sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

ONU aprova resolução contra assentamentos israelenses em territórios palestinos


Palestina comemora "dia de vitória", enquanto Israel frustra "abandono" dos Estados Unidos em votação contra assentamentos.
Reunião do Conselho de Segurança da ONU
O Conselho de Segurança da ONU aprovou nesta sexta-feira (23) uma resolução que exige que Israel ponha fim à construção de assentamentos em territórios palestinos. Os Estados Unidos se abstiveram de fazer o uso do veto, em contraste com a posição do país há cinco anos.  


A resolução foi apoiada por 14 membros do Conselho de Segurança. O projeto exige que Israel "interrompa imediata e completamente todas as atividades de assentamentos nos territórios ocupados da Palestina, incluindo Jerusalém Oriental". 


A presidência da Palestina se pronunciou após o resultado da votação, afirmando que a resolução da ONU é um "grande golpe" para Israel.

"Este é um dia de vitória para o direito internacional, uma vitória para a linguagem civilizada e a negociação e uma rejeição total às forças extremistas em Israel", disse o negociador-chefe palestino Saeb Erekat à Reuters.

​Inicialmente, a votação do Conselho de Segurança da ONU sobre o projeto de resolução foi marcada para 22 de Dezembro. Mais tarde, no entanto, a delegação do Egito, que apresentou o documento no Conselho de Segurança, adiou a votação.

Na última quarta-feira (23), o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pediu aos Estados Unidos que vetassem a resolução do Conselho de Segurança da ONU condenando as atividades de assentamentos israelenses. Já o ministro da Energia de Israel, Yuval Steinitz, declarou hoje que os Estados Unidos abandonaram Israel com a abstenção na votação do Conselho de Segurança da ONU. "Isto não é uma resolução contra os assentamentos, mas uma resolução contra Israel, contra o povo judeu e o Estado dos Judeus", disse ele.  Segundo o ministro israelense, "os Estados Unidos hoje simplesmente abandonaram seu único amigo no Oriente Médio", disse Steinitz.

sputniknews

Um comentário :