sábado, 22 de outubro de 2016

Construção de oito submarinos chineses para a Marinha do Paquistão custará quase a metade do valor do PROSUB…


Por Roberto Lopes

O maior contrato de exportação de armamentos jamais assinado pela República Popular da China – fornecimento de oito submarinos diesel-elétricos de ataque Tipo 39A (classe Yuan) à Marinha do Paquistão – dá bem a medida de o quanto é grande e dispendioso o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) contratado, na década passada, pela Marinha do Brasil junto à indústria naval francesa.
iuanabreabreabre
Navio da classe Yuan pertencente à Marinha do Exército de Libertação Popular chinês


Os Yuan (por alguns conhecido como Tipo 41) terão sua produção compartilhada por estaleiros da China e do Paquistão – que construirão quarto unidades cada um –, e sairão por um valor no patamar dos 5,5 bilhões de dólares – o equivalente, hoje, a cerca de R$ 17.348.100.000,00.

A última revisão de custos do PROSUB feita pelo Ministério da Defesa no fim do mês passado, orçou o programa da Força Naval brasileira em R$ 31 bilhões.

A fabricação dos navios paquistaneses foi decidida pelo Primeiro-Ministro paquistanês Nawaz Sharif em abril passado.

Ela ficará a cargo da empresa China Shipbuiding Heavy Industry (sob a supervisão da China Shipbuilding Industry Corporation) e do Karachi Shipyard & Engineering Works (KSEW), da cidade de Karachi, no extremo sul do território paquistanês.

Os custos do projeto serão bancados por um empréstimo chinês a taxas de juros descritas em Pequim como “baixas”.

‘Irmão de Ferro’ – Na quarta-feira da semana passada (12.10), uma reunião presidida por Hu Wenming, chairman do China Shipbuilding Heavy Industry, confirmou os detalhes do contrato e a estimativa de cronograma para o serviço. Horas depois, o website oficial das Forças Armadas chinesas informava que os quatro primeiros submarinos Tipo 39A deverão ser entregues à Armada paquistanesa até o ano de 2023, e o restante por volta de 2028.

Apenas o armamento a ser embarcado nos submarinos do Paquistão não foi ainda definido.
iuanalmiranteamericanodescendodonavio
Após cumprir visita de cortesia, o Secretário da Marinha dos Estados Unidos, Ray Mabus, desembarca de um submarino classe Yuan

Segundo o jornal do estaleiro chinês, no evento do dia 12 Hu chamou o Paquistão de “irmão de ferro” dos chineses, e manifestou a esperança de que essa venda possa abrir as portas da América Latina ao seu estaleiro.
iuanhuwenmingdecalcapreta
Na foto Hu Wenming está em primeiro plano, trajando calças pretas

Os governos de Pequim e de Islamabad mantém uma parceria econômica relevante, onde pontifica um corredor econômico que, partindo da China, levará as mercadorias do gigante asiático até o porto paquistanês de Gwadar, no Mar Arábico.

Comparativo – Os projetos no Brasil e no Paquistão têm grande valor estratégico para as duas marinhas; contudo, suas dimensões e características técnicas são bem diversas. Ei-las:

Programa de Submarinos Chineses para o Paquistão:

– Reforma e qualificação técnica do KSEW;

– Construção de quarto embarcações Tipo Yuan; e

– Importação de outros quatro barcos da mesma classe que serão fabricados na China.

PROSUB:
iuanprosub
– Assistência da empresa francesa DCNS para a fabricação no Brasil de quatro submarinos convencionais classe Scorpène;

– Assistência para o desenvolvimento e construção de um submarino de propulsão nuclear (à exceção do reator do navio que fica sob a responsabilidade exclusiva de técnicos brasileiros);

– Assessoria para a construção de uma fábrica de submarinos e da infraestrutura necessária ao seu funcionamento;

– Assistência para a construção de uma base naval com áreas reservadas à manutenção do submarino nuclear.

Os Yuan são navios de 3.600 toneladas – bem maiores que os Scorpène (de 2.000 toneladas) –, que, nos testes, já desceram a profundidades de até 400 m.

Sua desvantagem (conhecida) em relação ao modelo francês desenvolvido pela DCNS é a menor automação. Indicador disso é que os Scorpènes são manobráveis com uma tripulação de 31 militares, e os navios chineses precisam de 38.

Plano Brasil

Nenhum comentário :

Postar um comentário