quinta-feira, 29 de junho de 2017

PAULO HENRIQUE AMORIM: ESTADOS UNIDOS FIZERAM DESTRUIÇÃO EM MASSA NO BRASIL SEM USAR UM ÚNICO DRONE


O editor deste blog, Luiz Carlos Azenha, estava na sede das Nações Unidas como correspondente internacional quando o secretário de Estado Collin Powell pronunciou um dos mais cínicos discursos públicos da História da humanidade.



Mentiu, mentiu, mentiu, usando como props o diretor da CIA — sentado à esquerda de seu ombro — e gráficos, cartazes, tubos cenográficos de veneno e imagens de caminhões que seriam capazes de disseminar armas químicas, além de outras fantasias desmoralizadas em seguida quando os EUA não encontraram armas de destruição em massa no Iraque.


Foi a primeira vez que o que hoje a molecada chama naturalmente de “narrativa” — com seu fundo ficcional, apropriado à era da pós-verdade — se impôs definitivamente aos fatos.

Milhões de crianças iraquianas já haviam perecido por conta das sanções desumanas do Ocidente contra o Iraque, outros milhões de iraquianos fugiram do país e centenas de milhares morreram desde então — a guerra civil destroçou a soberania iraquiana.

Um país foi literalmente demolido para que os poços de petróleo de que ele dispõe fossem incorporados às torneiras que regulam o preço internacional do barril.

Mas o grande prêmio foi destruir o nacionalismo árabe como fonte de inspiração para mudanças “fora de controle” na região.

O que enxergamos como “caos” significa “vitória” para os Estados Unidos.

No Brasil, os EUA não precisaram gastar um único drone. Quem desenvolveu toda a narrativa foi a Globo!


viomundo

Nenhum comentário :

Postar um comentário