quinta-feira, 2 de março de 2017

COMO A “DEFESA” DE MÍSSEIS DOS EUA DESESTABILIZA O MUNDO


Ao contrário das reivindicações da indústria de defesa, a defesa de mísseis que não faz o mundo um lugar mais seguro, mas o desestabiliza, alertou o Dr. Jae-jung Suh e Ray McGovern, durante um recente intercambio online, organizado pela StopTHAAD.org. StopTHAAD.org é uma coalizão de organizações de construção da consciência que ajuda a fortalecer um movimento para interromper a implantação do sistemas de mísseis de defesa (MD) dos EUA, tais como o sistema Terminal High Altitude Area Defense (THAAD), que o Pentágono pretende implantar na Coréia do Sul este ano.

Sistemas MD são projetados para detectar, rastrear, interceptar e destruir mísseis. Inicialmente construído para interceptar mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs), MD foi ampliado para incluir mais mísseis de curto-alcance não-nuclear tático e teatro. 


MD permite a capacidade do primeiro ataque nuclear. Durante a Guerra Fria, a doutrina da destruição mútua assegurada (M. A. D.) dissuadiou as potências nucleares de atacarem-se um ao outro com armas nucleares. Se de um lado foram para o ataque, o outro lado iria retaliar com um contra-ataque, assim, mutuamente assegurando a destruição um do outro, e isso impediu que todas as partes iniciasse o conflito. O objetivo do MD, no entanto, é livrar o inimigo da capacidade de montar um ataque de retaliação e, assim, garantir a capacidade de primeiro ataque. Isso faz com que as armas nucleares tenham opção mais “usável”.


Em 1972, os Estados Unidos e a União Soviética assinaram o Tratado de Anti-Mísseis Balísticos (ABM). Este, de acordo com Ray McGovern, que serviu como um analista da CIA de 1963 a 1990 e é um ativista anti-guerra, permitiu a cada país apenas dois locais ABM. Dois locais ABM dificilmente são suficientes para garantir a proteção nacional. A assinatura deste tratado garantiu que nenhum país poderia atacar o outro, sem “sofrer um golpe demolidor em retaliação”, disse McGovern, que teve o privilégio de assistir o histórico evento de assinatura.

Ray McGovern sobre a Defesa de Mísseis

Em 2002, o ex-Presidente Bush retirou os EUA do Tratado ABM, “a principal fonte para a estabilidade estratégica”, de acordo com McGovern. Desde então, a indústria MD tem sido em esteróides, e os EUA tem realizado a construção e implantação de sistemas MDs cercando a Rússia. Desde 2011, o Pentágono tem vindo a implementar o que chama de “Abordagem Adaptativa das Fases Europeias ” (EPPA). As quatro fases são descritas da seguinte forma:

Fase Um:oferecer “ameaças” de mísseis balísticos de curto e médio alcance ao implantar com sistemas MD basedos no mar, navios Aegis Ballistic MD para o Mar Mediterrâneo. A fase um também chama para a implantação deum radar de aviso antecipado baseado em terra, que a Turquia aceitou hospedar.

Fase Dois: expandir a cobertura contra ameaças de curto e médio alcance com a instalação no terreno de um local MD SM-3 interceptor na Roménia, juntamente com um local BMD.

Fase Três: melhorar a cobertura contra “ameaças” de míssil de alcance médio e intermediário, com um adicional de um local MD SM-3 interceptor na Polônia.

Fase Quatro: melhorar a habilidade de conter “ameaças” de mísseis de médio e intermediário alcance e potencial ICBM futuro com a implantação de um SM-3 Block IIB interceptor no Oriente Médio.

Por que os Estados Unidos está construindo sistemas MD? “Dinheiro”, disse McGovern, que diz que a indústria da Defesa de Mísseis (MD) é basicamente um sitema empresarial de bem-estar. A construção da defesa de mísseis foi iniciada pela primeira vez com o ex-Presidente Reagan, e foi cunhado a Iniciativa de Defesa Estratégica (SDI), também conhecido como “Star Wars”. Mais tarde, sob o ex-Presidente Clinton, a Organização SDI foi alterada para Organização de Mísseis Balísticos de Defesa (BMDO). Em seguida, sob o ex-Presidente Bush, ela mudou novamente para a de hoje Missile Defense Agency (MDA). Desde o seu nascimento, a indústria de MD gastou mais de US$ 180 bilhões do dinheiro do contribuinte dos EUA. De acordo com seu site, a Agência de Defesa de Mísseis pediu US$ 7,5 bilhões para o Ano fiscal de 2017 para “fortalecer e expandir a implantação de defesa para a nossa Nação, as forças destacadas, os aliados e os parceiros internacionais contra os cada vez mais capazes mísseis balísticos.” Este corporativo sistema de bem-estar, diz McGovern, apenas engorda os cofres do complexo militar-industrial, como avisado pelo ex-Presidente Eisenhower.

Em 2014, quando a comunidade de inteligência ocidental orquestrou um golpe de estado na Criméia para expandir a OTAN para o leste, a resposta de Putin, de acordo com McGovern, foi, em parte, pela intenção dos EUA de implantar a MD no Leste Europeu. Quando Putin pediu ao último embaixador dos EUA na União Soviética, Jack Matlock, se ou não a implantação dos sistemas MD na porta da Rússia é uma ameaça para a segurança russa, Matlock tentou desfazer o argumento, mas respondeu com algo ainda mais perturbador– “isto não é para ameaçar a Rússia, mas para criar empregos para os funcionários e fabricantes americanos.” Putin, em seguida, perguntou: “Por que você iria” criar empregos” em uma indústria que tem o potencial de colocar toda a raça humana em perigo?” A Rússia — e, talvez, todo mundo, exceto os Estados Unidos — parece entender como perigosos e desestabilizadores os MD/ABMs podem ser.

Falando a jornalistas ocidentais em um fórum internacional em 2016, Putin acusou os EUA de usar a “Ameaça Iraniana” para justificar os seus sistemas MD na Europa. “A ameaça iraniana não existe”, disse ele. Novamente, a Rússia interpreta os MDs dos EUA como um sistema ofensivo e uma ameaça à sua segurança nacional, que desativa a sua capacidade de retaliação em face de um ataque. Putin chegou a dizer a respeito dos cidadãos dos EUA, “não sentir uma sensação desse perigo iminente me preocupa.” McGovern concordou – “não há uma discussão racional sobre esses problemas dentro do aparato da mídia ocidental.”

“Trump tem enorme abertura aqui… E este [sistemas MD] vai ser o Tópico A sobre a agenda da Rússia”, concluiu ele. “Não há nenhuma razão por que nós não podemos fazer outro tratado como o de 1972, não apenas com a Rússia, mas estendido para o extremo oriente [Ásia].”

Implantação do THAAD dos EUA na Coreia do Sul.

Em 7 de julho de 2016, os governos de EUA e Coréia do Sul anunciaram uma decisão conjunta de implantar os sistema de mísseis Terminal High Altitude Area Defense (THAAD) dos EUA na Coreia do Sul algum dia, em 2017. Desde então, tem havido ampla reprovação dos sul-coreanos, que estão travando protestos anti-THAAD em todo o país, como parte dos maiores protestos contra o escândalo que atormentada o Presidente Park Geun-Hye.
Interceptação de mísseis no sistema THAAD. Clique na imagem para ampliar. [res 1200 × 451]
Interceptação de mísseis no sistema THAAD.

THAAD é composto de cinco componentes principais: interceptores, lança-mísseis, radares, uma unidade de coltrole de tiro e equipamentos de apoio. Os dois componentes polêmicos são o interceptor (bater-para-matar mísseis) e o radar AN/TPY-2). O interceptor não é eficaz para os mísseis de curto alcance da Coreia do Norte, de acordo com o Dr. Jae-jung Suh, mas o radar, se implantado na Coréia do Sul, tem o potencial para expandir a vigilância dos EUA sobre a China. THAAD é construído para interceptar mísseis de alta altitude e intermediário, não os mísseis de curto alcance que a Coreia do Norte usaria se fosse para atacar o Sul.

THAAD. Fonte: http://www.lockheedmartin.com/us/products/thaad.html. Clique na imagem para ampliar [res. 1024 × 512]
THAAD. Fonte; http://www.lockheedmartin.com/us/products/thaad.html.

O sistema THAAD, diz Suh, um professor de política e assuntos internacionais na International Christian University, no Japão, deve ser compreendido como parte de uma corrida armamentista na península coreana, bem como a mais ampla corrida armamentista global. Suh tem sido um dos principais especialistas em militarismo dos EUA na região da Ásia-Pacífico por vários anos e recentemente tem focado seu trabalho no problema THAAD.

O sistema THAAD não iria proteger Seul, onde metade da população sul-coreana reside, diz Suh. Os planos do Pentágono é implantá-lo na parte sudeste da Coreia, e ele só seria capaz de proteger a metade sul do país, onde a maioria das forças norte-americanas estão estacionadas. O radar no THAAD, de acordo com o Suh, provavelmente seria usado para detectar mísseis norte-coreanos indo para os Estados Unidos. Ele iria transmitir a informação para o sistema THAA dos EUA no Alasca, de onde interceptadores podem ser lançados para destruir a entrada de mísseis. Em outras palavras, o sistema THAAD não beneficia os sul-coreanos, embora eles terão de arcar com o ônus da hospedagem.

Até mesmo o ex-Presidente Obama parece ter sabido que o THAAD é para proteger os ativos dos EUA, não as vidas sul-coreanas. Em uma entrevista com a CBS News, em 2016, ele disse, “Mas o que nós estamos fazendo é uma consultoria com os sul-coreanos, pela primeira vez, sobre mais capacidades de mísseis de defesa para evitar qualquer possibilidade de que a Coreia do Norte pudesse atingir às instalações dos EUA ou a população dos EUA.”

Suh concorda com McGovern que o MD dos EUA desestabiliza o mundo. O radar do THAAD com capacidade para fazer a vigilância sobre o terreno Chinês mina a dissuasão mútua entre os Estados Unidos e a China. Os Estados Unidos já tem dois radares THAAD no Japão, além dos sistemas MD na Europa mencionados anteriormente. As tensões na região da Ásia-Pacífico têm vindo a aumentar desde o anúncio da implantação do THAAD dos EUA na Coréia e a China já fez retaliação contra a Coreia do Sul com 43 ações.

Suh propõe um bloqueio imediato e o controle de armas como uma alternativa. Trump pode decidir não implementar o controverso sistema MD na Coreia do Sul e retroceder ou parar os anuais exercícios de treinamento militar na Coreia do Sul, diz Suh. Se for assim, acrescentou, a Coreia do Norte estaria, provavelmente, disposta a negociar, o que é o único caminho para a paz.

Traçando a história das respostas da Coreia do Norte às ações dos EUA desde 1994 até a presente data ressalta este ponto e fornece instruções úteis sobre como avançar, diz Suh. Como o gráfico a seguir mostra, a cada vez que os EUA estava disposto a envolver-se em discussão, a Coreia do Norte respondeu com o congelamento de seu programa nuclear e até mesmo a desativação por um momento. Mas cada vez que os EUA intensificaram a pressão militar a Coreia do Norte reiniciou seu programa nuclear.
Uma desnuclearização é possível? Clique na imagem para ampliar [res. 900 × 673]
Uma desnuclearização é possível? 

Professor JJ Suh fala sobre o THAAD e a corrida armamentista global.


dinamica global

Nenhum comentário :

Postar um comentário