quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Traíra pede socorro aos empresários e rasga a CLT


A popularidade do Temer está tão miseravelmente baixa que ele não teve tempo de esperar que o Supremo rasgasse a CLT, com a agora inútil ajuda do filho do Yves Gandra Martins.
canoa afunda com tal rapidez que ele precisou entregar o mandato à Casa Grande (agora com a ajuda do traíra menor , o Pauzinho do Dantas).
Temer e Paulinho da Força.jpg
Mãozinha e Pauzinho apunhalam o trabalhador (Reprodução)
Via CBN:

A CBN teve acesso a uma minuta do texto da MP, que o governo não chama de reforma trabalhista, mas de ‘modernização das regras’. O governo abriu mão de flexibilizar a jornada de trabalho dentro do modelo de jornada intermitente e preferiu pontos de mais consenso, ainda que polêmicos.
As convenções e acordos trabalhistas vão prevalecer sobre a CLT. Ou seja, o que for negociado pelos sindicatos quanto a parcelamento de férias e jornada de trabalho terá força de lei, segundo o texto.
Por exemplo, há situações de empregados que poderão abrir mão de meia hora do almoço durante a semana para não ter que ir à empresa aos sábados, desde que complete a jornada normal de 44 horas semanais. Mais cedo em São Paulo, o presidente Michel Temer disse que o governo vai priorizar o acordado sobre o legislado.
Pelo texto, o contrato temporário hoje de 90 dias poderá ser ampliado para 120 dias, podendo ser prorrogado pelo mesmo período - ponto criticado pelas centrais que reclamam da falta de garantia para o empregado. Haverá um representante de sindicato dentro do local de trabalho – medida que valeria para empresas com mais de 50 trabalhadores.
Quanto à renovação do Programa Seguro Emprego, continua a regra de reduzir em até 30% a jornada de trabalho e o salário, desde que o trabalho não seja demitido. Parte da remuneração dele é complementada com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador.
No entanto, na nova proposta a empresa poderá pedir suspensão temporária do programa e, durante esse período, deixar de dar garantia de que não vai demitir o trabalhador.
O presidente da Força Sindical, o deputado federal Paulo Pereira (SD-SP), afirmou que no geral, há mais medidas positivas do que negativas, e que alguns pontos deverão ser alterados por emendas parlamentares no Congresso.
conversaafiada

Nenhum comentário :

Postar um comentário