terça-feira, 4 de julho de 2017

GENERAL DA FORÇA AÉREA DOS EUA: “ESTADO ISLÂMICO É ESPETÁCULO”, A VERDADEIRA LUTA VEM DEPOIS


O general dos EUA diz que uma luta de “estado contra estado” está chegando.
O general de brigada Charles Corcoran, da Força Aérea dos EUA, está lutando contra o Estado Islâmico (ISIS), mas ele também acredita que a luta é um “espetáculo” para a verdadeira luta de “estado contra estado” que começará uma vez que o ISIS “vá embora”.

Military.com falou com Corcoran em sua sede nos Emirados Árabes Unidos; A parte mais interessante do relatório diz:
    Durante uma entrevista em seu escritório, Corcoran ressaltou: “Estamos aqui para lutar contra o ISIS”, mas também apontou para um mapa da Síria e do Iraque para delinear áreas como “vermelhas” ou controladas pelo Estado islâmico.
    “É bem claro que, em algum momento, o” vermelho “vai desaparecer”, disse ele, “e vamos ter forças de estado em estado”. “O ISIS é um espetáculo … mas o que acontece quando o [outro] dois se encontra? Estratégicamente, quando o ISIS desaparece, esse é o problema real”.
Esperemos que Corcoran esteja aqui em vez de falar sobre os planos reais dos EUA. A Força Aérea dos EUA é – junto com as forças especiais – tradicionalmente o mais louco de todos os ramos do Pentágono.

Há poucas guerras que a Força Aérea já viu e não gostou. Os generais da USAF – principalmente o chefe da Corcoran, o tenente general Jeffrey L. Harrigan – também provavelmente sabotaram deliberadamente o acordo de cessar-fogo de Kerry-Lavrov em setembro de 2016, organizando um ataque às tropas sírias na cidade do leste de Deir ez-Zor cercada e matando cerca de 100 deles.
Aviões F-15E Strike Eagles da Força Aérea dos EUA taxiam na pista depois de aterrissar na base aérea de Incirlik, na Turquia, em 12 de novembro de 2015. Seis F-15Es são implantados em apoio às missões da Operação Inherente Resolver contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria (ISIS). Foto tirada em 12 de novembro de 2015. REUTERS/USAF/Tech. Sargento. Taylor Worley/Folheto via Reuters.
Corcoran diz a Military.com que, quando os combatentes dos EUA derrubaram o avião sírio Su-22 e dois drones fornecidos pelos iranianos, em cada um dos três incidentes, a decisão de dar o tiro foi feita por pilotos no ar:
    Em cada um dos tiroteios, que envolveu aeronaves de outros locais, os pilotos dos EUA fizeram a chamada para disparar dentro dos parâmetros das regras de engajamento, disse Corcoran. Em todos os três casos, “aeronaves indefesas”, como aviões de abastecimento e aviões de transporte aéreo, deixaram o espaço aéreo por causa da incerteza sobre o que os sírios ou os russos fariam a seguir, disse ele.
Se isso significa alguma coisa é que a Força Aérea dos EUA e a Marinha prescreveram regras de compromisso muito permissivas para a Síria.
Corcoran comanda a 380th Air Expeditionary Wing que lida com operações de reconhecimento, controle aéreo e reabastecimento para forças da USAF dedicadas às operações dos EUA na Síria e no Iraque.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário