domingo, 26 de fevereiro de 2017

Rússia Receberá Uma Frota De Bombardeiros PAK DA "Stealth"


Por Valentin Vasilescu

Traduzido por Alice Decker para Algora Blog

A Rússia tem de atualizar sua frota de bombardeiros estratégicos se quiser manter o status quo na tríade nuclear, onde a Federação Russa tem vantagem. O conceito tradicional de dissuasão é construído sobre a "Tríade Estratégica" - bombardeiros de longo alcance, submarinos nucleares e mísseis balísticos intercontinentais.
Resultado de imagem para pak da
Atualmente, a Rússia, os EUA e a China têm bombardeiros capazes de transportar ogivas nucleares. Os bombardeiros da China têm apenas 25% da variedade de bombardeiros russos e americanos. E só os EUA têm uma frota de dezenove bombardeiros furtivos de 5ª geração: o B-2 spirit. 


Em 1999,a Tupolev nomeou uma equipe de engenheiros para pesquisar e desenvolver tecnologias para fabricar bombardeiros de quinta geração. Somente a Força Aérea russa não levantou a questão de torná-lo um bombardeiro furtivo até 2007. As especificações técnicas e táticas para o bombardeiro de 5ª geração foram finalizadas em 2012. No início de 2013, a Força Aérea Russa designou o vencedor do projeto na Competição para o novo bombardeiro estratégico russo de 5ª geração, o PAK DA (que significa Prospective Aviation Complex for Long-Range Aviation). Os bombardeiros PAK DA serão construídos pela Tupolev, especializada na construção de bombardeiros pesados ​​e aviões civis de transporte. Se tudo correr de acordo com o plano, o primeiro voo terá lugar em 2019, a produção terá início em 2020 e o primeiro esquadrão de doze PAK DAs estará operacional em 2025. Os aviões PAK DA serão produzidos apenas para a Rússia.

Como será o PAK DA?

O PAK DA provavelmente será semelhante ao bombardeiro B-2 Spirit dos Estados Unidos, ou seja, um tipo de asa voadora subsônico. Será invisível ao radar e terá uma autonomia de 12.000 km sem reabastecimento. A propulsão será fornecida por quatro motores "Produto 30" (AL-41F1), sem "pós-combustão", projetado para a 5ª geração de aeronaves Su T-50 (PAK FA); Eles terão 10,900 kg de empuxo cada. O americano B-2 stealth bombardeiro também tem quatro General Electric F118 motores, com 8.700 kg de empuxo. Os russos o chamam de "Elefante Branco" / “White Elephant”.

Embora existam especulações de que a aeronave PAK DA pode ser supersônica ou hipersônica, nesses modos de vôo o PAK DA não pode ser invisível para o radar. Na velocidade de Mach 3 a Mach 5 (3.600-6.000 km / h), há um fenômeno de dissociação e ionização de moléculas de ar no ar que rodeia a aeronave. O plasma formado em torno da aeronave é visível no radar, mesmo que a própria aeronave, a alguns centímetros de distância, seja invisível. As aeronaves hipersônicas são menos manobráveis ​​e têm uma inércia elevada, de modo que a trajetória de vôo deve ser amplamente pré-calculada. Os sensores em aviões hipersônicos são perturbados pelo plasma incandescente. A comunicação com tais aeronaves também é difícil, pelas mesmas razões. As velocidades hipersônicas excluem o uso de controles manuais; Piloto computadorizado é mais adequado para aeronaves pequenas, possivelmente não tripuladas.

Stealth Tecnologia

Os designers russos terão que realmente dominar a tecnologia furtiva e design 3D. Os americanos usaram os supercomputadores mais avançados para projetar a forma do B-2, e levou-os de 1980 a 1982. Muitas ideias úteis serão emprestadas do avião de caça multi-função Su-T 50 da série Sukhoi, de 5ª geração, que está Sendo testado em vôo. Desde que o PAK DA é projetado para voar principalmente à noite, será de cor escura. Sensores de bordo alertarão a tripulação para aumentar a altitude, em função do brilho do céu. Isto é usado para evadir sensores infravermelhos em combatentes inimigos. Quanto mais "quente" o avião, mais fácil é ver no céu. Certas situações especiais são resolvidas por ter um computador de bordo; Por exemplo, no caso de um ou mais motores pegar fogo ou quando há um pouso forçado.

O bombardeiro Elefante Branco/White Elephant exigirá cerca de dez vezes mais horas de manutenção para restaurar sua capacidade de vôo do que os bombardeiros atualmente em serviço. Isto incluirá o lixamento fino de abrasões na resina especial que revestirá as carenagens absorventes do radar. Este revestimento pode ser danificado pela chuva misturada com granizo que é encontrada ao voar nas nuvens, e é sensível as aterragens duras quando o choque é absorvido pela estrutura de carga da carga da aeronave e transmitido aos painéis revestidos com esta pintura especial. Arranhões acidentais podem ocorrer enquanto os jatos estão no chão, por exemplo, bicos de outras aeronaves, e que também danifica sua invisibilidade radar.

O design da aeronave representa grande parte da invisibilidade do radar convencional (na faixa de centímetro), evitando-se ângulos próximos a 90 ° na junção vertical e horizontal das asas e da cauda com a fuselagem, na forma das entradas de ar, etc. A pintura absorvente de radar especial, tão grossa quanto uma onda de radar é longa, também ajuda a reduzir a pegada de radar. Um SAS (Sistema de Avaliação de Assinatura) será instalado a bordo do White Elephant, o que indicará até que ponto o revestimento absorvente de radar está degradado. Quando a pegada do radar do avião compromete sua invisibilidade, partes do revestimento serão remediadas.

A Avionica do PAK DA

A cabine do Elefante Branco foi concebida tendo em mente o conceito MMI ("interface homem-máquina" ou "interface homem-computador"), que permite que o motor seja ligado sem primeiro comutar manualmente dúzias de contatos de acordo com uma lista de verificação completa Pelo piloto acionando um motor de partida de botão. Ele só tem um comando exclusivo, e o computador de bordo executa automaticamente o algoritmo de início sem intervenção da tripulação.

A cabine é um "cockpit de vidro" com um display digital EFIS (Electronic Flight Instrument System), com LCDs a cores (MFD-tipo - monitores multifuncionais) para cada um dos dois pilotos. O Elefante Branco usa uma interface eletrônica para os controles de vôo (FBW - digital fly-by-wire). O sistema de comunicação inclui dois sistemas de rádio, um dos quais também serve como linha de dados que transmite informação, por satélite, a partir de pontos de comando e de controlo no solo e em navios e de aeronaves de aviso AWACS / AEW distantes.

O subsistema de navegação convencional compreende um dispositivo que combina sensores inerciais, rádio, GPS e Terreno Contour Matching ou TERCOM, que fornece um mapa digital da área sobrevoada. O subsistema de navegação de baixa visibilidade e controle de incêndio é composto por um bloco comum de sensores FLIR (Forward-Looking Infra-Red) e IRST (Infra-Red Search and Track). Um telêmetro a laser (montado no nariz), e um sistema de orientação do projetor a laser para armas de bordo (montadas na parte inferior da asa), juntos constituem o equipamento óptico para a orientação de armas.

O principal subsistema a bordo para navegação, descoberta de alvo e entrega de armas é baseado em radar de bordo AESA de última geração (Active Electronically Scanned Array) que tem um alcance de 300 km a uma altitude de 10.000 m, razão pela qual Ele é chamado de um mini-AWACS. Todos os dados coletados pelo radar AESA e adquiridos a bordo através de uma linha de dados criptografada são processados ​​por um microprocessador integrado. O equipamento de guerra rádio-eletrônico (EW) consiste em um receptor de alerta de radar (RWR) e sistema de aviso de aproximação de míssil (MAW). O equipamento EW é um sistema automatizado de comando para o sistema de contramedidas eletrônicas ativas e passivas.

Armas Básicas no PAK DA

O bombardeiro não tem montagens de hardpoint ou estações de armas para bombas ou mísseis sob as asas, o que ajuda a minimizar a exposição do radar. Todo o arsenal de armas do Elefante Branco está na baía de bombas com escotilhas hermeticamente seladas. O PAK DA pode transportar bombas de diferentes calibres e mísseis guiados ou não-guiados, ar-terra ou mísseis ar-para-navio e ar-ar. O Elefante Branco será armado com dez mísseis de cruzeiro Kh-101 com ogivas convencionais contendo 400kg de explosivos - ou com Kh-102s com ogivas nucleares de 250KT. Ambos os ALCMs (Air-Launched Cruise Missiles) são alimentados por um turbofan, têm uma gama de 5500 km (mais de 3400 milhas) e uma velocidade máxima de 970 km / h. Com um desvio provável de menos de 5m. O Kh-101 tem uma seção transversal do radar sobre o tamanho de um pássaro, usa materiais de absorção de radar, antenas conformal, e outras tecnologias furtivas. O Kh-101/102 só pode ser detectado a uma distância de 24-40 km ou menos , Quando é mais difícil de combater.

Ao longo do mar, o ALCM utiliza um sistema de orientação inercial que lhe permite fazer manobras evasivas (mudanças bruscas de posição), mas apenas pequenas correções para manter uma altitude de vôo de 50-100 m e manter sua direção. Uma vez que o ALCM está sobre o chão, o equipamento TERCOM (Terrain Contour Matching) assume a navegação de curta ou média distância. Ele tem um mapa em relevo do caminho de vôo predeterminado armazenado na memória, que compara com a imagem de radar da área sobrevoada. Ele mantém uma altitude constante acima do solo usando um altímetro de rádio.

A 10 km do alvo, entra em jogo um módulo de controle de precisão, com as coordenadas GPS do alvo pré-definido. Aqui a cabeça de controle de foguete assume o controle de fogo de curto alcance, isto é, um pequeno radar de milímetros de onda que permite detectar e reconhecer o alvo. Para verificar a precisão da greve, uma câmera de TV montada no foguete transmite (via satélite) os últimos 10 segundos da aproximação ao alvo.

Metas na América do Norte são difíceis de bater usando bombardeiros cruzando o Atlântico ou Pacífico, por causa da longa distância. Os bombardeiros russos, incluindo o PAK DA, podem se aproximar da América sem ser detectado ao voar sobre o Polo Norte, mas, ao sobrevoar os polos, a navegação convencional é impossível, já que não há marcos no solo. Não há balizas de rádio no solo ou no mar nesta área isolada do globo. Sistemas de navegação por inércia e GPS carecem de precisão. Mas ao contrário dos americanos, as equipes de bombardeiros estratégicos russos têm muita experiência sobrevoando o Polo Norte. As equipes de bombardeiros russos executam centenas de exercícios de treinamento de vôo no Ártico todos os anos.

Por exemplo, dois russos Tu-160 Blackjack supersônicos bombardeiros estratégicos decolou em 28 de outubro de 2013, na base aérea Engels na região do Volga, indo para o Mar de Barents e, em seguida, para o Polo Norte. Ambos os bombardeiros tinham dois tripulantes a bordo, pilotos jovens em treinamento. Além do Polo Norte, os bombardeiros voaram paralelos à costa do Pacífico perto dos EUA, Canadá, México, Guatemala e El Salvador até a Nicarágua. Uma vez que cruzaram aquele país, os dois Tu-160s voaram sobre o mar do Cararibe, aterrando na base aérea de Maiquetía-Caracas na Venezuela. Sua trajetória de vôo cobriu uma distância de mais de 10.000 km e durou 13 horas, sem qualquer fornecimento de ar. Ao longo de toda a missão, os dois bombardeiros Tu-160 estavam em estrita conformidade com os regulamentos da Convenção de Chicago da ICAO (Organização da Aviação Civil Internacional) que regem o uso do espaço aéreo internacional.

Nenhum comentário :

Postar um comentário