sexta-feira, 27 de maio de 2016

EUA: Espanha trai a OTAN ajudando navios militares russos


Presidente russo Vladimir Putin participa da cerimônia oficial perante o destroier Vice-admiral Kulakov em Novorossiysk, Rússia, setembro de 2014 (foto de arquivo)
EUA acusaram a Espanha de trair os interesses da OTAN por deixar entrar navios militares russos nos seus portos, informou a publicação The Times.

Na semana passada, os congressistas norte-americanos propuseram emendar a Lei de Defesa Nacional. Obrigará o Pentágono a fazer relatórios perante o Congresso sobre os estados-membros da OTAN que deixam entrar navios militares russos para os seus portos, diz-se no artigo.

A iniciativa de emenda pertence ao congressista do partido Republicano Joe Pitts. A proposta surgiu no meio de declarações que a Espanha alegadamente permite "a dezenas de torpedeiros e submarinos russos de se abastecer em seu território", em particular no enclave no norte da África na cidade de Ceuta que fica em alguns quilómetros da base militar britânica em Gibraltar.


A publicação indica que desde 2011 no porto espanhol entraram "pelo menos, 57 navios militares, submarinos e navios de desembarque russos".

"A permissão, que a Espanha deu aos navios militares russos de entrar no porto de Ceuta, mina a unidade da OTAN. Países de todo o mundo permitem à Rússia de espalhar o seu poderio militar quando permitem-na de utilizar portos quentes. A OTAN deve ter uma estratégia comum para proibir isso", disse Pitts em entrevista à The Times.

Mais cedo, a entrada de navios russos no porto de Ceuta provocou a indignação dos deputados do Parlamento Europeu. Em março 11 parlamentares exigiram que a Alta representante da União Europeia para Política Externa e Segurança, Federica Mogherini, verifique se tais entradas violam o regime de sanções introduzidas contra a Rússia. Entre os deputados que enviaram o pedido foram representantes da Catalunha, Polônia e países bálticos.

A embaixada russa na Espanha expressou a surpresa em relação à atenção a este assunto.
"Estas entradas são realizadas depois de receber uma permissão correspondente, de acordo com a legislação interna e internacional", destacou a missão diplomática russa.

A última vez que o navio russo entrou no porto de Ceuta aconteceu em agosto do ano passado. Foi o submarino nuclear russo Novorossiysk. Em abril de 2014 no porto espanhol estacionaram o destroier Vice-admiral Kulakov e dois navios-tanque Dubna e Sergei Osipov, disse o jornal.

Sputnik

Nenhum comentário :

Postar um comentário