quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

CHINA E RÚSSIA PODEM CAIR NA ARMADILHA PREPARADA POR EUA?


Rússia e China fecharam um contrato de petróleo estratosférico, que se torna um dos maiores na história da indústria de energia.

Nos termos deste contrato a empresa russa Rosneft, (a maior empresa de petróleo do país), vai fornecer petróleo para a China por 25 anos no valor de 270.000 milhões de dólares (205.000 milhões de euros) que, juntamente com o gasístico mega-contrato assinado pela Gazprom da Rússia e a CNPC da china para o qual a Rússia fornecerá à china 38.000 milhões de metros cúbicos de gás natural para cerca de 400.000 milhões e por um período de 30 anos através do gasoduto Sila Sibiri (Força da Sibéria), colocaria as bases econômicas da União Euro-asiática, que começou sua jornada em 01 de janeiro de 2015, como uma alternativa econômica e militar para o projeto de Obama de criar uma Parceria Trans-Pacífico (TPP, na sigla em Inglês), a peça central dos EUA reafirmando a sua política de poder econômico e militar na região do Pacífico, juntamente com uma possível ofensiva russo-chinesa junto com os outros BRICS para alterar o padrão monetário mundial e substituir o papel do dólar como moeda de referência.


A China, por sua vez, assumiu o desafio de construir um novo canal na Nicarágua (Grande Canal Interoceânico) semelhante ao canal do Istmo de Kra, que está previsto entre Tailândia e Birmânia (Myanmar) para ignorar o Estreito de Malacca, convertido “de fato” em uma via marítima saturada e afetada por ataques de piratas em 2010 e inaugurou o oleoduto que liga o Turquemenistão e a China, e contorna a Rússia para evitar a russodependencia total de energia e ao mesmo tempo diversificar suas compras. Além disso, a China estaria a construir uma extensa rede portuária, que incluiria portos, bases e estações de observação no Sri Lanka, Bangladesh e Birmânia e que seria paradigma, o porto estratégico no Paquistão, Gwadar, (a “garganta” do Golfo Pérsico) a 72 quilômetros da fronteira iraniana e a 400 quilómetros do mais importante corredor de transporte de petróleo e muito próximo do estreito estratégico de Ormuz. O porto foi construído e financiado pela China e operado pela estatal China Overseas Port Holding Company (COPHC), já que a região em torno do porto de Gwadar contêm dois terços das reservas de petróleo do mundo e por ali passa 30 por cento do petróleo do mundo e 80 por cento do que a China recebe e está no caminho mais curto para a Ásia (Rota da Seda).

Além disso, o México tem o compromisso de dobrar suas exportações de petróleo para a China e aumentar os embarques para a Índia em 2016 e a empresa petrolífera estatal venezuelana PDVSA tenta redirecionar suas exportações para a China e a Índia para atender a drástica redução nas vendas de petróleo para os EUA. Assim, através do acordo sino-venezuelano a estatal petroquímica Sinopec vai investir 14.000 milhões de dólares para alcançar uma produção diária de petróleo em 200.000 barris por dia de petróleo bruto na Faixa Petrolífera do Orinoco, (considerado o campo de petróleo mais abundante do mundo), seria um míssil na linha de flutuação da geopolítica global dos EUA, de modo que após o golpe militar na Tailândia, assitiremos golpes militares da CIA na Venezuela e Nicarágua para depor Maduro e Ortega com o claro propósito de secar as fontes de energia da China, um fato que irá envolver o triunfo da tese de Brzezinski sobre a doutrina G-2 de Kissinger.

A “doutrina Kissinger” defendeu a implementação do G-2 (EUA e China) e árbitros globais. Assim, em um artigo publicado pelo New York Times, intitulado “A oportunidade para uma nova ordem mundial“, Kissinger já considera a China uma grande potência (felow superpower), desaconselha o protecionismo ou tratar a China como um inimigo (o que pode torná-la real inimigo) e pede que se elevem para um novo nível as relações entre os EUA e a China sobre a base do conceito de destino comum, (seguindo o modelo da relação transatlântica após a segunda guerra mundial), assom veríamos a entronização da Rota do Pacífico (América-Ásia) como primeiro eixo comercial do mundo à custa da Estrada Atlântica (América-Europa). No entanto, o objetivo claro de Brzezinski, ex-assessor de Carter e o cérebro geopolítico da Casa Branca, seria o confronto com a Organização de Cooperação de Xangai (SCO), fundada em 2001 pelos Cinco de Shanghai (China, Rússia, Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão) mais Uzbequistão e convertida, juntamente com os países da ALBA e Irã, no núcleo duro da resistência à hegemonia global dos Estados Unidos e Grã-Bretanha, tendo a Caxemira e Xinjiang como palco de suas operações de desestabilização.

Rumo à balcanização do Paquistão

Embora os talibãs tenham sido expulsos de algumas áreas do seu reduto no sul do Afeganistão, combatentes afegãos do grupo insurgente Haqqani (semelhante ao Taliban), continuam a cometer seus ataques de fronteira a partir de bases paquistanesas na fronteira oriental com o Afeganistão. Assim, de acordo com un org, Sirajuddin Jallaloudine Haqqani seria um dos líderes mais proeminentes e influentes da rede Haqqani (grupo de combatentes com estreita cooperação com ambos, os talibãs e a Al-Qaeda) e teria sido um dos principais comandantes da rede desde 2004, e o herdeiro natural do carisma e da autoridade de seu pai, Jalaluddin Haqqani, comandante militar do Talibã e o ministro do regime Talibã. Enquanto isso, o atual presidente do Paquistão, Mamnoon Hussain teria sido cobrado pelos EUA de “luta indiferente contra a Al Qaeda para conseguir desmantelar as redes terroristas no Paquistão e para degradar qualquer capacidade que eles têm de planejar e lançar ataques terroristas internacionais”, que juntamente com o seu pouco entusiasmo para “reforçar as capacidades de contra-insurgência de Islamabad” e sua perigosa aproximação para a China fazem prever um futuro incerto para ele, por isso não se pode descartar um golpe de tomada do poder patrocinado pela CIA para alcançar a balcanização do Paquistão, seu enfraquecimento como um estado e posterior submissão a China, e para isso a CIA vai recorrer ao litígio endêmico da Caxemira que será um novo episódio local entre um Paquistão aliado da China e uma Índia apoiada pela Rússia, com a agravante de ambos os países possuir mísseis balísticos nucleares.

O cocktail explosivo da Caxemira

A Caxemira seria o paradigma perfeito da aplicação da teoria brzezinskiniana do “caos construtivo” na região, um conceito que seria baseado na máxima atribuída ao imperador romano Júlio César “divide et impera” para alcançar o estabelecimento de um campo de instabilidade e violência (balcanização) e causar o caos que se estenderia do Líbano, Palestina e da Síria para o Iraque e do Irã e do Afeganistão para o Paquistão, a Caxemira e a Anatólia (Ásia Menor) e de acordo com Foundation Solidaritat UB, Caxemira se tornaria em “um cocktail explosivo” através da combinação de ingredientes tão instáveis como disputas religiosas entre hindus e muçulmanos, disputas territoriais e culminando nos separatistas da Caxemira apoiados por extremistas ex-combatentes no Sudão, Paquistão e Afeganistão, tradicionalmente oprimidos por um exército indiano que implantou cerca de 300.000 tropas na Caxemira (um soldado para cada 10 habitantes).

A Caxemira tem sido um confronto endêmico entre o Paquistão e a Índia, que têm reivindicado como sua desde a independência dos dois Estados em 1947 (os britânicos preferiram a integração da Caxemira na Índia, porque eles ofereceram mais garantias que o Paquistão de proteger a fronteira norte de possíveis ataques soviéticos ou chineses), já que a região é um ponto estratégico para o controle dos rios e fronteiras além de supor um símbolo para a construção de identidades nacionais de cada Estado. Além disso, em 1962, eclodiram combates entre a Índia e a China pelo desacordo chines com a fronteira estabelecida em 1914 (McMahon Line), após o que a China ganhou o controle do planalto de Aksai Chin além da geleira de Siachen, (territórios a Índia continua a reivindicar como seus), de modo que a Índia mantém há anos uma corrida armamentista com o rival e vizinho Paquistão, com o claro objetivo de se preparar para um novo confronto armado.

Assim, a Índia teria o míssil nuclear de última geração Agni V que pode transportar uma ogiva nuclear a uma distância de 5.000 km, enquanto o Paquistão teria o míssil balístico Hatf IV, desenvolvido com a ajuda da China e capaz de transportar uma ogiva nuclear e alcançar 900 km, assim, na hipótese de um novo confronto armado, assistiríamos o primeiro pulso militar Rússia-China na forma de uma colisão nuclear restringida à área geográfica indo-paquistanesa, não sendo descartável a posterior extensão do “caos construtivo” para o território chinês, pois o objetivo final dos EUA seria o confronto com a Organização de Cooperação de Xangai (SCO), (fundada em 2001 pelos Cinco de Shanghai (China, Rússia, Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão) mais Uzbequistão) e convertidos com os países da ALBA e Irã no núcleo duro de resiliência para a hegemonia global dos Estados Unidos e Grã-Bretanha, tendo Xinjiang como cenário para suas operações de desestabilização.

Turquestão Oriental ou Xinjiang (“Nova Fronteira”), foi incorporada ao império chinês no século XVIII e representa 17% da área de terra e 2% da população) e os uigures de Xinjiang (de origem turca-mongol e com um total de 8,5 milhões de habitantes), conserva características étnicas e islâmicas que os colocaria muito perto de seus parentes da Ásia Central e Turquia, o que seria o terreno ideal para a implementação da estratégia brzezinskiniana de “choque de civilizações” que consistem em alcançar a balcanização da China e seu confronto com o Islã (cerca de 1.500 milhões de seguidores) e secar as suas fontes de petróleo dos países islâmicos da Ásia Central, pois vários dos oleodutos mais importantes da China passam por Xinjiang originários do Cazaquistão, Turcomenistão, Uzbequistão e Rússia, o que explicaria a importância estratégica desta província no âmbito da estratégia brzezinskiniana para alcançar a total russodependencia energética chinesa para em uma fase posterior acabar enfrentando-as entre si e, finalmente, apresentar e aplicar a nova ordem mundial sob a égide anglo-judaico-americana.


Autor: Germán Gorráiz López

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário