domingo, 12 de fevereiro de 2017

VLADIMIR PUTIN TORNOU A RÚSSIA GRANDE NOVAMENTE


Valentin Vasilescu
Traduzido por Alice Decker
Para o ex-presidente Barack Obama, a Rússia foi a segunda maior ameaça no mundo após o vírus Ebola. Obama voltou à dura política externa dirigida contra a Rússia durante a Guerra Fria, a política que resultou na dissolução da URSS e na transformação da maioria dos Estados socialistas em membros da OTAN e da União Européia. A vitória de Donald Trump na eleição presidencial de 2016 baseou-se no slogan "Make America Great Again!" Resta ver se Trump cumprirá esta promessa; O que sabemos é que Vladimir Putin foi o presidente que "tornou a Rússia grande novamente". Abaixo, eu tento explicar como o sistema socialista foi amplamente eliminado em todo o mundo e o que tornou possível o retorno milagroso da Rússia como um membro da elite global.

O Plano de Ação para Destruir o Socialismo ao Redor do Mundo

Em um tempo relativamente curto, o socialismo conseguiu assumir o papel de sistema econômico e político para 26% do globo. Os estados socialistas produziram 40% da produção industrial mundial. Imediatamente após os EUA foram derrotados na Guerra do Vietnã, houve a crise dos anos 70. A crise foi gerada pelo aumento dos preços do petróleo que assustou o governo dos EUA e os países capitalistas desenvolvidos.
Os economistas ocidentais não poderiam encontrar uma solução viável a longo prazo para a crise. Sob o governo de Gerald Ford, eles começaram a procurar maneiras de mudar o problema fora dos EUA e dos países capitalistas desenvolvidos, para as economias fora de suas fronteiras. O establishment americano percebeu que a única maneira de salvar o capitalismo de sua maior crise era destruir o socialismo em todo o mundo.
O Plano de Ação estabeleceu quatro objetivos para a guerra secreta contra o sistema econômico socialista.
  1. Recuperar o terceiro mundo e restaurar a dominação neo-colonial capitalista.
  2. Para reconfigurar o mercado expulsando estados socialistas.
  3. Transformar os antigos Estados socialistas em meros mercados para os produtos industriais dos países capitalistas desenvolvidos.
  4. Assumir o controle das principais fontes de energia - petróleo, gás natural e energia nuclear - dos estados socialistas.

Entre Vladimir Putin

O antidote veio de ninguém menos que a Rússia na pessoa do "Siloviki." Os Siloviki são um grupo de líderes altamente qualificados e patrióticos das estruturas de poder da antiga União Soviética (os serviços militares, o complexo militar-industrial). Começaram a desempenhar um papel em 1999 com a nomeação de Vladimir Putin como primeiro-ministro e então presidente da Rússia. O objetivo do Siloviki era trazer de volta a Rússia os recursos minerais que o governo de Yeltsin tinha dado aos estrangeiros. Os Siloviki reuniram-se em 1989 como um grupo de trabalho para avaliar o papel e lugar da Rússia em relação à situação internacional, na medida em que poderia ser previsto para as próximas três décadas, Ou seja, o iminente desmembramento da URSS e a integração dos antigos satélites soviéticos na UE e na OTAN. Com base em suas avaliações, o Siloviki estabeleceu uma lista de prioridades para a sobrevivência da Rússia.
A primeira prioridade tinha a ver com a manutenção e melhoria do arsenal nuclear estratégico como um elemento de dissuasão contra os Estados Unidos, especialmente na concepção e construção de veículos espaciais. O complexo militar-industrial foi encarregado da realização deste objetivo. A Rússia conseguiu manter um arsenal nuclear, com paridade estratégica com os Estados Unidos. A Rússia tem 367 ICBMs (mísseis balísticos intercontinentais) terrestres, armados com 1.248multiple veículos de reentrada independentes (MIRV). Os mísseis são mantidos em silos ou em plataformas móveis em chassi de caminhão e trens. Acrescente a isso os 13 submarinos estratégicos russos, armados com mísseis nucleares que têm 591 MIRVs. Os russos têm 76 bombardeiros estratégicos armados com mísseis de cruzeiro (com uma autonomia de 5.500 km), armados com 884 ogivas nucleares.
Os novos tipos de ICBMs russos neutralizam todos os componentes do escudo ABM (Anti Ballistic Missile). Os sistemas de proteção anti-ABM de terceira geração são lançados em vôo. Eles produzem alvos falsos (o sistema Terek) no espectro IR (infravermelho), na forma de plasma, que reproduz a "pegada" térmica de MIRVs reentrando na atmosfera. Terek é programado para operar quando os mísseis balísticos ficam dentro do alcance de uma bateria balística. Os mísseis ABM americanos seguem automaticamente esses alvos falsos, chamados armadilhas térmicas. Os mísseis balísticos russos também possuem transmissores de microondas de alta potência (equipamento Atropus). Isto "cega" os sistemas de detecção e rastreamento de infravermelho e radar dos interceptores SM-3 Block IB que já estão no espaço. #

Alemanha, o cinto de transmissão para a Rússia de Putin

Os Silovikis consideraram a segunda prioridade fazer bom uso da rede de gasodutos. Qualquer tentativa de substituir ou concorrer com o gasoduto que abastecia a Europa na era soviética tinha de ser bloqueada.
A terceira prioridade estava relacionada com a segunda, e exigia a escolha de um Estado parceiro, altamente desenvolvido em termos econômicos, na vizinhança imediata da Rússia. Esta parceria permitiu à Rússia modernizar a sua economia, especialmente os sectores que não eram competitivos. Em troca, o Siloviki decidiu apoiar esse país em se tornar a locomotiva da Europa, abrindo-lhe todo o mercado da Rússia. O estado que o Siloviki escolheu em 1989 foi a Alemanha, que se tornou o parceiro da Rússia. A Alemanha foi o único país a investir nos caminhos de transporte e fornecimento de gás da Rússia na Europa. Os Siloviki pressionaram a Inglaterra ea França para que aceitassem a reunificação dos dois alemães, e o Siloviki ofereceu um papel decisivo neste jogo estratégico ao tenente-coronel Vladimir Putin, ex-chefe da agência de inteligência do KGB na Alemanha Oriental.
Em vez de importações, a Rússia preferiu encorajar as empresas estatais russas a formar "joint ventures" com empresas estrangeiras, a fim de convencê-las a mudarem suas instalações de produção para o território russo. Mais de 6.000 empresas alemãs estão operando na Rússia, fornecendo pelo menos 300.000 empregos para seus subcontratados na Alemanha. A Alemanha tem investido em média 20 bilhões de euros por ano na Rússia desde 1992. E os três pacotes de sanções econômicas impostas à Rússia pela UE não afetam as empresas ocidentais que fabricam produtos na Rússia para os russos.
A preocupação alemã Siemens entrou no mercado russo através da construção de fábricas para a liquefação e re-gasificação do gás natural em benefício das empresas russas Gazprom e Transneft. Joe Kaiser, CEO da Siemens, compartilhou uma longa amizade com o ex-premiê social-democrata Gerhard Schroeder, que atua no conselho da Gazprom. A Siemens, com o seu equipamento de bombeamento, é um dos mais importantes elos para o transporte e exportação de gás liquefeito (LNG) russo. O gás é extraído no Ártico e transportado para portos, onde é carregado para embarcações de GNL para os beneficiários. A Siemens fabrica motores elétricos silenciosos Permasyn e células de geradores AIP (Air Independent Propulsion) na Rússia. Ambos são usados ​​em modernos submarinos de ataque da Rússia, bem como as versões mais recentes de submarinos alemães produzidos pela ThyssenKrupp Marine Systems. A Siemens tem mais de 10.000 funcionários em suas fábricas nos Montes Urais da Rússia, e também fornece carros de ferro. No ano passado, as vendas atingiram € 5 bilhões.
Na Rússia, 2,78 milhões de carros são vendidos anualmente, aproximadamente o mesmo que na Alemanha (que é considerado o mercado mais forte na Europa). Depois de um número considerável de ações da Renault-Nissan foram compradas pela RT-Auto (uma divisão da corporação estadual Rostec), os russos fizeram investimentos substanciais na Daimler através da empresa OAO KamAZ. Uma das razões é a divisão de caminhões da Daimler, a maior do mundo. De 2011 até hoje, os camiões russos Kamaz ganharam os três lugares no pódio no rali Paris-Dakar, graças às mesmas inovações feitas pelos especialistas da Mercedes-Benz na Daimler.
Outro resultado da colaboração com a Daimler foi a criação da subsidiária Mercedes Benz-Rus ZAO, que produz e monta Mercedes-Benz limousines e Sprinter furgões (27% das vendas da Daimler nesta classe) por 10 anos na Rússia. Mas os veículos russos usam o projeto do motor, equipamentos de fábrica e soluções de produção de engenheiros alemães da Daimler.
Isto deu origem a novos veículos militares: o GAZ-2975 Tigr, o VPK-3927 Volk (semelhante ao US HMMWV) eo URAL-63099 MRAP (Mine Resistant Ambush Protected). O grupo francês Thales (anteriormente Thomson CSF), especializado em opto-electrónica, trabalha para a Gazprom, fornecendo vigilância de segurança de todos os campos petrolíferos e locais de produção na Rússia, utilizando a mais avançada tecnologia. A Thales fornece o mesmo para as instalações gigantes de Lukoil em todo o mundo.

O BRICS substitui o antigo COMECON ("Conselho de Assistência Econômica Mútua")

Putin estava ciente de que a vantagem tecnológica dos norte-americanos sobre o resto do mundo aumentou exponencialmente devido ao desmembramento da URSS, ao colapso do bloco comunista na Europa e ao abrandamento econômico que se seguiu de 1989 a 2004. Ao mesmo tempo, Índia e China estavam avançando, de tal forma que eles estavam se tornando um novo centro do mundo, ameaçando suplantar a América.
Em 2006, Putin lançou um mercado comum para os países emergentes chamado BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul).Como o antigo "Conselho de Assistência Econômica Mútua" do Bloco de Leste, os BRICS estão fora da esfera de dominação dos EUA e daqueles que a apoiam. Este mercado compreende 50% dos recursos naturais e população do mundo. Os BRICS permitiram à Rússia lidar com as sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos e pela União Europeia.

Nenhum comentário :

Postar um comentário