segunda-feira, 1 de maio de 2017

"Pesadelo sangrento": VKS Russa e "Tigres" juntos matam mais de 1.000 terroristas da Al-Qaeda em Hama (+3 Vídeos)


Fort Russ Notícias -  RusVesna - Tradução por James Harmon

"Pesadelo sangrento" aparece quando unidades terroristas encontram unidades das forças especiais russas e sírias.

Na noite de 25 de abril, unidades da chamada "oposição moderada", incluindo terroristas "Tahrir al-Sham" (Dzhebhat en-Nusra, afiliado à Al-Qaeda) e "O Partido Islâmico do Turquestão" tentaram desalojar as forças governamentais Das aldeias previamente libertadas Massasna e Zalaykiyata.

Naquela noite, os terroristas anunciaram apressadamente que tinham levado a aldeia de volta através da mídia social.

Cedo na manhã seguinte na área, houve relatos de que o segundo ataque dos militantes foi repelido e as aldeias ainda estão sob o controle das forças do governo. Segundo o Ministério da Defesa, durante a última ofensiva, os terroristas perderam mais de cem pessoas que foram mortas e cerca de 220 que foram feridas.


Os terroristas perderam nove veículos equipados com metralhadoras pesadas, um tanque e quatro BMP's. Um carro anti-tanque blindado sírio, foi convertido em uma bomba "jihad-móvel" foi destruída como resultado de uma detonação que matou pelo menos 20 bandidos. O pesadelo não acabou para os militantes, parece.



Na noite de 26 de abril, o exército árabe sírio no norte da província de Hama mudou-se para uma nova ofensiva. Com o apoio da Força Aérea Russa da FSI e das tropas do governo SAR, libertaram o flagelo da cidade controlada por terroristas Zor-Mahruka e Bayda ao norte de Half, e chegaram muito perto da periferia sul da cidade de El Latamna.

Aeronaves russas e sírias bombardearam terroristas que penetraram profundamente na defesa - na vizinhança dos assentamentos de El Latamna, de Zeit e Murek.




Durante estes dias, os seguintes líderes terroristas foram eliminados durante os engajamentos: Abu Aisha al-Ansari (Tunísia), Abdullah Abdul Rahman Abu Rabi (Arábia Saudita), Abu Karar al-Nazran (Arábia Saudita, Tahrir al-Sham) Abu Ayub Al -Turkestani Riva Abu Qatada Taha Hussein al-Matar, Bilal Abdul Dzhalili Mustafa Saleh.


Também se sabe que um dos lendários líderes do grupo "Jaish al-Izza" Juma Al-Khaled (Juma Besmertny) foi eliminado, bem como o comandante de campo Ahmad Al-Rammama Abu Ibrahim. Nas últimas semanas, os terroristas perderam cerca de 50 comandantes de campo.

Os grupos reconhecem suas perdas diariamente, publicando obituários em seus sites. Aqui está uma ilustração dos líderes que foram mortos nos últimos dois dias.




O profissionalismo e a habilidade dos pilotos russos e sírios contribuíram para a vitória das tropas do governo. Segundo informações de redes sociais, em vésperas do início da militância na vizinhança da aldeia de Al-Bayda, na província de Hama, alguns grupos se recusaram a obedecer a seu comando e se envolver militarmente com as tropas aliadas.

Eles declararam nas mídias sociais, a motivação para sua recusa foi devido à falta de suprimentos médicos, munições e inépcia de seus comandantes, porque eles perderam muitos "Mujahideen" e sofreram uma derrota após a outra. 

Devido ao resultado das ações bem-sucedidas das tropas do governo, além de grandes baixas entre os terroristas, foi a libertação dos territórios ocupados por terroristas no início do ano. Além disso, os jihadistas perderam a iniciativa e não conseguiram conduzir com êxito operações de combate no norte da província de Hama, e grandes perdas em suas fileiras podem forçá-los a pensar mais sobre militantes atuais vivendo em todo o país e dando Eles amnistia, ou finalmente ir para um verdadeiro diálogo com as autoridades, Recusando-se a participar na propagação das ações de terroristas do exterior. 

Na noite passada, os terroristas "Hayat Tahrir al-Sham" e "Jaish al-Izza" começaram outra ofensiva no norte de Hama, com a intenção de causar um golpe ao exército árabe sírio na aldeia de Al-Massasna. 

Os terroristas lançaram um ataque ofensivo com vários homens-bomba em veículos cheios de explosivos, numa tentativa de suprimir as forças de defesa estacionadas para proteger Al-Massasna. 

O grupo não conseguiu atingir seus objetivos, eles foram destruídos na aproximação e uma série de explosões estrondosas trovejou perto da aldeia. 

Após os ataques, os jihadistas invadiram as defesas do Exército Árabe Sírio, levando a um intenso engajamento das forças governamentais, que durou mais de três horas. 

Eles não poderiam quebrar a defesa da SAA. Muitos dos terroristas morreram, e os sobreviventes foram forçados a parar o ataque e fugir do campo de batalha. 

É relatado que mais de 25 militantes foram mortos e feridos durante a ofensiva falhada em Massasnu, entre eles um número de mercenários estrangeiros. 

Na sexta-feira, o SAA decidiu suspender as operações ofensivas ativas, mas na mídia, continua a surgir novas fotos e vídeos de insurgentes mortos.
                   




Nenhum comentário :

Postar um comentário