segunda-feira, 29 de maio de 2017

Manchester, o revide: Começam a aparecer detalhes do apoio dos governos britânicos ao terror



Traduzido pelo coletivo da vila vudu

Já há alguns poucos novos detalhes sobre o ataque em Manchester e como se relaciona ao apoio dos britânicos aos takfiris nas guerras que movem contra países independentes no Oriente Médio e noutros pontos. Mas o quadro não mudou do que pintamos ontem. O ataque foi revide contra os britânicos estarem usando grupos takfiris para derrubar governos que não lhes agrade.
Em 2011, quando britânicos, franceses e os EUA fizeram guerra contra a Líbia, o governo britânico enviou takfiris líbio-britânicos para combaterem contra forças do governo líbio:


Belal Younis, outro cidadão britânico que foi à Líbia, conta como foi detido por forças antiterrorismo de uma 'Agenda 7' [orig. Schedule 7] ao retornar à Grã-Bretanha, depois de visitar o país no início de 2011 (...)

Disse que foi interrogado por um funcionário da inteligência, do MI5 (agência de segurança doméstica da Grã-Bretanha), que lhe perguntaram: "Tem interesse de entrar em combate?"

"Enquanto pensava para achar o que responder, o agente voltou e me disse que o governo britânico não tinha dificuldade alguma em encontrar gente para lutar contra Gaddafi" – contou ele a Middle Eastern Eye, MEE.



Conhecidos radicais líbios foram liberados das ordens de controle na Grã-Bretanha, receberam de volta os passaportes e correram para a Líbia. Lá havia forças especiais britânicas em campo, e aviões de combate britânicos nos céus para apoiar a luta deles em solo, contra o legítimo governo líbio. MI-5, o serviço de espiões internos da Grã-Bretanha, "selecionavam" os combatentes que a Grã-Bretanha enviava. Responsável pela Secretaria de Assuntos Internos da Grã-Bretanha [ing. British Home Secretary] naquele momento? Uma certa Theresa May, hoje primeira-ministra britânica.

O pai do assassino de Manchester esteve em campo na Líbia, numa gangue ligada ao Grupo de Combate Líbio Islâmico [ing. Libyan Islamic Fighting GroupLIFG], bem conhecido braço da al-Qaeda. O filho dele, então com 16 anos, acompanhou o pai:


Em 2011, quando Abedi era ainda adolescente, ele viajou à Líbia e lutou ao lado do pai numa milícia conhecida como Brigada Trípoli, para depor Gaddafi, quando as revoltas da Primavera Árabe varriam o Norte da África e o Oriente Médio – disse um amigo da família.

O filho voltou a Manchester, mas logo se converteu em conhecida ameaça à sociedade. Membros da sociedade líbia exilados em Manchestero denunciaram às autoridades locais como jihadista extremamente perigoso, pelo menos cinco vezes. Não se viu qualquer reação dessas autoridades. Além disso:


O próprio passado da família Abedi deveria ter acionado todos os sinais de alarme daquelas mesmas autoridades. O pai dele foi membro do Grupo de Combate Líbio Islâmico.

O ministro do Interior francês disse que o jovem de 22 anos tinha "ligações comprovadas" com o Estado Islâmico e que ambos os serviços de inteligência, britânico e francês tinham informação de que ele estivera na Síria.



Segundo o Financial Times, Salman Abedi voltou à Grã-Bretanha poucos dias antes do ataque em Manchester, via Turquia e Alemanha. Chegou à Turquia vindo da Líbia, mas provavelmente esteve por alguns dias na Síria para receber suas últimas ordens.

Todos esses ataques por takfiris, em Paris, Bruxelas, Berlin e Manchester bem como na Líbia, Síria e Iraque, têm suas raízes ideológicas no wahhabismo, a versão mais extremista do Islã salafista promovida na Arábia Saudita e Qatar. As raízes desse terrorismo estão em Riad e Doha e terão de ser combatidas aí.

Mas os governantes sauditas e qataris pagam quantias extraordinárias de dinheiro para comprar proteção, sob a forma de negócios de compra de armas de empresas britânicas e norte-americanas. Enquanto esses negócios prosseguirem, aqueles governantes serão mantidos onde estão, como úteis promotores do grande esquema.

Para as classes governantes na Grã-Bretanha e por toda parte, as vítimas em Manchester são apenas dano colateral em sua guerra para dominar o mundo, empreitada na qual usam os soldados rasos mantidos pelos wahhabistas.


Entrementes, mídia-empresas e agências de notícias "ocidentais" continuam a fazer propaganda do estilo de vida no país da al-Qaeda,"Agora com corridas de cavalos árabes!", e incitando mais e mais jovens a se unirem no mesmo culto mortífero.

blogdoalok

Nenhum comentário :

Postar um comentário