quinta-feira, 4 de maio de 2017

A BANCA, A CORRUPÇÃO E A GUERRA: CONTRÁRIOS A CORÉIA DO NORTE.


Vivemos um mundo que muitos analistas e escritores denominam pós-industrial, outros da informação ou da inteligência ou ainda da globalização, implicitamente indicando uma época de liberdade e de paz.

Muito diferente é meu entendimento. Fomos conduzidos a uma armadilha pelo capital financeiro que acumulou conhecimentos de dominação ao longo dos dois últimos séculos e criou uma verdadeira universidade perpetradora de crimes contra a humanidade.

Um dos crimes será objeto de nossas reflexões neste artigo: a corrupção.

Penso que, qualquer que seja o modo de colocar a mão em seu bolso, provocará um dano incomparavelmente menor do que a colocar em seu cérebro. E é isso que a banca (sistema financeiro, nova ordem mundial ou que alcunha se use) vem fazendo desde o momento que, destruindo culturas, assassinando etnias, forjando falsas realidades e, com insustentáveis pretextos, guerreando todo mundo implantou seu sistema colonial.

Não se iludam, caros leitores, com eventuais progressos econômicos ou avanços tecnológicos que lhes mostrem aqui ou ali; perguntem primeiro quem mais se beneficia senão quem é o único beneficiado com este resultado. E surgirá a banca, os rentistas.

Vou buscar um exemplo difícil para quem me lê e está se informando pela grande mídia: a República Popular Democrática da Coreia (RPDC) ou Coreia do Norte, retratada em todo ocidente na forma caricatural de uma ditadura familiar comunista, oprimindo um povo faminto para construir armas nucleares.

Comecemos pelo conceito básico sobre o qual se funda o pensamento e a sociedade coreana: o confucionismo.
No milênio que antecedeu a era cristã, surgiram quatro vertentes de pensamento que influenciariam a humanidade: o pré-socrático, do mundo grego, o monoteísmo hebraico, no Oriente Médio, o induísmo (budismo), no subcontinente indiano e o confucionismo. Este último com a fundamental diferença em relação a todos os demais: a origem não divinatória do homem. Confúcio propõe, na sua consolidação do pensamento chinês (Os Analectos), pela primeira vez, a concepção ética do homem, em sua integralidade e universalidade, ao invés de uma criação divina. Pode-se imaginar a consequência para o cotidiano da pessoa e de seus relacionamentos o que significa esta diferença.
Permitam-me tratar de três questões que serão importantes para compreensão da vida na Coreia do Norte. Diz Confúcio: é raro um homem que é bom como filho e obediente como jovem ter a inclinação de transgredir contra seus superiores (Analectos I.2). Também nesta obra encontramos: governar é estar na retidão (A XII.17) e, a terceira, aprender alguma coisa para poder vivê-la a todo momento, não é isso fonte de grande prazer? (A I.1).

Vejamos quais as consequências destas três proposições. Afirma uma das maiores autoridades sobre a História e vida coreana, Charles K. Armstrong: “A reverência à família, ao lider e à distinção social, por exemplo, não foi abolida na Coreia do Norte, mas transferida e reformulada” (The North Korean Revolution, 2003, em Visentini, Pereira e Melchionna, A Revolução Coreana, UNESP, 2015).
O sistema político hereditário, num modelo de círculos concêntricos, que está no pensamento confucionista, se encontra, na verdade, em muitas civilizações, como apontam o historiador indiano Sardar K. M. Panikkar, o ganense Godwin Dogbe e outros analistas da desestruturação de civilizações africanas e asiáticas pelo colonialismo europeu, em especial o inglês. A palavra traduzida por governar significa mais do que uma ação gerencial; zheng tem o sentido de organizar o mundo, originariamente restabelecer o equilíbrio. Logo o que se acusa de ditatorial hereditário está na própria estrutura do pensamento social e político dos norte-coreanos.

Diz Confúcio que o homem se faz ao caminhar, poderíamos até entender que a pedagogia dos saberes surge do confucionismo, mas, efetivamente, a educação com os pés no chão, com crítica e transformadora, é um traço que aproxima a RPDC de Cuba, daí a resiliência com que ambos enfrentaram os bloqueios e os transformaram em fator de maior unidade nacional.

Este aspecto do nacionalismo é extraordinariamente forte na Coreia. Além dos conteúdos filosóficos, houve a dura realidade da colonização japonesa em toda península. Podemos especular que o recente golpe na presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, com muitas identidades ao que foi aplicado em Dilma Rousseff e em outros dirigentes que ousavam construir um caminho à margem da banca, destinou-se a combater naquele país o mesmo pensamento nacionalista do Zuche norte-coreano.

Entender o Zuche é igualmente importante para compreender a RPDC. Charles Armstrong, na mesma citação anterior, alerta: “a nação tornou-se uma espécie de substituto para a classe operária como sujeito primordial da revolução, um movimento que pode ser chamado de nacionalismo proletário”.
A divisão da península coreana pelo Paralelo 38 foi mais um exemplo de atos arbitrários que o colonialismo adota à revelia da humanidade. Ao fazê-lo, no entanto, ao tempo que os Estados Unidos da América (EUA) colocavam um títere, retornando daquela nação imperial onde vivera 37 de seus 60 anos, Syngman Rhee, no poder ao Sul, o norte contou com a liderança de um herói da guerra contra os japoneses, não só na Península como na Manchúria, Kim Il Sung. Este não se submeteria à União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) a quem coubera o Norte. O Norte era, desde a ocupação japonesa, industrial, com exploração mineral e energia abundante. O sul era agrário, produtor de alimentos.

Kim Il Sung promoveu a reforma agrária com maior e melhor aproveitamento da terra e obtendo o apoio dos camponeses. Dispondo de recursos hidrelétricos desenvolveu o setor industrial com especial atenção à construção civil, têxteis e indústria pesada. Os planos plurianuais até a eclosão da guerra aumentaram de modo significativo a produção do Norte. A Guerra na Coreia foi uma guerra de extermínio. Os EUA usaram napalm e bombardeio massivo para destruir cidades, infraestruturas e a população norte-coreana. A Guerra da Coreia mereceria um artigo especial.

Mas dela resultou esta mistura de confucionismo, marxismo e, principalmente, nacionalismo que se denomina Zuche. Outro estudioso da Coreia, Bruce Cumings (North Korea, 2004, também em Visentini, Pereira e Melchionna) assim descreve: “A Coreia do Norte oferece o melhor exemplo de retiro consciente do sistema mundial capitalista no mundo pós-colonial em desenvolvimento, bem como uma tentativa séria de construção de uma economia independente, autônoma; como resultado, observamos, hoje, a economia industrial mais autárquica no mundo. 

A Coreia do Norte nunca permaneceu ociosa, sempre avançou”. É o mesmo Cumings quem define o sistema político norte-coreano como corporativista neoconfuciano, tendo o papel revolucionário da classe operária trazido para a nação. Da tradição de Confúcio vem o ideal da família, sendo a nação a grande família, e assim o Estado forte e centralizado se justifica no controle da sociedade. O desenvolvimento autárquico dá ao país menos suscetibilidade às pressões externas, e a existência de armas nucleares estadunidenses ao sul legitima o desenvolvimento da tecnologia nuclear do Norte. Um pequeno país que buscou garantir dentro de sua filosofia a máxima independência possível em relação ao exterior.
Ameaça norte-coreana aos Estados Unidos. 
Vejamos agora o aspecto corrupto, inerente à banca. Um país autárquico, o que de certo modo é comum na Ásia Oriental Continental, onde a filosofia confucionista prevalece, não é um país belicoso. Por que razão, senão de sua própria segurança e mesmo existência, a RPDC desenvolveria armas e instalações se não fosse para sua defesa. A Coreia do Norte investiu na construção de numerosos túneis e abrigos para proteger sua população de novos bombardeios dos EUA. Nestes abrigos há hospitais, escolas e condições de sobrevivência a um enorme custo que não se fariam necessários se não estivesse a belicosidade da banca a ameaçá-los como o faz em todo mundo.
Mas isto não lhes chega ao conhecimento. A República Popular Democrática da Coreia é um exemplo que une a banca à corrupção e à guerra.


Autor: Pedro Augusto Pinho, avô, administrador aposentado

Nenhum comentário :

Postar um comentário