terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Conheça a 'arma-bisturi russa', o temível projétil Krasnopol (FOTO)


Os projéteis de fragmentação de alto poder explosivo Krasnopol são capazes de destruir qualquer alvo ou equipamento militar com um único disparo.
Militares russos lançam fogo da peça de artilharia autopropulsada 2S5 Giatsint durante os exercícios (foto de arquivo)
Foi esta bomba inteligente que ajudou os militares russos a eliminar o grupo terrorista que atacou há pouco a base russa de Hmeymim na Síria.


Até recentemente, os militares russos utilizavam os bombardeiros da Força Aeroespacial e os mísseis de cruzeiro Kalibr para atacar alvos na Síria. Por isso, o uso do projétil de artilharia Krasnopol se tornou uma verdadeira surpresa, escreve o jornalista Dmitry Litovkin em seu artigo para o canal russo Zvezda.

Criado no século passado, o Krasnopol não parece um projétil comum, mas sim um míssil com um corpo alongado e vários estabilizadores. Seu calibre varia entre 152 e 155 milímetros e o alcance é de 20 quilômetros. Este projétil, cuja ogiva pesa 8 quilogramas, pode ser lançado tanto por antigos obuses D-20 como pelos modernos Msta-S e Koalitsiya-SV, de acordo com o artigo.
Além de ter uma carga altamente explosiva, o Krasnopol dispõe de um laser com a ajuda do qual um operador-apontador dirige o projétil ao seu alvo. O laser pode iluminar três alvos de cada vez, enquanto o número de lasers também pode ser maior, o que permite realizar um ataque maciço. Por essas razões se pode afirmar que o efeito do complexo Krasnopol é parecido com uma operação cirúrgica feita com um bisturi, opina o autor do artigo.
Projétil russo de alta precisão Krasnopol.
Projétil russo de alta precisão Krasnopol.

Litovkin sublinha que, para eliminar um posto de apoio, os soldados precisam de disparar 800 projéteis de artilharia comuns, enquanto, para cumprir a mesma tarefa com o Krasnopol, são precisos apenas 10 ou 12 projéteis.

Segundo vários especialistas, a ogiva do Krasnopol é capaz de destruir não apenas um automóvel civil, um posto de apoio ou um armazém, mas até um tanque.
Anteriormente, a Etiópia adquiria estas armas à Rússia. Os militares deste país foram os primeiros a relatar sua eficiência. Além disso, o projétil foi utilizado pelas tropas da OTAN no Afeganistão.
"Embora os militares ocidentais disponham do análogo norte-americano M982 Excalibur, preferiram utilizar o projétil russo. […] É provável que a nossa arma seja mais barata mas supere o M982 Excalibur em eficiência", opina Litovkin.
A operação na Síria mostrou que a Rússia tem não apenas bombardeiros e mísseis de cruzeiro, mas também armas de reação rápida, em particular, a bomba inteligente Krasnopol, que continua sendo modernizada, conclui o autor.

Nenhum comentário :

Postar um comentário