domingo, 9 de abril de 2017

'Contribuintes da UE pagam a mídia que retrata jihadistas como lutadores pela liberdade'


O cientista político alemão, especialista em assuntos do Oriente Médio e ex-correspondente do jornal Die Zeit, Michael Luders, afirmou no ar do canal nacional ZDF que a mídia da Alemanha prefere criar uma imagem simplificada do conflito sírio.
Cidade síria de Tel Abyad durante confrontos entre Daesh e Unidades de Proteção Popular (YPG)


Falando do ataque químico em Idlib, Luders frisou que a mídia, sem estudar o assunto, se apressou a imputar a responsabilidade às tropas governamentais sírias. Entretanto, observou o especialista, tais incidentes tradicionalmente ocorrem na véspera de conversações de larga escala e podem ser operações feitas "sob a bandeira de outros".

"Tudo pode ser esclarecido se houver vontade, mas nesse caso, claro, se destrói a imagem do inimigo. Já não se pode dizer: estes são os bons, e nós fazemos parte deles, e aqueles são os maus", comentou Luders ao ZDF, sublinhando que tal imagem tem muito pouco a ver com a realidade.

A imagem do inimigo, segundo ele, é também criada graças a fotografias semelhantes à que retrata o menino Omran de Aleppo sangrado, que alegadamente teria sido vítima de um bombardeio. Em agosto de 2016, esta imagem circulou por todas as capas de jornais em todo o mundo e se tornou em um símbolo da guerra síria destinado a demonstrar as "atrocidades" do regime.

A foto foi tirada pelo fotógrafo do Centro Midiático de Aleppo, ou seja, uma organização que virou fonte de informações praticamente para todos os meios de comunicação ocidentais. O centro é financiado pela União Europeia, nomeadamente pela chancelaria francesa, partilhou Luders.
Ao mesmo tempo, o autor da imagem, como se revelou, tem relação próxima aos militantes — em uma das fotos ele aparece ao lado dos jihadistas que decapitaram uma criança para gravar um vídeo propagandista.

"Aquilo que se passa com as crianças na Síria é horroroso, mas é infame também que centros midiáticos duvidosos, financiados por nós, contribuintes europeus, são usados pelos agrupamentos jihadistas apresentados, por sua vez, como lutadores pela liberdade", assegurou o cientista político.

Luders realçou que nenhum jornalista alemão fala destas ligações. "Cria-se a impressão que para eles não é importante analisar, mas sim manter a imagem do inimigo", resumiu.

sputniknews

Nenhum comentário :

Postar um comentário