sábado, 11 de março de 2017

PLANO DE RAND CORPORATION PARA DIVIDIR A SÍRIA EM PEDAÇOS


O think tank do Pentágono quer dividir a Síria de acordo com o modelo da Bósnia. O resultado seria a limpeza étnica e uma nova e enorme inundação de imigrantes.
Relatório detalhado: SÍRIA: A próxima guerra da OTAN?

Originalmente publicado por – Deutsche Wirtschafts Nachrichten, traduzido por Tom Winter, publicado em inglês por Fort Russ

Plano dos EUA para a divisão da Síria pode desencadear uma nova onda de refugiados
A RAND Corporation, um dos principais think-tanks dos EUA próximo do Pentágono, publicou um relatório propondo um “modelo bósnio” para resolver o conflito sírio.

    “Neste sentido, como na Bósnia, em meados dos anos 90, a paz será facilitada pelas mudanças demográficas no terreno, a aprovação externa para tais mudanças eo esgotamento dos partidos de combate. Ao contrário da Bósnia, no entanto, a paz não surgirá de um acordo formal detalhado, mas de um conjunto de entendimentos locais e internacionais. Para alcançar os vários entendimentos, o acordo de cessar-fogo entre a Rússia, a Turquia eo Irão é um bom ponto de partida, mas é insuficiente. Os acordos sustentáveis ​​a longo prazo serão mais eficazes se envolverem o consentimento de outras partes interessadas, incluindo os EUA, seus parceiros de golfe e outros defensores da oposição a Assad”.
A RAND Corporation apela à descentralização do país em zonas de controle. A área da costa oeste para Deir Ezzor com a exclusão de Rakka é para ser controlado pelo governo em Damasco e os russos.
A zona libertada pela Turquia sob a Operação Escudo Eufrates e a província de Idlib ficaria sob controlo turco. A área sul de Daraa, na fronteira com Israel, também seria controlada por uma “oposição” não descrita em detalhes pela RAND Corporation. Uma grande parte do Norte da Síria seria controlada pelas Forças Democráticas da Síria (SDF), formada por milícias curdas e liderada pelos EUA.
É particularmente digno de nota que a RAND Corporation propõe colocar as fortalezas do ISIS e os centros petrolíferos Rakka e Deir Ezzor sob uma “administração internacional”. “Recomendamos, portanto, que os Estados Unidos coloquem a província de Rakka, após a sua libertação, sob uma administração internacional de transição, criando um território neutro que não é mantido nem pelo regime nem pela oposição até a solução final da guerra civil”. A área deve ser controlada pela ONU, que por sua vez usa conselhos provinciais. A RAND Corporation, por outro lado, argumenta contra o envio de uma força de paz da ONU para a zona internacional. Em vez disso, os EUA e a Rússia teriam de organizar o desdobramento de uma “força de coalizão”, que é dotada de um mandato da ONU. Tal solução não só toleraria os EUA e a Rússia, mas também a Turquia e outros aliados regionais dos EUA, o que não deixaria Rakka e Deir Ezzor sob o controle da milícia terrorista ISIS ou o controle da milícia curda, de acordo com a RAND Corporation.

No mapa sírio, é possível notar que a cidade de Manbij é colocada na zona turca no norte da Síria. O exército turco ainda não tomou Manbij, e os militantes curdos do GPJ estão contra a cidade sendo ocupada pelos turcos. No entanto, o presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, disse no início da semana que após a libertação de Al-Bab, a Turquia se mudaria para tomar Manbij.

No ano passado, Manbij foi tomada pela milícia curda. Existem atualmente numerosas associações da milícia curda em Manbij, mas a maioria da população é árabe e turcomena.

Os planos para a divisão da Síria são altamente problemáticos: já na guerra síria, as massivas purificações étnicas já ocorreram. Estes foram realizados com base nos oleodutos planejados. Uma desagregação territorial por etnia aceleraria muito a tendência para a expulsão. Novos movimentos de fuga seriam o resultado. Estes viriam então para a Europa – que está tentando desesperadamente se fechar.

Leia isso para entender o propósito da planejada guerra na Síria – algo já decidido nos círculos do poder na Europa. Essa é a prova flagrante que houve intenção de uma crise a ocorrer no Oriente Médio. Abaixo um cartaz de convite para uma conferência sob o título “Remodelagem do Oriente Médio”, que é evidente aconteceu na França, mas por não informar o ano não sabemos quando foi exatamente.


Traduzido para publicação 



Nenhum comentário :

Postar um comentário