sábado, 27 de maio de 2017

A CORRIDA EUA-RÚSSIA NA SÍRIA: PARA UM CONFRONTO MILITAR?


Operações militares nas fronteiras Iraque-Síria fecharão todas as estradas para o ISIS.
Nos bastidores da disputa pelo território sírio estão as vantagens com o negócio de oleodutos, como mostra o mapa acima.
Moscow e Damasco preparam suas respectivas forças – e as de seus aliados – para iniciarem batalhas agressivas e multi-objetivas dirigidas para as fronteiras sírio-iraquianas (e para Deir-ezzour). Estas ocorrem ao mesmo tempo que as forças iraquianas iniciam uma batalha não muito longe das fronteiras sírias, no deserto ocidental iraquiano, como anunciou o primeiro-ministro Haidar al-Abadi.

As novas batalhas iraquianas – apoiadas pelos EUA e forças da coalizão – visam assegurar o triângulo fronteiriço até as fronteiras jordanas ou Ratba, incluindo as fronteiras entre o Iraque e a Síria, uma vez que as cidades de Ana e Rawa sejam libertadas. Outras batalhas, sem apoio da coalizão, devem ser levadas a cabo pelas forças iraquianas de “Hashd al-Sha’bi” (Unidades de Mobilização Popular – PMU), indo em direção a al-Ba’aj e fechando todas as rotas entre o Iraque e a Síria.

As várias batalhas em ambos os lados das fronteiras têm outro objetivo: proteger as costas das forças dos EUA e suas proxies sírias presentes no cruzamento de al-Tanaf (do lado sírio). Isso também ajuda a atender o avanço das Forças Especiais de Operações dos EUA e os curdos das “Forças Democráticas Sírias” (SDF) avançando em direção a Al-Qaem e já a apenas dezenas de quilômetros de seu objetivo.

Estes avanços colocarão o grupo “Estado Islâmico” (ISIS) entre dois incêndios em ambos os lados da fronteira síria e iraquiana: os militantes não terão outra alternativa senão lutar ou morrer, entregar-se ou escapar para os desertos de Anbar e Síria. Outros podem buscar refúgio no grupo al-Qaeda (sob o nome de Hay’atTahrir al-Sham) – também enfrentando um extermínio grave depois que o ISIS for eliminado dos territórios que controla desde 2014.
Por outro lado, Moscow, Damasco e Teerã, incluindo todos os seus aliados, começaram batalhas multi-front no leste do sul, médio e norte da Síria para contrariar os planos dos EUA. Um grande número de forças aliadas foram empurradas para a linha de frente para se prepararem para a próxima batalha contra os EUA e seus representantes nas várias frentes:
– A frente de Deir-ezzour: Tanto Washington como Moscow anunciaram sua vontade de chegar à cidade sitiada de Deir-ezzour (cada um para seu próprio propósito e com suas próprias forças aliadas), para quebrar as linhas ISIS que cercam a cidade. No entanto, as chances dos EUA são escassas porque o Exército sírio e seus aliados têm defendido a cidade do nordeste há anos, impedindo que caia nas mãos do ISIS ou qualquer outra força que avança em direção à cidade. Portanto, é mais provável que Moscow impõe o impulso na área, caso contrário, pode não ser possível evitar um confronto militar entre as duas superpotências. Nem Washington nem Moscow parecem prontos para serem arrastados para uma guerra maior pelo controle de uma cidade síria.
– Até ao cruzamento de al-Tanaf: Já existem Forças de Operações Especiais dos EUA e suas proxies sírias presentes no ponto de passagem sírio-iraquiano. Al-Tanaf está situado em um grande deserto aberto, usado apenas como um ponto de fronteira entre os dois países. Moscow também está determinada a alcançá-lo e recuperá-lo, com o apoio de suas forças terrestres aliadas, colocando Washington novamente em uma situação embaraçosa. Os EUA têm de coordenar com a Rússia ou será forçado a retirar-se de al-Tanaf, mesmo se seus proxies sírios decidirem manter e defender sua posição. Al-Tanaf representa outra questão do ponto de vista da logística: as forças que o controlam precisam de logística regular e linhas de abastecimento, armas e suporte vitais de sobrevivência. Este será um desafio para qualquer força disposta a ocupá-lo.
– Al Badiya al-Surya (Estepe da Síria): Nesta frente, os proxies norte-americanos jordanos estão avançando das províncias de Daraa e Suweida no sudeste da Síria, na estepe semi-desértica síria. O Exército sírio iniciou o seu bombardeamento aéreo sobre estas forças para impedir que avançassem para al-Tanaf ou para fechar com as tropas do exército sírio em Palmyra (Tadmur). Mais uma vez, os EUA e a Rússia (juntamente com Damasco e Teerã) estão se confrontando em solo sírio: com muitas áreas e interesses perigosamente conflitantes.

Assim, sob o título de “derrotar o ISIS”, as múltiplas batalhas e o confronto de forças se apresentam fundamentalmente como um confronto entre as duas superpotências. Existem Forças de Operações Especiais da Rússia e dos EUA na Síria, onde ambos apoiam seus mandatários, orientam suas operações militares, exigem apoio aéreo, coordenam-se com suas respectivas salas de operação e – em última instância – acabam se enfrentando.
As próximas batalhas terão lugar fora das “zonas de conflito” acordadas por Moscow, Ancara e Teerã em Astana, no Cazaquistão (com representantes dos EUA agindo como observadores). As estepes sírias, Deir-ezzour, al-Tanaf, al-Qaem e Raqqah foram todas excluídas do acordo. Moscow está dando prioridade à “batalha das fronteiras” – respondendo também à vontade dos aliados que formam o “eixo da resistência” – na sequência da visita do líder do PMU iraquiano, Faleh al-Fay’yad, que informou Damasco e Beirute (Hezbollah) sobre os planos do primeiro-ministro Abadi “sugeridos” pelos americanos.

É por isso que – de acordo com fontes dentro do escritório do primeiro ministro – Bagdá começou a batalha de Tanaf-Qaem-Ba’aj, seguindo a pressão exercida pelo comando militar dos EUA estacionado no Iraque. Tal pedido soa entre os líderes da Síria, confirmando que Washington está se preparando para a fase após a guerra para espalhar seu controle em vários territórios na Síria, incluindo áreas fronteiriças, sob o pretexto de “derrotar ISIS”. Este grupo Salafi-Jihadi está em seu capítulo final e todo mundo na Mesopotâmia e Bilad al-Sham está correndo para assumir seus territórios. ISIS, que uma vez glorioso quebrou as fronteiras Sykes-Picot e ocupou vastos territórios em 2014 está desmoronando em todas as frentes!
Assim, essas operações militares com múltiplos objetivos visarão traçar uma linha entre as duas superpotências na Síria, sugerindo que a guerra vai acabar, embora a al-Qaeda (Hay’at Tahrir al-Sham) ainda possa desempenhar um papel destrutivo. Este grupo foi excluído de qualquer acordo, mesmo que a cidade que ocupa principalmente tenha sido incluída nas áreas de conflito (como solicitado pela Turquia e acordado por Damasco, Rússia e Teerã). 

No entanto, a própria Al-Qaeda rejeitou o acordo de Astana e considerou qualquer grupo rebelde assinando o acordo digno de ser morto no local.
Não é a primeira vez que a Rússia e os EUA correm para o controle de um único território (ver Berlim no final da Segunda Guerra Mundial). Esta corrida hoje enfatiza que a Síria, sem dúvida, enfrentará partição. No entanto, a presença de forças de ocupação em suas terras não significa que elas serão poupadas: Teerã, Damasco e Hezbollah prometem atacar essas forças. Será que a Rússia permitiria que isso acontecesse com as forças dos EUA ou simplesmente ficaria sentada e assistiria ao seu oponente ser atingido em Bilad al-Sham?

O “eixo de resistência” tem outros projetos e objetivos também, a partir de lidar com as forças israelenses nas colinas ocupadas do Golã com as forças dos EUA no nordeste e leste da Síria, sem esquecer o perigo que representam ISIS e al-Qaeda, mesmo se forem derrotados na Síria. A estabilidade no Oriente Médio ainda está longe de ser alcançada.

Autor: Elijah J. Magnier
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário