quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Neonazistas ucranianos de olho na Bielorrússia de Lukashenko


Por Eduard Popov para o Fort Russ - traduzido por J. Arnoldski

Além da secessão/perda da Crimeia e do Donbass e das políticas econômicas fracassadas, outra consequência do golpe de Estado na Ucrânia foi a deterioração das relações com os países vizinhos, e não apenas com a Rússia. A imagem da Ucrânia tem sido seriamente manchada em outros países também.
Eu já escrevi muitas vezes sobre as relações polaco-ucranianas para o Fort Russ, e espero continuar este assunto, que é regularmente enriquecido com novo material. Parece que, após Brexit, a Ucrânia está perdendo (embora gradualmente) outro importante lobista de seus interesses na União Europeia, Varsóvia.
Bielorrússia foi agora adicionado à lista de vizinhos que começam a tratar a Ucrânia com suspeita, em sua fronteira com a hostilidade.

Voltar em 22 de outubro, um estranho incidente ocorreu em que aeronaves ucraniano no ar foram um avião civil bielorrussa pertencente à empresa bielorrussa Belavia a pousar ou, se necessário, abatido. Felizmente, isso não aconteceu. Duas semanas depois, Poroshenko ofereceu um vago pedido de desculpas (sem qualquer explicação) ao seu colega bielorrusso, Alexander Lukashenko. Mas, como observaram os observadores bielorrussos, os culpados deste incidente não foram punidos, apesar das garantias de Poroshenko.

A deterioração das relações ucranianas-bielorrussas continuou em novembro e agora, no final do mês, esta espiral descendente ganhou impulso.

Em 17 de novembro, o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, disse aos jornalistas russos que havia um fluxo de armas contrabandeadas da Ucrânia.A declaração de Lukashenko foi confirmada por inúmeros meios de comunicação bielorrussos, embora sensacionalistas. As preocupações dos bielorrussos são compreensíveis: o fluxo de armas está passando pela fronteira que é muito longa (1200 km de comprimento) com a Ucrânia que, por definição, não pode ser rigorosamente controlada.Objetivamente, os guardas de fronteira da Bielorrússia são incapazes de cobrir todos os buracos e bloquear os canais de abastecimento.E tem mais, não só são armas, mas também bielorrussos e ucranianos neonazistas que lutaram entre os batalhões punitivos em Donbass poderia estar correndo para a Bielorrússia da Ucrânia.

A experiência de cooperação entre bielorrussos e ucranianos neonazistas remonta a décadas. Pelo menos desde a década de 1990, os militantes da Assembleia Nacional da Ucrânia - Ucrânia organização nacional de autodefesa apoiaram seus "irmãos" bielorrussos em protestos contra o presidente Lukashenko. Hoje, os bielorrussos neo-nazistas nem sequer se preocupam em esconder seus planos para ganhar experiência de combate e armas na Ucrânia, lutando em batalhões ucranianos (e ganhando o apoio de seus "irmãos" ucranianos) para então transferir sua experiência e habilidades para seus nativos Bielorrussos. Seu objetivo é derrubar o regime Lukahensko.

A preocupação do presidente da Bielorrússia sobre o fluxo de armas e potencialmente militantes não passou despercebida na Ucrânia. A declaração de 26 de novembro na Verkhovna Rada da deputada Irina Friz, ex-secretário de imprensa de Poroshenko, deve ser avaliado sob esta luz. Em suas palavras, "o Kremlin está preparando uma provocação massiva contra a Ucrânia no território da Bielorrússia. Isto poderia estar ligado à preparação para aumentar em cinco vezes os desdobramentos ferroviários do Ministério da Defesa russo na direção da Bielorrússia até 2017. O objectivo desta ação poderia ser a liquidação do regime de Lukashenko, o desdobramento das tropas russas e a imposição de medidas diretas [Russa] de controle estatal ... Esta provocação pode ser realizada com a participação de cidadãos que participaram em operações de combate no Donbass ..., bem como agentes que se infiltraram nas forças de segurança da República da Bielorrússia.

Um pouco antes, a chefe da Comissão de Relações Internacionais da Rada, Anna Gopko, alertou sobre a ameaça de a Bielorrússia invadir a Ucrânia.

O que está por trás dessas declarações e quais os objetivos que elas perseguem?Uma conclusão geral é que estas declarações estão diretamente ligadas às declarações acima citadas de Lukashenko citada pela imprensa bielorrussa.

Quanto a conclusões específicas:

Em primeiro lugar, quero chamar a atenção para o fraseado da declaração de Friz. "Regime de Lukashenko" é uma frase obviamente hostil que não deixa nenhuma dúvida quanto à atitude do governo de Kiev ao presidente legal do país vizinho, que repetidamente declarou seus sentimentos fraternal para o povo ucraniano.

Em segundo lugar, não é coincidência que as declarações dos ucranianos tenham mencionado voluntários bielorrussos lutando ao lado das repúblicas do Donbass. As acusações infundadas contra eles de se preparar para derrubar o governo legal da Bielorrússia representam uma tentativa lógica, embora ingênua, de desviar a atenção do governo da Bielorrússia e da KGB dos numerosos neonazistas bielorrussos que realmente planejam derrubar o "regime Lukashenko".

No Donbass, em 2015, encontrei-me com voluntários bielorrussos na milícia da República Popular de Donetsk. Segundo eles, seu principal motivo para vir ao Donbass era combater o fascismo. Vale a pena lembrar que a Bielorrússia perdeu um em quarto cidadão durante os anos da Grande Guerra Patriótica, e nada menos que os colaboracionistas nazistas ucranianos da Organização dos Nacionalistas Ucranianos e do Exército Insurgente Ucraniano agiram com mais frequência como os carrascos. Escusado será dizer que não se falou de planos para derrubar Lukashenko. Talvez os voluntários bielorrussos não tivessem os sentimentos mais calorosos para Lukashenko, mas entenderam perfeitamente que derrubar o governo legal de forma criminosa levaria a Bielorrússia no caminho para repetir o cenário catastrófico ucraniano. Essas pessoas podem ser apresentadas como os defensores dos anti-Maidan bielorrusso e aliados naturais de Lukashenko.

Assim, é óbvio que Kiev, pelo menos por agora, no nível de deputados seniores da Verkhovna Rada, está tentando manipular Minsk para desconfiar da Rússia e simultaneamente desviar acusações contra a Ucrânia pelos fluxos de armas e militantes que correm para a Bielorrússia. No entanto, nestas declarações, os deputados ucranianos estão revelando seus próprios planos reais e atitudes reais para o "regime Lukashenko".

Os acontecimentos dos últimos dias confirmaram esta conclusão. Vamos voltar para estes em mais detalhes na próxima parcela.


Nenhum comentário :

Postar um comentário