domingo, 13 de agosto de 2017

Clientes insatisfeitos de todo o mundo continuam rompendo contratos militares com Kiev


A Ucrânia está travando negociações sobre a venda de 100 tanques T-84 Oplot ao Paquistão, dado que nos últimos 25 anos os ucranianos já forneceram ao país asiático 320 tanques do mesmo tipo no valor de US$ 600 milhões. Kiev aparentemente está convencido do sucesso do contrato.
Tanque Oplot das Forças Armadas ucranianas (foto de arquivo)
Ademais, o consórcio Ukroboronprom promete aumentar a produção de tanques Oplot para seu próprio exército. Em julho, o presidente Poroshenko afirmou que o governo alocaria cerca de US$ 12 milhões para a compra de um número indeterminado de blindados.


O colunista da Sputnik Aleksandr Khrolenko analisa se tais volumes de produção correspondem às capacidades defensivas ucranianas, bem como ao nível de qualidade necessário para as exportações.

Em janeiro, o Ministério da Defesa tailandês rompeu o contrato com Kiev para a compra de 54 tanques Oplot (versão modernizada do T-80) por a parte ucraniana não ter cumprido suas obrigações contratuais. O contrato no valor de US$ 241 milhões fora assinado em setembro de 2011.

Ao longo de 5 anos, a Tailândia recebeu apenas 20 tanques. Na sequência, o ministro da Defesa tailandês, Prawit Wongsuwan, afirmou que os tanques ucranianos se tornaram no problema principal de rearmamento do exército do país, que já não pode ficar esperando e opta pelos blindados chineses VT-4.

Entretanto, os ucranianos colocam seu Oplot na mesma linha do blindado russo T-90A e do tanque americano M1 Abrams. E até tentam se comparar com o Armata russo. Claro que este é um enorme elogio (antecipado) tanto para Oplot como para a tecnologia de blindados ucraniana.
Mais cedo, a Lituânia também recusou os blindados ucranianos por estes não corresponderem aos padrões da OTAN. Embora os carros de combate ucranianos custassem 4 vezes menos, o Ministério da Defesa lituano decidiu optar por 88 tanques Boxer do consórcio holandês-alemão Artec.

"Devido à não observação dos prazos de fornecimento e defeitos de produção [fissuras no corpo] foi também rescindido um importante contrato de compra de 450 blindados [no valor de US$ 458 milhões] pelo Iraque. A parte ucraniana conseguiu produzir e fornecer apenas 88 veículos blindados, argumentando os atrasos por dificuldades objetivas", explica Khrolenko, ressaltando que, ao se deparar com a irresponsabilidade do fornecedor, o Iraque se apressou a recusar a compra dos equipamentos ucranianos.

A mesma situação aconteceu ao exército do Azerbaijão, que preferiu os tanques russos T-90MC. Mais cedo, a empresa militar turca Aselsan, que desenvolve o sistema ativo de proteção AKKOR, e o consórcio Ukroboronprom conduziram conversações sobre a modernização dos tanques ucranianos, mas não chegaram a assinar qualquer contrato.

Nos finais do século XX, a Ucrânia integrava os 20 maiores exportadores de armamentos, vendendo a herança soviética ao longo dos anos. Os blindados, as peças de artilharia e os aviões produzidos na URSS eram exportados para a China, Nigéria, Tailândia, Sudão e Etiópia. Mas o tempo não fez o jogo da Ucrânia, pois o arsenal soviético não era inesgotável.

Khrolenko assinala que, após o golpe de Estado em Kiev, a venda de armas foi encabeçada pelos "revolucionários", que estavam apenas interessados em obter lucros de modo rápido. Ademais, a situação se agravou por Kiev ter rompido a cooperação militar com Moscou. Hoje em dia, é impossível substituir todas as peças de produção russa no complexo militar ucraniano (cerca de 30 mil componentes), e "nem os EUA, nem a OTAN ajudariam [Kiev] nisso".

"Se examinarmos os exemplos de blindados 'genuinamente ucranianos' criados já fora da cooperação com a Rússia, dá vontade de rir e chorar ao mesmo tempo", ironiza o colunista.

Por exemplo, em março, as Forças Armadas da Ucrânia receberam o novo carro blindado Kozak-2 que o público logo chamou de "caixão com rodinhas".

Kiev, por sua vez, assegura que o veículo corresponde aos padrões da OTAN, é destinado ao apoio de fogo e transportação de efetivos, dado que é protegido das armas da infantaria ligeira e estilhaços de munições e minas.

"Ressaltemos que o Kozak ucraniano se baseia na plataforma italiana Iveco Eurocargo 4x4, enquanto sua parte blindada é de produção finlandesa (de 12 mm). O poder de ataque não impressiona muito, mas basta para fazer dispersar os cidadãos descontentes", escreve Khrolenko.

sputniknews

Nenhum comentário :

Postar um comentário