quinta-feira, 26 de maio de 2016

Lava Jato:Gravação mostra Renan orientando defesa de Delcídio



Gravação do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, delator da Operação Lava Jato, mostra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), numa conversa no último dia 24 de fevereiro orientando uma pessoa identificada como Vanderbergue [que seria o lobista Vanderbergue Machado], suposto representante de Delcídio do Amaral (sem partido-MS), sobre como defender o então senador no Conselho de Ética.

Delcídio teve o mandato cassado no último dia 10 pela unanimidade dos votos dos senadores presentes. Na época em que foi feita a gravação, o processo de Delcidio ainda estava no Conselho de Ética, e Renan não sabia que Delcidio já era delator da Lava Jato.

Renan afirma que é preciso que o presidente do conselho, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), peça diligências para não parecer que a investigação estivesse parada. Ainda sugere que Delcídio faça uma carta mostrando humildade e que já pagou o preço pelo que fez.

RENAN: O que que ele (Delcídio) tem que fazer... Fazer uma carta, submeter a várias pessoas, fazer uma coisa humilde... Que já pagou um preço pelo que fez, foi preso tantos dias... Família pagou... A mulher pagou...

VANDERBERGUE: Ele (Delcídio) só vai entregar à comissão, fazer essa carta e vai embora.

RENAN: Conselho de ética. Falei agora com o João (João Alberto, presidente do Conselho de Ética). O João, ele fica lá ouvindo os caras... O Conselho de Ética não tem elementos para levar processo adiante. Também é ruim dizer que não vai levar o processo adiante. Então, o Conselho de Ética tem que requerer diligências requisição de peças e enquanto isso não chegar fica lá parado...

VANDERBERGUE: (João Alberto) vai colocar em votação e vai ter uma derrota antecipada...
Sérgio Machado é apontado por investigadores da Lava Jato como o caixa da cúpula do PMDB. Em troca de uma possível redução de penas na Lava Jato, ele comecou a gravar conversas com Renan Calheiros e com líderes do partido que levaram à assinatura do acordo de delação, validado nesta quarta-feira (25) pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal. Machado ficou na presidência da Transpetro, estatal responsável por processar gás natural e transportar combustível, por 12 anos. Ele chegou ao cargo em 2003, no governo Lula, por indicação política de Renan.

Em nota divulgada nesta quinta-feira (26), a assessoria de Renan Calheiros afirma que o presidente do Senado acelerou o processo de cassação de Delcídio e que o processo do ex-petista não ficou parado no Conselho de Ética.

"O senador [Renan Calheiros] lembra que acelerou o processo de cassação no plenário às vésperas da votação do impeachment. O desfecho do processo de cassação é conhecido, foi público e a agilização do processo foi destaque em vários jornais. Na fase do Conselho de Ética opinou com um amigo do ex-senador, mas disse que o processo não podia ficar parado, como não ficou", diz o texto da nota.

Procurador-geral e outros políticos

Em outra gravação de Sérgio Machado, em 11 de março,  o ex-presidente da Transpetro conversa com Renan.

Eles criticam o procurador-geral da república, Rodrigo Janot. Falam em "fórmula de dar um chega pra lá nessa negociação ampla, para poder segurar esse pessoal", dando a entender de que tratavam dos investigadores da Lava Jato. Os dois fazem críticas a vários políticos no diálogo.

Citam o senador Aécio Neves, presidente do PSDB; o deputado Pauderney Avelino (AM), líder do DEM; "Mendoncinha", como é chamado o agora ministro da Educação, deputado Mendonça Filho (DEM-PE); senador José Agripino (RN), presidente do DEM; senador Fernando Bezerra (PSB-PE); senador José Serra, do PSDB, atual ministro das Relações Exteriores, e a agora presidente afastada Dilma Rousseff.

SÉRGIO MACHADO: Agora esse Janot, Renan, é o maior mau caráter da face da terra.

RENAN: Mau caráter! Mau caráter! E faz tudo que essa força-tarefa (Lava jato) quer.

SÉRGIO MACHADO: É, ele não manda. E ele é mau caráter. E ele quer sair como herói. E tem que se encontrar uma fórmula de dar um chega pra lá nessa negociação ampla pra poder segurar esse pessoal (Lava Jato). Eles estão se achando o dono do mundo.

RENAN: Dono do mundo.

SÉRGIO MACHADO: E o PSDB pensava que não, mas o Aécio agora sabe. O Aécio, Renan, é o cara mais vulnerável do mundo.

RENAN: É...

SÉRGIO MACHADO: O Aécio é vulnerabilíssimo. Vulnerabilíssimo! Há muito tempo.

SÉRGIO MACHADO: Como que você tem cara de pau, Renan, aquele cara Pauderney que agora virou herói. Um cara mais corrupto que aquele não existe, Pauderney Avelino.

RENAN: Pauderney Avelino.

RENAN: Mendocinha.

SÉRGIO MACHADO: Mendocinha, todo mundo pô? Que *** é essa querer ser agora o dono da verdade?

SÉRGIO MACHADO: O Zé (Zé Agripino) é outro que pode ser parceiro, não é possível que ele vá fazer maluquice.

RENAN: O Zé, nós combinamos de botá-lo na roda. Eu disse ao Aécio e ao Serra. Que no próximo encontro que a gente tiver tem que botar o Zé Agripino e o Fernando Bezerra. Eu acho.

SÉRGIO MACHADO: O PSB virou uma oposição radical. O Zé não tem como não entrar na roda.

RENAN: O PSB quer o impeachment, mas o Fernando (Bezerra) é um cara bom.

SÉRGIO MACHADO: Porque também entende disso que a gente está falando.
RENAN: É.

SÉRGIO MACHADO: Porque tem que tomar cuidado porque esse *** desse Noblat [se referindo ao colunista Ricardo Noblat, do jornal "O Globo"] botou que essa coisa de tirar a Dilma é maneira de salvar os corruptos.

RENAN: Tirar a Dilma? Manter a Dilma?

SÉRGIO MACHADO: Tirar a Dilma. Que é um processo de salvação, de salvação.

RENAN: Que é a lógica que ela fez o tempo todo.

SÉRGIO MACHADO: É porque esse processo. Porque Renan vou dizer o seguinte: dos políticos do congresso se "sobrar" cinco que não fez é muito. Governador nenhum. Não tem como, Renan.

RENAN: Não tem como sobreviver.

SÉRGIO MACHADO: Não tinha como sobreviver.

RENAN: Tem não.

SÉRGIO MACHADO: Não tem como sobreviver. Porque não é só, é a eleição e a manutenção toda do processo.

RENAN: É.

Em uma gravação, Machado ainda acusa Janot de trabalhar para que ele seja julgado pelo juiz Sérgio Moro - ao que Renan responde que isso não poderia acontecer.

SÉRGIO MACHADO: O que eu quero conversar contigo... Ele não tem nada de você, nem de mim... O janot é um **** da maior, da maior.

RENAN: eu sei. Janot e aquele cara da... Força tarefa...

SÉRGIO MACHADO: Mas o Janot tem certeza que eu sou o caixa de vocês. Então o que ele quer fazer. Não encontrou nada e nem vai encontrar nada. Então quer me desvincular de você. (...) Ele acha que no Moro, o Moro vai me prender, e ai quebra a resistência e aí... Então a gente precisa ver, andei conversando com o presidente Sarney, como a gente encontra uma... Porque se me jogar lá embaixo eu estou ***.

RENAN - Isso não pode acontecer.
Ministro Teori Zavascki

Em outro trecho também do dia 10 de março, Sérgio Machado sugere que o grupo de politicos do PMDB se aproxime do relator da Lava Jato no Supremo, o ministro Teori Zavascki. Sarney cita o nome do ex-ministro do Supremo Tribunal de Justiça, Cesar Asfor Rocha, que teria, segundo Sarney, muita proximidade com Teori, e diz que vai conversar com ele sobre isso.

SÉRGIO MACHADO: Porque realmente se me jogarem para baixo, ai... Teori, ninguém consegue conversar.

SARNEY: Você se dá com o Cesar. Cesar Rocha.
SÉRGIO MACHADO: Hum.

SARNEY: Cesar Rocha.

SÉRGIO MACHADO: Dou, mas o Cesar não tem acesso ao Teori, não. Tem?

SARNEY: Tem total acesso ao Teori. Muito, muito, muito, muito acesso, muito acesso. Eu preciso falar com Cesar. A única coisa com o Cesar, com o Teori é com o Cesar.

Em outra gravação do dia 11 de março, Machado conversa com Sarney e Renan juntos. Eles falam sobre como ter acesso ao ministro Teori, mas desta vez através do advogado Eduardo Ferrão, que afirmam ser amigo do ministro. Sarney e Renan falam que a conversa tem que ser reservada.

SARNEY: O Renan me fez uma lembrança que pode substituir o Cesar. O Ferrão é muito amigo do Teori.
RENAN: tem que ser uma coisa confidencial.

SÉRGIO MACHADO: Só entre nós e o Ferrão.

Tentativa de alterar leis

As conversas também mostram que houve negociações para alterar leis e tentar prejudicar a Lava Jato como um todo. Com Sérgio Machado, Sarney fala de uma medida provisória sobre acordo de leniência que o governo Dilma baixou para facilitar que empresas admitam culpa e possam voltar a fazer negócios com o setor público. Depois de protestos do Tribunal de Contas da União e do Ministério Público, a MP foi substituída por um projeto de lei mais rígido.

SÉRGIO MACHADO: Outro caminho que tem que ter. É a aprovacao desse projeto de leniencia na Câmara o mais rápido possivel, porque aí livra o criminal. Livra tudo.

SARNEY: Tem que lembrar o Renan disso. Para ele aprovar o negócio da leniência.
Conversas com Sarney e Jucá

Em diversas conversas gravadas, Machado afirmou que não havia provas que ligassem líderes do PMDB ao esquema investigado na Lava Jato. Além de Renan, também foram diivulgadas conversas de Machado com o ex-presidente e ex-senador José Sarney (PMDB-AP) e com o senador Romero Jucá - que teve que deixar o cargo de ministro do Planejamento depois da divulgação da conversa.
Em uma das conversas entre Machado e Sarney, o ex-presidente da Transpetro pediu ajuda para evitar que novas delações surgissem na Operação Lava Jato ou que o juiz Sérgio Moro o pressionasse a falar. No dia 10 de março, Sarney afirmou que ajudaria Machado a não ser preso.

SARNEY: Isso tem me preocupado muito porque eu sou o único que não tive num negócio desse, sou o único que não tive envolvido em nada. Vou me envolver num negócio desse.
SÉRGIO MACHADO: Claro que não, o que acontece é que a gente tem que encontrar, me ajudar a encontrar a solução.

SARNEY: Sem dúvida.

SÉRGIO MACHADO: No que depender de mim, nem se preocupe. Agora, eu preciso, se esse *** me botar preso 1 ano, 2 anos, onde é que vai parar?

SARNEY: Isso não vai acontecer. Nós não vamos deixar isso.

Renan e Sarney conversaram também sobre proibir que pessoas presas façam delações premiadas - o que prejudicaria a operação Lava Jato, já que as delações foram fechadas por suspeitos presos.
Segundo investigadores, as tentativas de mudança na lei das delações premiadas e a medida provisória da leniencia faziam parte de um plano para enfraquecer a Lava Jato. Em outra conversa com Sérgio Machado, em que foi discutida a delação de executivos da Odebrecht, o ex-presidente José Sarney cita uma tentativa de acordo geral para barrar a operação.

"A Odebrecht (...) Eles vão abrir, vão contar tudo. Vão livrar a cara do Lula. E vão pegar a Dilma. Porque foi com ele, quem tratou diretamente sobre o pagamento do João Santana foi ela. Então eles vão fazer. Porque isso tudo foi muito ruim pra eles. Com isso não tem jeito. Agora precisa se armar. (...) A oposiçao não vai aceitar. Vamos ter que fazer um acordo geral com tudo isso", disse.
Outro lado

O presidente do Senado, Renan Calheiros, disse por intermédio de sua assessoria de imprensa que não tomou nenhuma iniciativa, ou fez gestões, para dificultar as investigações da Lava Jato. Em relação ao ex-senador Delcídio, a assessoria de Renan informou que ele acelerou o processo de cassação, cujo desfecho é conhecido. O senador disse que não pode ser responsabilizado por considerações de terceiros e que suas opiniões sobre aprimoramentos da legislação foram públicas.
A defesa de Sérgio Machado afirmou que os autos são sigilosos e que, por isso, não pode se manifestar. A defesa da presidente afastada Dilma Rousseff disse que ela jamais pediu qualquer tipo de favor que afrontasse o princípio da moralidade pública.

Já o Instituto Lula declarou que o diálogo citado é fruto de mais um vazamento ilegal, que confirma o clima de perseguição contra o ex-presidente. O instituto afirmou, ainda, que a conversa não traz nada contra o ex-presidente e voltou a declarar que Lula sempre agiu dentro da lei e que, por isso, não tem nada a temer.

O líder do DEM na câmara, deputado Pauderney Avelino, disse que nunca conversou com Sérgio Machado e que nunca indicou qualquer diretor para a Petrobras ou qualquer estatal. Ele disse também que não tem envolvimento com a Operação Lava Jato ou qualquer outra operação. Para ele, o caso foi uma citação lamentável, de uma pessoa desesperada.

O ministro da Educação, Mendonça Filho, disse que as gravações comprovam que ele não está incluído nas irregularidades investigadas e que sua atuação como líder oposicionista ao governo do PT incomodou. Mendonça Filho disse também que seu papel nunca foi de dono da verdade, mas de fiscalizar as irregularidades do governo.

O senador João Alberto disse, por telefone, que está surpreso por ter sido citado na conversa, e que cumpriu com todas as obrigações dentro do Conselho de Ética. O senador Fernando Bezerra, que é investigado na Lava Jato, disse que não vai comentar uma eventual conversa de terceiros cujo conteúdo desconhece. Já o senador José Agripino disse que nunca teve nenhuma conversa com Renan, nem com Sérgio Machado, em que o assunto Lava Jato fosse sequer mencionado:/
O ministro aposentado Cesar Asfor Rocha afirmou que Teori Zavascki é um juiz seríssimo e extremamente reservado. Disse que tem boa relação com Teori, mas passou a vê-lo pouco, sobretudo após a operação Lava Jato. A defesa de Delcídio do Amaral disse, por telefone, que desconhece a gravação e que considera que o senador Renan Calheiros manipulou o processo de cassação de Delcídio.

A reportagem do Jornal Hoje não conseguiu contato com o advogado Eduardo Ferrão, nem com o senador José Serra e com o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot. A Odebrecht e o jornalista Ricardo Noblat não vão se manifestar. O ministro Teori Zavascki também não vai comentar o conteúdo dos aúdios.
O PSDB disse que não existe nas gravações qualquer acusação ao partido ou ao senador Aécio Neves. O partido disse que vai acionar Sérgio Machado na justiça pelas menções que considera irresponsáveis feitas ao partido e a seus líderes.

O PMDB disse que sempre arrecadou recursos seguindo os parâmetros legais em vigência no país e que doações de empresas eram permitidas e perfeitamente de acordo com as normas da justiça eleitoral nas eleições citadas. Segundo o partido, em todos esses anos, após fiscalização e análise acurada do Tribunal Superior Eleitoral, todas as contas do PMDB foram aprovadas, não sendo encontrado nenhum indício de irregularidade.

ASSISTA A GRAVAÇÃO AQUI NA FONTE DO G1 ABAIXO:
G1

Nenhum comentário :

Postar um comentário