sexta-feira, 4 de agosto de 2017

NASA é desafiada novamente a provar que colocou o homem na Lua


O 50º aniversário dos primeiros passos de Neil Armstrong na superfície lunar ocorreu no mês passado, mas muitos teóricos da conspiração em todo o mundo continuam convencidos de que isso teria sido a maior farsa de todos os tempos.
Os teóricos da conspiração do pouso lunar falam que um presidente desesperado, John F Kennedy, que queria vencer os russos na corrida espacial à Lua, ordenou a produção de uma série de filmes em estúdios secretos para que parecesse que os astronautas da NASA chegaram à superfície lunar.
No coração da teoria estão afirmações de que o cinturão radioativo de Van Allen em torno da Terra teria sido letal para os astronautas, ao o atravessarem.

Um dos maiores teóricos da farsa da Lua é Marcus Allen, editor da revista bi-mensal de notícias alternativas, Nexus, que é vendida em cerca de 100 países.


Participando em um painel de palestrantes no 27º Simpósio Anual de Glastonbury, uma conferência anual dedicada às teorias paranormais, conspirativas, pensamento alternativo e filosofias da nova era, Allen disse:

Eu não acredito que o homem tenha pousado na Lua. Se a NASA ou qualquer outra pessoa pode provar isso, estou esperando para ouvir, porque não posso compreender isso.

É o 50º aniversário aparentemente, mas como eles fizeram isso?

Se fosse tão fácil na década de 1960, certamente poderiam fazê-lo agora, e assim poderia a Rússia, Japão, Índia, até a Coréia do Norte.

O Sr. Allen continuou a sugerir que a NASA já admitiu – de forma implícita – que não é realmente possível viajar pelo espaço além do cinturão de Van Allen.

Ele disse: ”

Não foi fácil, há tantas dificuldades a serem superadas.

A NASA admitiu isso desde então em poucas palavras. Se você lê a informação tecnológica da NASA, eles dizem que temos problemas reais, eles simplesmente não dizem que tiveram um problema naquele momento.

Nasa está planejando a enviar astronautas a Marte nos próximos 30 anos ou mais, mas o Sr. Allen descartou a proposta.

Ele disse:

Eles agora estão falando sobre ir para Marte. É ridículo porque qualquer um que tentasse voar para Marte morreria em três semanas.

O Sr. Allen deu muitas entrevistas de TV ao longo dos anos sobre os motivos de suas crenças.

Muitas vezes, ele disse que assistiu os pousos ao vivo na TV e queria acreditar que isso realmente aconteceu, mas, desde então, sugiram evidências que provaram que isso não aconteceu.

Ele, como muitos outros teóricos da farsa da Lua, diz que os foguetes foram lançados, mas nunca foram até a Lua.

Enquanto isso, eles afirmam que as fotos e os vídeos mostrados ao mundo foram pré-gravados em um estúdio secreto com uma superfície lunar simulada. Eles dizem que anomalias relacionadas à luz expõem que se tratavam de falsificações.

O principal argumento do senhor Allen é que o cinturão de Van Allen, que e altamente radioativo, matariam os astronautas, os quais não receberam trajes espaciais à prova de radioatividade para a missão.

O ambiente radioativo em torno da Terra está lá devido a partículas carregadas presas no campo magnético da Terra, o que impede que uma radiação mortal chegue ao solo.

Como não se dissipam no espaço, elas formaram duas “roscas” aninhadas ao nosso redor, que estão entre 1.000 e 5.900 quilômetros acima da Terra, e 14.900 e 19.900 quilômetros acima do planeta, respectivamente.

Como a Lua está a cerca de 380.000 quilômetros de nós, as missões Apollo tiveram que passar por isso, e os teóricos da conspiração afirmam que ainda não é possível hoje.

No entanto, os céticos dessa conspiração afirmam ter descartado todas as reivindicações dos que negam a ida do homem à Lua, inclusive as do cinturão de Van Allen.

A escritora de ciência Amy Shira Teitel investigou o assunto.

No site popsci.com ela escreveu:

Em fevereiro de 1964, a NASA estava confiante de que as tripulações da Apolo estariam passando pelos cinturões com rapidez suficiente para que a fuselagem da nave espacial e toda a instrumentação alinhadas nas paredes fossem proteção suficiente.

Para monitorar a exposição à radiação durante os vôos, as tripulações da Apolo transportaram dosímetros a bordo de suas naves espaciais e sobre suas pessoas. E essas leituras confirmaram que a NASA havia feito uma boa escolha. No final do programa, a agência determinou que seus astronautas haviam evitado as grandes doses de radiação que muitos temiam que iriam acabar com os vôos terrestres para a Lua.

No decorrer das missões lunares, os astronautas foram expostos a doses inferiores à média anual de cinco rem dos trabalhadores da Comissão de Energia Atômica que lidam regularmente com materiais radioativos.

A NASA não faz comentários sobre reivindicações específicas sobre este caso, mas anteriormente negou veementemente que qualquer uma das missões Apolo tenha sido falsificada e insiste em que chegamos à Lua.

(Fonte) | Ovnihoje.com

2 comentários :

  1. Ai, ai, quanta farsa. Kennedy jamais teria feito isso. Ele foi enganado. Foi assassinado no final de 1963, pelos banqueiros judeus. Esses foram os arquitetos de todas as farsas muito antes de JFK ter nascido. Até hoje os judeus difamam o ex-presidente e seu irmão, Bob Kennedy, e até os culpam pela morte de Marilyn Monroe, sendo que foram eles (os judeus) que mandaram a CIA elimina-la.

    ResponderExcluir
  2. verdadeira piada de mal gosto o homem ter pisado na lua, como pode aquele modulo lunar ter carregado 3 individuos mais um jipe, e combustivel para voltar como conseguiriam?
    Stanley Kubrick renomado diretor de cinema antes de sua morte confessou a farsa da lua, e atesta que tudo foi feito em estudio a pedido do atual presidente Richard Nixon.
    1 ano antes da "ida a lua" o diretor fez o filme "uma odisseia no espaco que fez brilhar os olhos do desesperado Nixon, afoito por superar urss.
    Tudo que a nasa nos doutrinou acerca da astronomia e uma pseudociencia farsa

    A TERRA E PLANA

    ResponderExcluir