quarta-feira, 17 de maio de 2017

Saiba a razão pela qual os EUA deveriam temer os mísseis Kalibr russos


Apesar da sua indiscutível superioridade numérica, as forças navais americanas não foram capazes de instalar armas de longo alcance em navios de pequeno porte, como fez a Rússia com os sistemas Kalibr.
A Russian Navy ship launches a Kalibr cruise missile at the Jabhat Al-Nusra terrorist groupfrom the Mediterranean Sea. File photo


O colunista da edição National Interest, Sebastien Roblin, apelou em seu artigo recente à cúpula militar americana para refletir sobre o tema. De acordo com o analista, embora a Rússia tenha desenvolvido vários modelos de mísseis de cruzeiro para sua Marinha de guerra, são precisamente os Kalibr que constituirão a maior ameaça para os EUA nos próximos anos.

Desde o início da década de 90, os EUA lançaram centenas de mísseis Tomahawk a partir de seus navios e submarinos contra alvos no Oriente Médio, nos Bálcãs, na África do Norte e no Afeganistão. Sua capacidade de acertar nos alvos a uma distância de até 1.600 km fez com que estes mísseis se tornassem os mais populares nos próprios EUA e no Reino Unido. Mas não os únicos no mundo, adverte o colunista.
Em 2015 e 2016, a Rússia atacou as posições das forças extremistas na Síria tanto a partir do mar Mediterrâneo como a partir do Cáspio, sobrevoando o espaço aéreo do Irã e do Iraque.
"Desta maneira, a Rússia demonstrou sua capacidade de atacar a longas distâncias", recorda Roblin.
A família de mísseis Kalibr conta com dezenas de versões. Assim, como exemplo, a versão antinavio tem um menor alcance efetivo, mas é capaz de alcançar velocidades supersônicas (Mach 3) e baixar até 4,6 metros na sua trajetória, o que a faz quase impossível de neutralizar por sistemas de defesa dos navios. A versão terrestre não consegue estas velocidades, mas tem um alcance de até 2.400 km.
O colunista aponta que a Rússia apostou na estratégia da força "distribuída". "A ideia é que em uma era de mísseis de longo alcance cada vez mais letais, pode ser mais eficiente distribuir a potência de fogo por múltiplas plataformas menores e prescindíveis, em lugar de por todos os ovos em uma cesta grande, cara e vulnerável", acrescentou.
Roblin adiantou que os Estados Unidos também estão tentando criar um sistema de distribuição de armas e um dos seus elementos principais seriam os prometedores navios de combate litoral (LCS). Entretanto, o projeto enfrenta desafios importantes, um dos quais consiste no fato de para estes navios não se fazerem mísseis comparáveis em suas capacidades com os sistemas Kalibr.

Nenhum comentário :

Postar um comentário