terça-feira, 11 de julho de 2017

A GUERRA CIBERNÉTICA VICIOSA CONTRA A VENEZUELA


A guerra psicológica travada pela oposição oligárquica na Venezuela – seguindo os objetivos estratégicos e táticos do imperialismo dos EUA – tem forte apoio em uma operação bem organizada no Twitter que promove protestos da plataforma DolarToday, com sede em Miami. Isto é descrito em um artigo de pesquisa publicado pela conhecida especialista Erin Gallagher.
A sede estrangeira pelo petróleo do Orinoco motiva os ataques à Venezuela.
DolarToday é um site dos EUA baseado em Miami que, de acordo com a Wikipedia, “é mais conhecido por ser uma referência de taxa de câmbio para o bolívar venezuelano” e por “monitorar a economia venezuelana”.

Atualmente, sem outra fonte confiável além das taxas de câmbio do mercado negro, essas taxas são usadas pela Reuters, CNBC e várias agências e redes de notícias da mídia.

The Economist afirma em sua defesa que as taxas calculadas por DolarToday são “erráticas”, mas que são “mais realistas do que as três taxas oficiais” divulgadas pelo governo venezuelano. Ele sustenta que não é verdade que as taxas publicadas por DolarToday são manipuladas para subcotar o governo venezuelano.

O site DolarToday foi denunciado pelo Estado venezuelano por estabelecer um marcador de preço artificial paralelo em dólar (mercado negro). Também foi alvo de uma ação judicial pelo Banco Central da Venezuela por falsificar as taxas de câmbio do país.
Em 2013, o presidente Maduro acusou o site de “alimentar uma guerra econômica contra seu governo e manipular a taxa de câmbio”.
    DolarToday também está promovendo protestos da oposição na Venezuela. Seus tweets estão sendo impulsionados por contas automatizadas que apresentam características repetitivas e semelhantes a robôs e estão usando uma ferramenta de gerenciamento de mídia social chamada IFTTT (If This Then That) para automatizar seus tweets“, diz Erin Gallagher.
    “O que imediatamente chamou minha atenção nos dados de #TeamHDP hashtagforam as redes compartilhadas entre os influenciadores (pessoas reais de alta credibilidade)”, explicou o especialista.
Trolls e bots realizam ataques coordenados para criar falsas tendências, congestionar ou interromper redes e disseminar informações erradas. Às vezes, eles conseguem ter uma mídia respeitada – por negligência ou erro – divulgar suas informações falsas e manchetes enganosas.

Os “Bots” são sistemas ou programas automatizados – que podem ser executados em computadores domésticos ou em servidores sofisticados – que utilizam contas de Twitter inexistentes para repetir uma certa frase, centenas ou milhares de vezes. Assim, eles podem transformar essas frases em “tendências”; Isso é para fazê-los aparecer entre os 10 ou 20 tópicos que o Twitter considera os assuntos mais discutidos nas últimas horas.

Os especialistas em bot se disfarçam como “empresas de marketing digital”, criam dezenas ou centenas de contas falsas do Twitter e, em seguida, usam “bots” para que essas contas simultaneamente tweetam determinados conteúdos, incluindo manchetes de sites de notícias.
Como muitos jornalistas da mídia impressa, rádio e televisão usam as tendências do Twitter para determinar quais tópicos abordar em sua mídia, quem dominar as tendências do Twitter pode determinar os tópicos mais falados na mídia do país.

Gallagher diz que é relativamente fácil descobrir o uso desses sistemas: quando você insere uma tag no Twitter e depois clique em “Mais recentes”, você notará que existem centenas ou milhares de contas que tweetam exatamente a mesma frase.

Esta não é a primeira vez que as ações cyberobóticas foram observadas nas redes venezuelanas. Pesquisadores mexicanos da plataforma “LoQueSigue” usaram, em 2014, bots com a hashtag #PrayForVenezuela, que denunciou “a violência, a repressão e a suposta” censura “dos protestos na Venezuela”, que se tornou uma tendência mundial.

Além disso, o NoBotsPolitico da Espanha documentou relatos falsos que apoiaram os protestos na Venezuela até junho de 2014, e permaneceram em silêncio por oito meses, mas voltou a tweetar propaganda contra Podemos em hashtags relacionadas com as eleições de 2015 na Espanha.
Bloomberg publicou uma característica em uma investigação de março de 2016 intitulada “Como cortar uma eleição” sobre o hacker colombiano Andrés Sepulveda, que trabalhou com uma equipe de hackers para manipular informações sobre as eleições na América Latina. Sepulveda está atualmente atendendo 10 anos de prisão por crimes como acesso abusivo a redes informáticas, violação de dados pessoais, espionagem e uso de software malicioso durante as eleições de 2014 na Colômbia.

Não é difícil adivinhar quem controla as contas automatizadas que suportam #TeamHDP. A contra-revolução algum dia terá que responder por tanto crime contra o povo venezuelano.


Autor: Manuel E. Yepe
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário