratégica se desdobrando na Ucrânia:

" Aparentemente, eles [ funcionários da União Europeia e o secretário de Estado dos EUA John Kerry ] têm se dedicado , e continuará a fazê -lo, aprofundar e cuidadosamente estudar a doutrina do Dr. Goebbels . . . Eles apresentam tudo ao contrário da realidade. É uma das fórmulas que a propaganda nazista empregou com mais sucesso : . . . Eles acusam o partido que está se defendendo, de agressão. O que está acontecendo na Ucrânia e na Síria é um projeto do Ocidente, um novo tipo de guerra : em ambos os lugares você vê uma abordagem anti- russa clara , e como é bem sabido , as guerras de hoje começam com operações de guerra psicológica e informações. . . Kerry e Obama são animadores em Kiev que eles severamente reprimem em seu país. Os líderes europeus dispersam manifestações não autorizadas com mangueiras , jogando manifestantes na cadeia, enquanto que no caso da Ucrânia que fazem exatamente o oposto , e em cima do que eles ameaçam a Rússia. Logicamente, isso é parte da guerra de informação.

" Tenha em mente que , sob a capa de informações de comoção , onde navios dos EUA estão entrando no Mar Negro , ou seja, perto da Ucrânia. Eles estão enviando fuzileiros navais, e eles também começaram a implantar mais tanques na Europa. . . Vemos que na esteira da operação de desinformação a terra-mar e, possivelmente, operação aérea está sendo preparada.

" O cenário poderia ser o seguinte : unidade da Ucrânia ao ponto de ruptura , a culpa colocada em Yanukovich e Rússia por tudo, para depois dizer que a OTAN não pode simplesmente sentar-se como um mero espectador, e , em seguida, enviar suas tropas para retornar a ordem. Em seguida, um governo de transição seria formado , como aconteceu no Iraque e no Kosovo , a OTAN tomando o controle de tudo. A experiência histórica mostra que temos vivido situações semelhantes. Mas antes que eles terão de justificar a agressão com a guerra de informação. . .

"Eles não têm mesmo ensinado [ líderes da oposição ] Klitchko , Yatsenyuk e Tyahnybok para executar um governo eficiente. A principal coisa para eles é para tomar o poder e destruir o Estado ucraniano. "Atualmente , na Ucrânia , há um parlamento em Kiev e um parlamento em Kharkov . O parlamento despojou Yanukovych de seus poderes e cassado , mas ele diz que eles não têm o poder de fazer isso e se recusa a renunciar. Os últimos relatos que têm vindo é sobre um presidente em Donetsk . Na verdade não há uma única pessoa responsável por lá. É o caos. Tudo sobre a ' rebelião ' cheira a marionetes ocidentais aoe fascismo. Tudo sobre os partidários de Yanukovych em curso cheira a Rússia. A Criméia está para tr protestos agora nas ruas porque querem juntar-se em uma união com a Rússia. E a Rússia afirmou que está preparando milhares de tropas para proteger russófonos étnicos que são 7 a 8.000.000 de na Ucrânia. As coisas estão muito fluidas e mudando a cada hora. Fique ligado.

KM.RU / UNDHN

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

CANADÁ - FOTOGRAFADO UMA ENTIDADE MISTERIOSA DE ASPECTO HUMANÓIDE, EXTRATERRESTRE?

O GARPAN (Centro de Pesquisa de fenômenos aeroespaciais) com sede em Montreal (Quebec Canadá) realizou investigações sobre uma foto onde você pode ver uma figura misteriosa de aspecto Humanóide.
Tudo aconteceu no parque Chauveau, Quebec 18 de junho de 2011 aos 15 anos, quando uma família composta de uma mãe e três filhas, durante um passeio no parque, ele tomou uma série de fotografias de a bela paisagem que se apresentava. Analisando apenas as fotos para produzir um tal álbum de fotos, eles perceberam a presença de uma figura misteriosa que estava ao lado de uma grande árvore..
Os pesquisadores analisaram a fotografia GARPAN e de acordo com eles, a imagem dessa entidade humanóide misterioso é real. Este parece estar a ter algum tipo de ação com um grande cinto, claramente visível na foto. Mesmo cinco outros investigadores de UFOs e analistas especializados de vídeo, não conseguiram esclarecer ou explicar a presença desse ser misterioso na fotografia.

 A imagem desempenha - de acordo com Jean Morissette, ufólogo conhecido e pesquisador David LeBlanc - um ser de outro mundo e é algo muito raro no domínio público. Durante a pesquisa e as investigações realizadas no local pelo GARPAN, com um detector de metais foi encontrado uma misteriosa bola de metal que mais tarde foi analisado pelo Departamento de Química de Montreal.
Abaixo publicamos o vídeo relacionado com a investigação policial do centro de UFO Garpan, mas para saber mais detalhes sobre o restante da investigação, consulte o site http://garpan.ca/

 UFOS ONLINE 


Veja os Vídeos Abaixo:

Fonte:eGARPAN Ufologi


Fonte:GARPAN Ufologie


Fonte:GARPAN Ufologie

http://ufosonline.blogspot.com.br/2014/02/canada-fotografado-uma-entidade.html

Se você acredita que a Guerra Fria acabou, simplesmente olhe o que está ocorrendo na Ucrânia

O que está acontecendo nas ruas de Kiev agora é realmente uma guerra por procuração entre o Oriente e o Ocidente. De um lado você tem os EUA-UE, que estão bastante determinados a trazer a Ucrânia sob sua esfera de influência. Por outro lado você tem a Rússia ( ex-URSS ), que está bastante determinada a manter a Ucrânia fora da UE e fora da OTAN. Além disso , a Rússia está extremamente preocupada com os dutos estratégicos de gás natural que passam pela Ucrânia que o gás de transporte da Rússia para o resto da Europa .

Em última análise , não é do interesse do povo da Ucrânia a ser dominado por um ou outro lado , mas isso vai ser o que acaba acontecendo . A Guerra Fria está tocando nas ruas de Kiev , enquanto você lê este , e este conflito vai aumentar muito as tensões entre o Oriente eo Ocidente. Como essas tensões continuam a subir, um dia esta guerra fria realmente pode acabar provocando uma verdadeira guerra entre as superpotências .

Tragicamente , é o povo da Ucrânia que está pagando o preço por essa guerra por procuração . Durante a recente agitação , pelo menos 75 pessoas morreram , mais de 500 pessoas ficaram feridas , e as ruas das principais cidades ucranianas estão sendo transformadas em zonas de guerra.

Você pode ver algumas fotos incríveis do desassossego na Ucrânia bem aqui, e você pode encontrar alguns surpreendentes fotos antes e depois de Kiev aqui e aqui.

A violência tem sido cometido por ambos os lados. Para aqueles que pensam que estas são apenas "protestos pacíficos" , basta considerar o seguinte ...

Na Ucrânia , os rebeldes apoiados pelos EUA apreendem armas de um depósito militar e começam a disparar contra a polícia - matando pelo menos dez. Os grupos rebeldes ocupam prédios do governo e os incendeiam , sede sindical , a agência central dos correios , e sede do partido político. Eles ocupam as instalações do governo local em outras cidades e atacar fisicamente as autoridades locais . Seu objetivo é derrubar o governo eleito.

Não é segredo que este é um violento, high stakes lutando para tomar o controle da Ucrânia entre o Oriente e o Ocidente. É tão óbvio que até mesmo o New York Times está a admitir isso ...

Os dois lados no que está se transformando em um confronto Leste-Oeste sobre a Ucrânia endurecendo as suas posições na quarta-feira , com as autoridades russas denunciando o que eles chamavam de um golpe de Estado por extremistas de direita , assim como os Estados Unidos ea Europa ameaçou impor sanções sobre os responsáveis para a violência que eclodiu na capital, Kiev, e se espalhou para outras cidades.

As reações nitidamente divergentes ressaltou o aprofundamento confronto entre a Rússia e o Ocidente sobre o destino da Ucrânia, com cada lado acusando o outro de interferência e disputando até mesmo os fatos do que estava acontecendo.

E não é segredo que os " grupos rebeldes " na Ucrânia estão a ser organizados e financiados por organizações de alta potência nos Estados Unidos . De fato, como o vídeo a seguir por Paul Joseph Watson demonstra , algumas destas organizações que estão alimentando a "revolução" na Ucrânia estão diretamente ligados a George Soros ...

Infelizmente, a maioria das pessoas envolvidas neste conflito amargo na Ucrânia não entende nada disso.

A maioria deles só querem liberdade, liberdade e um futuro melhor para eles e para seus filhos.

Infelizmente, eles não vão ganhar não importa qual lado ganha.

Ou eles vão acabar sob o jugo da Rússia, ou eles vão acabar com sob os EUA e a UE .

E os americanos não devem pensar que o que está acontecendo na Ucrânia não vai afetá-los.

A verdade é que as tensões entre os Estados Unidos e a Rússia têm vindo a aumentar durante anos. Este tem sido um tema constante ao longo dos últimos Jogos de poder.

Algum dia essas tensões podem explodir em um conflito real.

A maioria dos americanos tendem a pensar da Rússia como um " ex- inimigo " que mais ou menos desabou no "fim da Guerra Fria " no início de 1990 .

Mas isso não é a realidade por mais tempo. Rússia tem experimentado um ressurgimento econômico enorme sobre nas duas últimas décadas , e de acordo com um ranking da Rússia agora , na verdade, tem uma economia maior do que a Alemanha faz.

Para muito mais sobre a ascensão da Rússia como uma superpotência econômica , por favor, veja meu artigo anterior intitulado "The Rise Of The Bear: 18 Sinais de que a Rússia está rapidamente alcançando os Estados Unidos " .

Além disso , a Rússia também tem experimentado um tremendo ressurgimento militar.

Mesmo que os EUA diminuem os gastos militares , a Rússia está a armar de forma agressiva. Um tempo atrás , o presidente russo , Vladimir Putin, fez a seguinte declaração ...

"Ninguém deve ilusões a respeito de suas chances de afirmar a superioridade militar sobre a Rússia , nós nunca vamos permitir que isso aconteça .... graças à nossa doutrina militar e armas avançadas . "

Rússia está em processo de recrutamento de centenas de milhares de novas tropas, e de acordo com Putin a modernização das forças armadas russas vão para o próximo nível em 2014 ...

" Em 2014 , as forças armadas devem receber mais de 40 mísseis balísticos intercontinentais mais modernos , mais de 210 aviões e helicópteros , mais de 250 unidades de veículos blindados. Portadores de foguetes nucleares o Alexander Nevsky eo Vladimir Monomakh assumirá o relógio de combate e seis novos satélites reforçará o agrupamento orbital. "

O mais preocupante para muitos analistas é os submarinos de ataque nuclear com " tecnologia stealth avançada" que a Rússia está a construir . O seguinte é um trecho de um dos meus artigos anteriores , intitulado " Novos Submarinos russos são tão silenciosas que a Marinha dos EUA chama-los " buracos negros " " ...

Você sabia que a Rússia está a construir submarinos que são tão silenciosos e que os militares dos EUA não pode detectá-los ? Estes submarinos "buraco negro" podem abordar livremente as costas dos Estados Unidos , sem medo de ser detectado quando quiserem. Na verdade, um " submarino de ataque de propulsão nuclear armado com mísseis de cruzeiro de longo alcance " navegou ao redor do Golfo do México por várias semanas sem ser detectado por volta de 2012. E agora a Rússia está a lançar uma nova classe de submarinos que têm " tecnologia stealth avançado" . A Marinha dos EUA reconhece abertamente que eles não podem controlar esses subs quando eles estão submersos . Isso significa que os russos são capazes de navegar até às nossas costas e as armas nucleares de lançamento sempre que quiserem. Mas, em vez de tentar encontrar uma maneira de neutralizar essa ameaça potencial , o governo Obama tem trabalhado muito duro para desmantelar o arsenal nuclear estratégico dos EUA .

Infelizmente, os EUA não consideram a Rússia como uma ameaça estratégica por mais tempo. No auge da Guerra Fria , os militares dos EUA tinham mais de 31 mil ogivas nucleares estratégicas. Hoje, ele só tem 1.550 e Barack Obama quer reduzir esse número por outro um terço.

Vamos esperar e rezar para que os Estados Unidos ea Rússia nunca lutem uma verdadeira guerra uns com os outros .

Mas como as coisas na Ucrânia e em outros lugares continuam a aumentar , há a possibilidade muito real de que esta guerra fria possa se transformar em algo muito, muito pior num dia.

E a Rússia está ocupada se preparando para essa eventualidade.

Na verdade , você sabia que a Rússia tem mais espiões dentro dos EUA hoje do que em qualquer momento durante a Guerra Fria ?

A maioria das pessoas que lêem este artigo não vai entender a importância do mesmo . Espero que você não seja um deles .

O que está acontecendo na Ucrânia agora tem o potencial de alterar significativamente o futuro deste planeta. Um grande jogo de xadrez está sendo jogado fora , e aqueles que assumem que "a América sempre vence " pode estar em um grande choque , um dia.

American Dream/UNDHN

Rússia preparada para lutar uma guerra sobre a Ucrânia; Adverte um oficial Sênior do governo

Rússia também acompanha de perto situção na Ucrânia e se prepara para defender a Criméia

Se a Ucrânia se rompe , ela vai desencadear uma guerra ", adverte um alto funcionário do governo russo. O FT relata que a Rússia está preparada para lutar uma guerra sobre o território ucraniano da Crimeia (onde a maior população de etnia russa vive e eles têm uma base militar ) . Conjurando imagens da invasão russa de 2008, a Geórgia , o funcionário disse ao FT , " eles vão perder na Criméia primeiro [ porque] nós vamos entrar e proteger [eless] , assim como fizemos na Geórgia. " O Kremlin diz respeito ao conflito georgiano como o maior impasse entre a Rússia e o Ocidente desde o fim da Guerra Fria e tem alimentado determinação de Moscou para empurrar de volta contra o que acredita ser as tentativas ocidentais para conter a Rússia.

Se acordo de paz que assinaram não resolveu nada e já foi rejeitado pelos militantes de extrema-direita que têm vindo a fazer a maior parte da luta contra o governo. Esta paz não vai durar. Está aberto para ambos os lados para se reagrupar e pronto. Nesse ponto, eu acho que será difícil não acontecer algum tipo de intervenção militar neste conflito . Espero que as pessoas no terreno na Ucrânia percebam que são apenas peões . Infelizmente , acho que os únicos que fazem são os grupos fascistas , ultra- nacionalistas como os que rejeitam este acordo de paz .

via ZeroHedge/UNDHN

“No caso de golpe de Estado na Ucrânia não haverá autoridade legítima”

Uma tentativa de derrubar pela força a autoridade legítima do país – foi assim que a presidente do Conselho da Federação (câmara alta do parlamento russo), Valentina Matvienko, descreveu o que está acontecendo na Ucrânia numa reunião com o presidente do Conselho Supremo (parlamento) da Crimeia, Vladimir Konstantinov, realizada em Moscou.

Por sua vez, o presidente do parlamento da Crimeia disse que não reconhecia a legitimidade de quaisquer ações das autoridades ucranianas adotadas sob pressão de extremistas.

Durante o encontro Valentina Matvienko apelou a todas as forças políticas e sociais sensatas na Ucrânia para se unirem a fim de parar as ações que ameaçam a integridade territorial do país. Há que chamar as coisas por seus nomes, disse a presidente do Conselho da Federação. Tais cenários de “revoluções coloridas” ocorrem sempre da mesma maneira, já vimos algo parecido nos países árabes, destacou Matvienko:

“Infelizmente, os líderes da oposição que estão negociando e as pessoas na praça da Independência são duas forças completamente diferentes. Aqueles que estão na praça não têm uma agenda positiva, não têm exigências específicas sobre as quais se poderia negociar. No entanto, a nossa posição é fazer todo o possível para encontrar uma solução pacífica para esta gravíssima crise política. Ao mesmo tempo, em qualquer país as autoridades são obrigadas a assegurar a preservação da ordem constitucional e da segurança das pessoas nos termos da Constituição, nos termos da legislação vigente. É necessário parar as ações das forças extremistas. Eu acho que todas as forças sensatas na Ucrânia, e é a maioria absoluta da população do país, devem se unir no esforço de acabar com esta violência, acabar com estes assaltos, estas ações anticonstitucionais, porque caso contrário isso ameaça a integridade territorial da Ucrânia”.

Por sua vez, o presidente do parlamento da Crimeia, Vladimir Konstantinov, disse que o governo atual é o último bastião da soberania ucraniana. No caso de um golpe de Estado no país não haverá autoridades legítimas e “começará o caos universal, cujas consequências hoje são difíceis de imaginar”, acredita Konstantinov. A Crimeia apoia as autoridades vigentes da Ucrânia mas não reconhece a legitimidade das ações dos responsáveis cometidas sob pressão de extremistas:

“A salvação do poder central é a única coisa que vai salvar o Estado no nosso país. Depois disso podemos tentar entender o que se pode mudar ou melhorar. No futuro, muito pode ser feito se as autoridades não forem quebradas de uma forma cruel medieval. Nós em Crimeia tomamos consistentemente uma posição dura em relação a esses atos. Estamos sendo atacados por não-humanos – isto são, na verdade, mercenários, combatentes, terroristas, é uma intervenção. Chamem o que quiserem – é um bando bem organizado. Eles não têm ideologia, ela varia de acordo com a situação”.

No encontro com o presidente do parlamento da Crimeia, Valentina Matvienko também condenou a posição de alguns países que toleram as ações das forças radicais na praça da Independência e permitem a interferência flagrante, indisfarçada de forças exteriores nos assuntos internos de um estado soberano.

"Hoje, qualquer pessoa sensata entende que são forças organizadas que recebem apoio político e financeiro estrangeiro", resumiu a chefe da câmara alta do parlamento russo.

Voz da Rússia

Tensão nas fronteiras da Ucrânia está aumentando

À medida que prosseguem os combates nas ruas de Kiev, a tensão está crescendo rapidamente na vizinha Moldávia.

No final deste mês devem recomeçar as negociações sobre a solução do problema da Transnístria – e os participantes do processo se estão apressando a fortalecer suas posições.

O Parlamento Europeu está descontente com o presidente romeno Traian Basescu, a Moldávia está dececionada com a União Europeia, e a Transnístria se pronuncia cada vez mais ativamente em favor da integração com a Rússia.

A razão para a nova escalada da tensão – felizmente, por enquanto ainda verbal, – foi a declaração dura como nunca do líder do grupo de socialistas e democratas no Parlamento Europeu, Hannes Swoboda: “É muito estranho que, numa altura em que a Moldávia está numa situação difícil, o presidente da Romênia queira, de uma forma ou de outra, absorver a Moldávia”. Foi assim que o deputado comentou as recentes declarações do líder romeno de que a adesão da Moldávia é um “projeto nacional” para Bucareste.

Ora o próprio eurodeputado tampouco conseguiu resistir a fazer afirmações duvidosas. Por exemplo, ele mencionou a pressão alegadamente exercida sobre a Moldávia pela Rússia, e até mesmo uma alegada ameaça proveniente da capital russa. Foi nesses termos que ele delineou a cooperação entre Moscou e Transnístria, cuja população na sua grande maioria tem passaportes russos. Ao mesmo tempo, a posição oficial da Rússia continua sendo o reconhecimento da soberania e integridade territorial da Moldávia dentro de suas fronteiras atuais.

O patetismo da declaração de Hannes Swoboda encaixa bem com a ideia das tentativas de salvar a todo o custo o programa da União Europeia Parceria Oriental, após o seu fracasso na Ucrânia. O diretor do Centro de Estudos Políticos de Kiev Mikhail Pogrebinsky nota o seguinte:

“Tudo isso é feito sutilmente. Menciona-se um fato que, digamos, está desatualizado há duas semanas. Mas ele é mencionado como atual. Isto é um truque bastante sutil. Da mesma forma, os comentários também podem ser relacionados a um ou outro fato consumado”.

Entretanto, as próprias autoridades moldavas também decidiram se distanciar tanto de Bucareste como de Bruxelas. Em Chisinau, ouvem-se cada vez mais vozes de insatisfação com as políticas da União Europeia para o Leste.

E a questão principal é saber em que estado a Moldávia pode aderir à UE – ou nas suas fronteiras atuais ou sem a Transnístria e a Gagaúzia, que se pronunciaram em favor da integração com a Rússia, ou – segundo o sonho de Basescu – como parte da Romênia. Neste último caso, não está claro o que fazer com os distritos “rebeldes”. O cientista político Boris Shmelev afirma o seguinte:

“Como é sempre o caso na história de todos os países, em condições semelhantes agravam-se as relações interétnicas. A questão étnica passa a ser usada para fins políticos. Isso é alimentado por partidos nacionalistas que tentam fortalecer as suas posições políticas na onda de nacionalismo. É absolutamente evidente que na Romênia e na Hungria está atualmente acontecendo uma ascensão do nacionalismo. Este processo é difícil de parar, e é até mesmo difícil imaginar a que isso pode levar”.

Segundo os resultados, divulgados pela agência de notícias nacional Agerpres, de uma pesquisa sociológica realizada na Romênia em abril de 2013, os romenos consideram que os principais inimigos de seu país são a Rússia, a Ucrânia e a Hungria. Em Bucareste falam cada vez mais do “retorno” não só da Moldávia, mas também da Bucovina, que hoje faz parte da Ucrânia. No entanto, em Budapeste não menos frequentemente soam vozes a favor da “reunificação” com a Transilvânia.

E se a União Europeia por enquanto está de alguma forma aguentando os choques financeiros, ela pode já não sobreviver uma tal reformatação etno-política. Uma “Europa Unida” separada em apartamentos étnicos vivendo numa atmosfera de conflitos – não será esta a imagem que se adivinha através das imagens das câmaras em Kiev?

Voz da Rússia

Eslováquia é contra isolamento da Ucrânia

Os relatos que chegam da Ucrânia são cada vez mais alarmantes. Várias cidades do oeste do país – Lviv, Ivano-Frankovsk, Ternopol – estão assediadas por distúrbios.

Em Uzhgorod, na fronteira com a Eslováquia, os manifestantes tomaram o edifício da administração regional da Transcarpátia, arrombaram as portas, fizeram saír os funcionários. Na ação participaram cerca de 1000 pessoas.

Outrora, em tempos soviéticos, nos dias de maio aqui abriam a fronteira, e os habitantes locais de ambos os lados plantavam juntos um “jardim de amizade”. Hoje a Eslováquia está extremamente receosa sobre essa sua fronteira com a Ucrânia. Eis o que disse numa entrevista exclusiva à Voz da Rússia a secretária de imprensa do primeiro-ministro da Eslováquia Beatrice Szaboova:

“Numa reunião do governo, o ministro do Exterior Miroslav Lajcak informou sobre a situação na Ucrânia. Posso dizer que nós estamos profundamente preocupados com a violência na qual resultou o confronto entre as autoridades e a oposição, tanto em Kiev como em outras cidades ucranianas. Como resultado, dezenas de pessoas foram mortas e centenas ficaram feridas. O governo da Eslováquia condena todas as formas de violência, apela a por-lhe um fim imediatamente e rejeitá-la totalmente no futuro. Em nossa opinião, a única maneira constitucional de sair da crise poderão ser negociações entre o governo, a oposição e a sociedade civil. Só elas podem levar a uma reforma constitucional necessária, a eleições presidenciais democráticas e transparentes. A República Eslovaca gostaria de ver uma Ucrânia estável, democrática e próspera. Opomo-nos ao seu isolamento, porque isso não atende aos interesses ucranianos nem eslovacos.

Proximamente, o Conselho de Segurança da Eslováquia se reunirá para debater os acontecimentos na Ucrânia. Ele confirmará que está pronto para responder rapidamente a mudanças da situação. A fronteira com a Ucrânia está sendo constantemente monitorada. Mas até agora não temos registrado nem um aumento do fluxo de imigração nem uma demanda elevada por vistos. No entanto, em caso de um desenvolvimento perigoso ligado à violência e anarquia, seguirá uma reação imediata do lado eslovaco”.

Voz da Rússia

Contrato franco-indiano para compra dos caças Rafale será “tudo ou nada”

A execução do multibilionário contrato de compra pela Índia dos 126 caças franceses Rafale está em grande dúvida. O negócio pode não se concretizar nem este ano, nem no próximo.

Pelo menos as negociações continuam e estão longe da sua conclusão. De acordo com as condições do contrato, 18 caças de ataque multifuncionais devem ser fornecidos completos, e outros 108 deverão ser montados na Índia sob licença. As razões para a desaceleração do projeto são explicadas pelas dificuldades em chegar a um acordo sobre o uso das licenças de fabrico nas empresas da corporação pública indiana HAL. Contudo, se esta for uma das razões, ela não será provavelmente a principal. Há fatores de maior peso. O primeiro são as eleições legislativas nacionais que irão decorrer na Índia na primavera e as previsões apontam para a mudança de partido no poder. Por isso quaisquer decisões importantes dificilmente serão tomadas neste momento, refere o editor principal da revista Eksport Vooruzheni (Exportação de Armamento) Andrei Frolov:

“Seja qual for o resultado das eleições, depois delas deve haver uma pausa temporal. Como o contrato é valioso e longo, existe uma série de questões quanto à sua viabilidade e aos seus prazos de execução. Também é importante o aspeto financeiro: em finais de 2013 e no início de 2014 a rupia indiana desvalorizou fortemente em relação às principais divisas mundiais e o contrato encareceu em 10-15% em moeda nacional, o que não pode deixar de preocupar os ministérios das Finanças e da Defesa indianos”.

Em qualquer dos casos, antes do verão provavelmente não haverá quaisquer avanços em relação a esse projeto. Entretanto, do lado indiano surgiram críticas ao projeto conjunto russo-indiano para o desenvolvimento de um caça de quinta geração. A Rússia foi acusada de falta de vontade em partilhar informações sobre o projeto. Na opinião do vice-diretor do Centro de Análise de Estratégias e Tecnologias Konstantin Makienko, a campanha informativa contra o projeto russo-indiano para o desenvolvimento do caça de quinta geração se deve à redução do orçamento da Índia para a defesa e para as importações, assim como aos custos elevados das aquisições e do fabrico sob licença dos caças Rafale. Sem dúvida que na Índia existem partidários tanto de um projeto, como do outro. Assim podemos entender que as críticas ao projeto russo-indiano podem ter sido precisamente uma iniciativa dos adeptos do projeto Rafale, favoráveis a uma orientação para os países ocidentais, refere Andrei Frolov:

“Na semana passada os fabricantes russos fizeram declarações oficiais que o lado russo não tinha recebido quaisquer reclamações a nível oficial. O projeto está avançando ao ritmo e com os níveis de cooperação programados”.

O desenvolvimento conjunto do caça de quinta geração FGFA (Fifth Generation Fighting Aircraft) é um dos projetos mais ambiciosos em execução pela Rússia e pela Índia na área da aeronáutica. Além dele podem ser referidos o avião de transporte multifuncional МТА e os mísseis supersônicos BrahMos. Está sendo cumprido com êxito o contrato de fornecimento de 42 kits tecnológicos Su-30MKI para a sua montagem sob licença e que foi assinado em finais de 2012.

Portanto, não tenhamos dúvidas: a Rússia e a Índia irão criar com sucesso um avião de combate de quinta geração. Entretanto não podemos esquecer que a Índia mantém de forma consequente uma tendência para a diversificação das importações de armamento. No concurso para o fornecimento de 126 caças para a Força Aérea Indiana o MiG-35 russo perdeu contra o Rafale.

Contudo, hoje os peritos não arriscam prognósticos se a Índia e a França conseguirão chegar a um compromisso e se o contrato para esses aviões será concretizado. Há demasiados fatores variáveis.

Voz da Rússia

Canhões a laser dos EUA são arma de supremacia pouco eficaz

Este ano, o Pentágono começará a equipar os navios da Marinha de Guerra dos EUA com canhões de lazer. Os americanos chamam a esse passo "uma revolução no campo militar".

No próximo verão, o primeiro exemplar do lazer de combate aparecerá no Golfo Pérsico. Os militares americanos tencionam, com a sua ajuda, lutar contra as lanchas sem piloto e rápidas do adversário. Eles consideram que a arma de lazer mudará radicalmente a abordagem da condução de ações de combate. Se o otimismo dos americanos se justificar, as suas ambições geopolíticas sofrerão um forte impulso. Até agora, os concorrentes estavam atrasados em relação aos EUA no campo técnico-militar. O lazer de combate é capaz de tornar esse atraso ainda mais significativo. Mas os peritos olham de fora cética para esta questão.

É impossível “disparar” um lazer para além do horizonte. O seu feixe atingirá apenas o alvo diretamente visível. Além disso, são necessárias potentes fontes de energia para obter um feixe de lazer de grande potência. Mas uma importantíssima insuficiência do lazer consiste em que a sua eficácia diminui bruscamente quando as condições meteorológicas são difíceis e quando existe uma forte cortina de fumo. Isto para já não falar de que o feixe de lazer se dispersa quando o estado da atmosfera é ideal.

Estas insuficiências não podem ser superadas ou compensadas, considera o analista militar Viktor Litovkin:

“Trata-se de um trabalho sem perspetivas. Porque até agora não existem acumuladores tão potentes que possam armazenar a energia elétrica necessária para um tiro certeiro a longa distância. Pode-se marcar um alvo com lazer, pode-se cegar o adversário com lazer, pode-se alterar a distância com lazer. Mas o lazer, enquanto arma, é do campo da ficção científica”.

Os americanos tentam montar armas de lazer não só nos navios, mas também nos aviões. É verdade que o peso e as medidas do aparelho são tais que para isso se têm de modificar os aviões civis. Mesmo assim, a potência do lazer é insuficiente e os complexos de combate são demasiadamente caros. Por outras palavras, os americanos não conseguem ir além dos testes. Ivan Konovalov, diretor do Centro de Conjuntura Estratégica, considera:

"Nesta situação, os americanos têm duas vias: portador marítimo ou aéreo. O lazer terrestre é uma torre, um “reservatório gigante”, demasiadamente caro. Isso é um problema sério. Claro que os americanos escondem os números finais. Um tiro de um lazer de combate não pode custar nem vários dólares, nem várias centenas e até vários milhares de dólares. Por enquanto, a arma de lazer não é uma arma de campo de combate, mas uma arma de supremacia. Os EUA demonstram que têm à disposição uma arma que está algures no meio entre uma arma convencional e uma nuclear. O seu emprego numa guerra real é tão caro que se torna injustificável. Quando se tornarem mais baratos todos os elementos da tecnologia, então o preço do lazer militar será razoável. Parece que o progresso técnico-científico universal levará a isso dentro de dez anos”.

Os peritos consideram que a arma de lazer dos EUA é uma espécie de projeto de imagem, que visa demonstrar a própria supremacia técnico-militar segundo o exemplo da tristemente célebre "Guerra das Estrelas" de Ronald Reagan.

Os próprios americanos acabaram de reconhecer que a Iniciativa de Defesa Estratégica não só era desnecessária estrategicamente e dispendiosa economicamente, mas deu início a uma nova escalada da corrida aos armamentos.

Considera-se que a arma a lazer no Oriente Médio, mesmo que sob a forma de exemplares experimentais, não aproximará, mas afastará a paz na região. Além disso, do ponto e vista da própria segurança, os americanos perderão mais do que ganharão. Quase de certeza que eles sabem disso melhor do que ninguém.

voz da Rússia

Presidente ucraniano anuncia eleições antecipadas

O presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovych, anunciou a realização de eleições presidenciais antecipadas e prometeu formar uma coalizão de governo numa tentativa de encerrar a profunda crise política que resultou na morte de centenas de pessoas.

Os líderes da oposição, que estavam reunidos, ainda não haviam comentado o anúncio de Yanukovych.

Em comunicado em seu site, Yanukovych disse que iniciaria o processo para a realização do pleito, mas não divulgou uma data. Ele também prometeu reformas constitucionais que reduzam os poderes presidenciais, uma importante exigência da oposição.

A crise representa uma batalha sobre a identidade da Ucrânia, país de 46 milhões de pessoas que é influenciada tanto pela Rússia quanto pelo Ocidente.

Associated Press

Maduro ameaça expulsar a CNN da Venezuela

CARACAS – O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ameaçou na quinta-feira expulsar do país a rede de TV CNN se ela não "retificar" sua conduta na cobertura dos atuais protestos políticos.

Pelo menos cinco pessoas já morreram nos protestos, atribuídos pelo governo a "fascistas" da oposição. Os adversários do presidente dizem que as mortes foram causadas pelas forças de segurança.

As redes locais praticamente não fazem a cobertura ao vivo dos protestos contra Maduro, que começaram no mês passado, tendo como motivação um leque de queixas que inclui a inflação, a criminalidade, a corrupção e a escassez de produtos básicos.

Diante do blecaute informativo local, muitos partidários da oposição passaram a acompanhar o canal CNN en Español, disponível apenas para alguns assinantes de TV paga. Nos últimos dias, esse foi o único canal a fazer a transmissão ao vivo das entrevistas coletivas da oposição.

"Pedi ao ministro (da Informação) que diga à CNN que iniciamos o processo administrativo para retirá-los da Venezuela se eles não se retificarem", disse Maduro na TV estatal. "Chega! Não aceitarei uma guerra de propaganda contra a Venezuela."

Bridget Leininger, porta-voz do canal, disse em email à Reuters que a CNN não tem por enquanto nenhum comentário a fazer sobre as declarações de Maduro.

Para os venezuelanos, a única outra forma de acompanhar os discursos dos líderes oposicionistas é nas precárias transmissões de sites.

O Twitter e outras redes sociais se tornaram agora importantes veículos para a transmissão de informações atualizadas sobre os tumultos que ocorrem diariamente em Caracas e outras cidades.

Maduro já sofreu críticas de grupos de defesa da liberdade de imprensa, como a Repórteres Sem Fronteiras, por determinar que o canal colombiano NTN24 fosse retirado da grade das operadoras de TV paga da Venezuela, depois de ter exibido ao vivo incidentes violentos na semana passada.

O ministro venezuelano das Comunicações disse que a NTN24 estava "focada em derrubar o governo constitucional e acirrar o ódio e a violência entre os venezuelanos".

Reuters

Marinha dos EUA testará armas eletromagnéticas até o final do ano


Protótipo de arma eletromagnética, futuramente usada pela Marinha americana; Os planos das Forças Navais são de testar a tecnologia a bordo no final deste ano Foto: AP

Novas tecnologias a laser poderão ser testadas até o final deste ano - e colocadas a bordo até 2015. Os feixes de luz destruirão alvos em velocidade hipersônica

Em pouco tempo, a Marinha americana vai parecer um cenário de Star Wars: as novas armas que estão sendo projetadas para o uso da Força naval são eletromagnéticas e poderão destruir drones e barcos a velocidades hipersônicas, segundo o jornal The Independent. A ideia é “para já”: o plano é implantar o primeiro laser em um navio no final de 2014 e testar um protótipo de arma eletromagnética a bordo dentro de dois anos.

Para a Marinha, as armas "futurísticas" são importantes economicamente, pois são muito mais baratos que os mísseis e as bombas inteligentes usadas atualmente. “Isso mudará a maneira de lutar", disse o capitão Mike Ziv, gerente de programa para sistemas de energia elétrica e de armas dirigidas da Naval Sea Systems Command. O capitão conta que as tecnologias inovadoras poderão ser manuseadas por um único marinheiro.
Apesar das qualidades e da precisão, lasers tendem a perder sua eficácia se estiverem num ambiente chuvoso, empoeirado, turbulento e necessitam de muita energia elétrica para lançar um projétil. Por enquanto, apenas um dos navios da Marinha geraria eletricidade suficiente para executar uma arma destas: 78 megawatts - o suficiente para uma cidade de médio porte.

As novas armas são tão rápidas que, segundo o Independent, apenas os "efeitos", ou seja, a destruição causada pelo feixe de luz poderia ser visto - o feixe lançado em si, não. Outros países estão desenvolvendo suas próprias armas a laser, mas a Marinha dos EUA está mais avançada neste momento.

terra/defesa net

Marinha testa Vant ScanEagle para patrulhar a Amazônia

Marinha testa Vant ScanEagle - Foto: Divulgação/Boeing

A Marinha do Brasil testou nesta terça-feira, 18, um veículo aéreo não tripulado (vant) da empresa americana Boeing. O objetivo do teste foi analisar as características do vant, para a escolha dos equipamentos que serão comprados com a função de patrulhar a Amazônia Azul (3,6 milhões de km2 ao longo de todo o litoral brasileiro, área de expressiva biodiversidade marinha). O teste foi realizada em alto mar, a 12 km da costa de Arraial do Cabo, na Região dos Lagos fluminense. O aparelho decolou do navio-patrulha oceânico Apa.

Também chamado de drone, o vant é um pequeno avião com câmera e sem piloto que sobrevoa o mar e é controlado remotamente por um operador dentro do navio. Com ele é possível aumentar o campo de visão dos militares, que poderão identificar outras embarcações e até mesmo avistar cidades no litoral, a quilômetros de distância. Os militares brasileiros ainda não testaram o veículo na altura máxima (6 mil metros), por isso ainda não sabem o limite de alcance do pequeno avião.

O vant testado na terça é o modelo ScanEagle, fabricado pela Boeing em parceria com a subsidiária Insitu. Semelhante a um avião, mede 3,11 m entre as asas fixas e até 1,71 m de comprimento. A estrutura pesa entre 14 kg e 18 kg (vazia) e 22 kg com combustível. Com autonomia de 24 horas (pode sobrevoar um dia inteiro sem precisar ser abastecido), o vant alcança velocidade máxima de 41 metros por segundo.

Em maio, a Marinha fará novo teste com o Camcopter-S 100, da empresa austríaca Schiebel. Parecido com um helicóptero, o modelo possui asa rotativa e autonomia de 15 horas.

Diferentemente de outros vants adquiridos pelo Brasil, o que será comprado pela Marinha servirá o somente para patrulha marítima. "Esses modelos não têm armamento e só podem ser usados para vigilância no mar. Com esses testes, a Marinha analisa o quão boa é essa vigilância e a capacidade de detecção dos equipamentos", afirmou o engenheiro aeronáutico responsável pela coordenação dos testes, capitão-de-fragata Marcelo Rodrigues.

Até 2023, a Marinha planeja adquirir cinco sistemas, que incluem uma estação de controle, antenas sinalizadoras e duas ou três aeronaves (o número vai variar de acordo com o fabricante). Ou seja, em nove anos, o País terá de 10 a 15 vants. Até 2030, essa quantidade deve dobrar, de acordo com a Marinha. Cada sistema custa em média US$ 6 milhões.

agência estado/defesa net

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Adestramento de ataque é realizado a bordo do Submarino S 33 “Tapajó”

Alte Esq Palmer acompanhando procedimentos de imersão

No dia 11 de fevereiro, o Comandante de Operações Navais, Almirante-de-Esquadra Luiz Fernando Palmer Fonseca, participou de um adestramento da equipe de ataque e manobras operativas, a bordo do Submarino S 33 “Tapajó”, no litoral do Rio de Janeiro.

O Almirante Palmer estava acompanhado do Comandante-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais, Almirante-de-Esquadra (FN) Fernando Antonio de Siqueira Ribeiro; do Comandante-em-Chefe da Esquadra, Vice-Almirante Sergio Roberto Fernandes dos Santos; e de um convidado, o Sr. Sérgio Prado.
Após o embarque, a comitiva assistiu às orientações sobre segurança e salvamento. Em seguida, o Submarino “Tapajó” suspendeu da Base Almirante Castro e Silva, em Niterói (RJ), e, na saída da Baía de Guanabara, mergulhou para dar início ao adestramento.

Os procedimentos da manobra de imersão, nos compartimentos de comando e manobra do submarino, foram observados pelo grupo, que também acompanhou as ações do navio em governo e profundidade.
Na última etapa do exercício, durante o guarnecimento da Equipe de Ataque e a simulação de ataque ao tráfego marítimo de oportunidade, os presentes puderam observar o funcionamento do novo Sistema de Combate Integrado do navio, constituído de um conjunto de equipamentos que integram a direção de tiro com os sensores de bordo e seus periféricos de auxílio à navegação, permitindo uma acurada compilação do quadro tático. Ao término do adestramento, o submarino cumpriu os procedimentos de retorno à superfície, regressando à base.

Terceiro submarino brasileiro construído no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro e incorporado à Armada em 1998, o “Tapajó” pertence à classe “Tupi”. Recentemente, participou da Comissão “Deployment 2013”, operação militar conjunta com a Marinha dos Estados Unidos da América, durante a qual realizou 135 dias de mar, ao longo de sete meses de comissão.

FONTE : Nomar/Defesa Aérea & Naval

Força aérea do Paquistão adquire caças F-16 da Jordânia

A Força Aérea do Paquistão (PAF) adquiriu 13 aviões F-16 ex-Jordânia e serão introduzido no serviço no próximo mês.

Com isso, a PAF alcançará 76 caças do tipo em uso. O acordo já foi finalizado e assinado por ambos os países. Os 13 aviões (12 monoplaces) são do modelo F-16 A/B Block 15 e a PAF tem aeronaves semelhantes em sua frota que estão voando de forma satisfatória. O negócio foi autenticado pela empresa de fabricação e o governo dos EUA também deu o seu aval para a venda/compra dos aviões.

Fontes afirmam que as aeronaves estão em boas condições, uma vez que receberam uma MLU (Mid-Life Update) e estariam capazes para mais 20 anos de serviço, com quase 3.000 horas, em média, disponíveis para voar.

Como parte do programa MLU, esses aviões receberam o motor Pratt and Whitney F100-220E. Esses aviões vão dar um impulso no poder aéreo da PAF.

As fontes se recusaram a dar os detalhes do montante envolvido no negócio. No entanto, entende-se que os planos são eficazes em termos de custos, ainda mais que são aviões que fornecerão poder no longo prazo. O Paquistão também está contemplando a aquisição de aviões usados para a PAF enquanto a o JF-17 vai sendo implementado.

FONTE: thenews.com.pk – Tradução e edição:CAVOK

Americanos começam a tomar posse da Amazônia

Avião estrangeiro passa, sem autorização, na maior cara de pau, sobre reservas "indígenas", entregues de bandeja por FHC e LULA. Mapeamento do solo? Preparativo para ocupação?

Repare no mapa o trajeto. Repare que quase todo o estado de Roraima é de reservas indígenas. Quase uma nação estrangeira. Não falam em "nação yanomâmi"??

Ou seria mais um futuro protetorado dos Estados Unidos?

Por onde passou o avião

TOA - Teatro de Operações da Amazônia
Defesanet 05 Junho 2005
O Globo 05 Junho 2005

Avião dos EUA sobrevoou reserva irregularmente

Rodrigo Rangel

BRASÍLIA. O governo brasileiro guarda a sete chaves um incidente registrado na passagem de um avião-radar americano pelos céus da Amazônia, numa operação ousada que incluiu sobrevôos na reserva Raposa Serra do Sol, área de grande importância estratégica para o Brasil por ter reservas de minerais como urânio.

O Itamaraty não confirma o incidente. A Força Aérea Brasileira (FAB) nega. Mas O GLOBO teve acesso a informações de um relatório reservado do serviço de inteligência do governo brasileiro que esmiuça a peripécia do avião americano pela Região Norte. Fontes civis e militares também confirmaram o episódio.

O avião, modelo P-3, prefixo VVR-2674, tinha autorização para cruzar o espaço aéreo brasileiro no dia 9 de outubro do ano passado, rumo a Buenos Aires, com escala em Manaus. A chancela fora publicada na véspera no Diário Oficial da União. Dizia que a aeronave seguiria para Buenos Aires, na Argentina, em missão de “pesquisa científica”.

O avião, entretanto, acabou subvertendo o que estava no papel. O P-3 passou pelo Brasil apenas no dia 10. E a escala que seria em Manaus acabou transferida para Boa Vista. Na capital de Roraima, nem toda a tripulação desceu. Nenhuma autoridade brasileira teria entrado no avião, segundo consta do documento reservado.

Avião voou baixo e dificultou a detecção por radares

O relatório a que O GLOBO teve acesso informa ainda que, após entrar no espaço aéreo do Brasil, o avião variou altitude e chegou a voar abaixo de três mil pés, supostamente para dificultar sua detecção pelos radares.

Durante o vôo, os equipamentos do Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam) suspeitaram da irregularidade. Militares do Centro Amazônico, a torre de controle do sistema em Manaus, tentaram fazer contato com a tripulação. Não obtiveram êxito. Os americanos não respondiam aos chamados pelo rádio.

As tentativas de comunicação foram ouvidas por pilotos de aviões civis que voavam na região. A tripulação do P-3 só viria a responder mais tarde. O comandante informou que não respondera antes porque a cabine do avião sofrera “pane de rádio” (o sistema comunicação teria parado de funcionar). “O P-3P Orion foi várias vezes assinalado nos radares de tráfego aéreo, mas não foi possível nenhuma interceptação de vôo porque estava voando abaixo de 3 mil pés”, registra o documento.

— Foi um claro golpe — disse ao GLOBO um oficial da Força Aérea Brasileira que acompanhou o episódio.

A terra indígena Raposa Serra do Sol não teria sido a única sobrevoada pelo avião americano. O aparelho teria passado também, a baixa altitude, na reserva Waimiri-Atroari, localizada entre os estados de Roraima e Amazonas.

O avião, de quatro motores e quase do tamanho de um Boeing 737-400, tem sensores eletrônicos que permitem, por exemplo, fazer mapeamento geológico das áreas que sobrevoa. Uma fonte da Aeronáutica informou que autoridades aéreas brasileiras teriam reclamado junto ao Comando Sul, unidade do Pentágono sediada em Miami que coordena as operações militares dos Estados Unidos na América Latina.

De patrulhamento marítimo a missões de espionagem

Os aviões da linhagem P-3 Orion são velhas máquinas de guerra e vigilância que vêm servindo aos Estados Unidos há mais de 40 anos. De performance elogiável, foram sendo remodelados ao longo do tempo e deixaram de ser usados exclusivamente no patrulhamento marítimo para ganhar outras missões, inclusive a de espionagem, com a instalação de sensores capazes de fazer prospecção de superfície e de captar imagens e sinais eletrônicos.

Até o ano passado, a Marinha dos Estados Unidos possuía cerca de 230 unidades do P-3 em operação, em diferentes frentes. Os quatro motores do velho avião são impulsionados por hélices. De asa reta, a aparelho tem praticamente o mesmo desenho dos antigos Electra, do mesmo fabricante, também americano. Ao redor do mundo, há atualmente cerca de 450 exemplares deste tipo de avião em uso.

fonte:http://www.midiaindependente.org/pt/red/2005/06/318965.shtml

Isso é o Fim

Alemanha cancela último lote de Eurofighter

A Alemanha não receberá o último lote de 37 caças Eurofighter informou uma fonte à agência de notícias Reuters na quarta-feira.

Segundo a fonte, o ministro da Defesa da Alemanha em exercício, Stephane Beemelmans, informou ao comitê de defesa parlamentar daquele país que os últimos 37 caças foram cancelados.

O cancelamento significa que o Airbus Group, fabricante do Eurofighter, perderá will miss out on business. Em 2011 o custo de um único Eurofighter do primeiro lote era avaliado em 57 milhões de euros.

Originalmente a Alemanha queria 180 Eurofighters, mas nunca houve uma decisão ou um contrato para o tranche final.

FONTE: Reuters (tradução e adaptação do Poder Aéreo a partir do original em inglês)