sexta-feira, 28 de abril de 2017

Greve geral e a explosão do desemprego


Por Altamiro Borges

Neste 28 de abril, dia da histórica greve geral que parou o Brasil, o IBGE divulgou os dados oficiais sobre a taxa de desemprego no país. Eles confirmam a justeza da paralisação nacional. 
Resultado de imagem para greve geral 28/04
Segundo o instituto, a política econômica genocida praticada pela quadrilha de Michel Temer resultou em um novo recorde de desocupação: 14,2 milhões de brasileiros estão sem trabalho. Nos três primeiros meses deste ano, a taxa de desemprego ficou em 13,7% da População Economicamente Ativa (PEA). É a maior da série histórica do IBGE. 


Na comparação com o último trimestre de 2016, o contingente de pessoas sem emprego pulou de 12,3 milhões para 14,2 milhões. Esta desgraceira, agravada pelo "golpe dos corruptos" que depôs a presidenta Dilma Rousseff, explica o clima de revolta e indignação na sociedade. Ela dá plena razão os trabalhadores que aderiram à greve geral.


Segundo o IBGE, "a taxa de desocupação foi estimada em 13,7% no trimestre janeiro/março de 2017, com altas de 1,7 ponto percentual frente ao trimestre outubro/dezembro de 2016 (12,0%) e de 2,8 pontos percentuais em relação ao mesmo trimestre móvel de 2016 (10,9%). Essa foi a maior taxa de desocupação da série histórica, iniciada no primeiro trimestre de em 2012. A população desocupada chegou a 14,2 milhões e bateu o recorde da série histórica. Este contingente cresceu 14,9% (mais 1,8 milhão de pessoas) frente ao trimestre anterior e 27,8% (mais 3,1 milhões de pessoas em busca de trabalho) em relação ao mesmo trimestre de 2016".

Ainda de acordo com o estudo, "a população ocupada (88,9 milhões) recuou em relação ao trimestre anterior (-1,5%, ou menos 1,3 milhão de pessoas) e também em relação ao mesmo trimestre de 2016 
(-1,9%, ou menos 1,7 milhão de pessoas). Esse foi o menor contingente de pessoas ocupadas desde o trimestre fevereiro/abril de 2012. O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar) recuou para 53,1% no trimestre de janeiro a março de 2017, com queda de 0,9 ponto percentual frente ao nível do trimestre anterior (54,0%). Em relação ao nível do mesmo trimestre de 2016 (54,7%), houve retração de 1,7 ponto percentual. Este foi o menor nível da ocupação da série histórica da pesquisa".

"O número de empregados com carteira de trabalho assinada (33,4 milhões de pessoas) recuou em ambos os períodos de comparação: frente ao trimestre outubro/dezembro de 2016 (-1,8% ou menos 599 mil pessoas) e ao trimestre janeiro/março de 2016 (-3,5% ou menos 1,2 milhão de pessoas). Este foi o menor contingente de trabalhadores com carteira assinada já observado na série histórica da pesquisa". O relatório do IBGE não faz projeções sobre o futuro próximo. Mas todos os indicadores da economia apontam que a grave situação não deve se alterar profundamente no próximo período. O covil golpista de Michel Temer está mais preocupado em retirar direitos dos trabalhadores e dos aposentados do que em promover o desenvolvimento do país.

altamiroborges

Nenhum comentário :

Postar um comentário