quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

GEOPOLÍTICA DO SÉCULO 21 DA ORDEM MUNDIAL MULTIPOLAR


O mundo está atualmente no meio de uma transição de época da unipolaridade para a multipolaridade que se espera que caracterize as décadas previsíveis do século 21, se não a sua totalidade. 
Existem múltiplas dimensões para este processo de mudança de paradigma, o que pode deixar os observadores completamente dominados ao tentar entender tudo e a maioria dos analistas tende a se concentrar apenas em um ou alguns fatores, deixando o resto da imagem maior. Isto não é através de uma falta deliberada própria, mas sim devido a sua especialização especializada em certos campos e os compromissos de tempo atendidos que isso geralmente implica, ambos os quais, em grande parte, os impedem de pesquisar outras tendências relacionadas e compreender um senso abrangente de tudo o que está acontecendo.


Leitura de fundo

O que é necessário neste momento crucial no tempo é uma revisão holística dos Assuntos Internacionais, como eles atualmente estão em pé e um modelo correspondente para prever sua evolução ao longo das múltiplas mudanças que estão ocorrendo simultaneamente em todo o mundo. O autor publicou vários trabalhos relevantes para a presente pesquisa e dos quais a maioria das próximas análises serão baseadas, de modo que todos serão enumerados abaixo para fornecer ao leitor os materiais de referência detalhados que ajudarão a entender tudo o mais que segue:
Globalização Regional / Rota da Seda

De modo sucinto, o mundo unipolar é caracterizado pela hegemonia predominante dos EUA em uma ampla variedade de esferas, seja exercida diretamente através de iniciativas unilaterais ou indiretamente (“Lead From Behind”) através de seus parceiros regionais e institucionais. As forças multipolar no mundo estão trabalhando para substituir a ordem internacional liderada pelos EUA com uma diversificada variedade de múltiplos atores, a fim de equilibrar os assuntos internacionais. Importante, eles procuram fazer isso através da reforma progressiva das instituições internacionais, como a ONU, FMI, Banco Mundial e outros, bem como criar seus próprios homólogos para alguns deles, como o BRICS New Development Bank ou formando organizações totalmente novas e sem precedentes como o SCO.

Uma das últimas propostas tem sido ampliar o formato BRICS através do que agora foi chamado de estratégia “BRICS-Plus”, que essencialmente procura que cada um dos cinco Estados membros encoraje a cooperação multilateral entre as respectivas organizações de integração regional. Como o especialista do clube russo Valdai, Yaroslav Lissovolik descreve, isso poderia ver o Mercosul, a SADC, a União Econômica Eurasiática, a SCO, a SAARC e a ASEAN cooperando entre si para mudar a ordem mundial. No espírito do discurso do presidente Xi no Fórum Econômico Mundial em Davos, em janeiro de 2017, e as etapas descritas na Declaração Xiamen BRICS de setembro de 2017, isso equivale essencialmente ao que os observadores podem descrever como “Globalização Regional” ou “Globalização da Estrada da Seda”.

Escudo de Defesa de Mísseis, Impulso Global e a Corrida Naval

Não basta, no entanto, apenas para reformar e substituir certas instituições, uma vez que a base subjacente do controle americano sobre o mundo é através de meios econômicos, tal como são aplicados pelos militares. Em certos casos, porém, os EUA não conseguem atacar diretamente seus rivais, como a Rússia e a China, sem sofrer danos inaceitáveis ​​por meio de um segundo ataque nuclear, por que Washington está empolgado para construir instalações anti-mísseis em toda a Eurásia, a fim de tocar nesses Grandes Poderes e diminuir a sua capacidade de dissuasão mais credível. Complementar com isso são as armas espaciais dos EUA, seja baseada neste teatro (X37-B e a política de “Prompt Global Strike“) ou direcionadas para ele (armas anti-satélites, sejam elas cinéticas, como mísseis ou lasers sem cinética).

Nem os escudos de mísseis dos EUA nem o seu armamento espacial são suficientes o suficiente para garantir que o país seja defendido de mísseis balísticos lançados por submarinos, que constituem um componente crucial da tríade nuclear de qualquer país. Isso explica por que existe uma corrida naval em curso em todo o mundo, uma vez que os EUA buscam garantir seu domínio no alto mar diante da crescente concorrência da Rússia, China e outros. O oceano global também é importante por outro motivo, e este se relaciona com a base econômica do domínio americano em todo o mundo. A China depende das vias navegáveis internacionais para a grande maioria do seu comércio, o que torna excessivamente vulnerável a qualquer esforço dos EUA para bloquear certos chokepoints como o Estreito de Malaca e o Canal de Suez.

Reorganização Global da OBOR

Compreendendo as súbitas conseqüências sistêmicas que qualquer ação hostil como essa poderia infligir para a estabilidade socioeconômica doméstica da China, a República Popular previu com prudência a necessidade de pioneirar as rotas comerciais transcontinentais ambiciosas para seu parceiro europeu crucial, bem como proteger as Linhas de Comunicação Marítimas (SLOC) ao longo de seus marítimos existentes, a fim de salvaguardar o seu acesso à economia crescente da África. Estes últimos são excepcionalmente importantes hoje em dia, porque o seu crescimento deverá permitir que Pequim alivie sua superprodução industrial, desde que consiga construir esses mercados e estabilizá-los. Quanto ao Hemisfério Ocidental, a China quer aumentar sua presença suave aqui como um meio de competir com os EUA e assimetricamente contra os movimentos da América no Mar da China Meridional.

No total, o estratagema acima explica a essência da visão global da China (Um Cinturão, Uma Estrada) One Belt One Road (OBOR) da nova conectividade da Rota da Seda, que é projetada para transformar as redes comerciais do mundo, de modo a facilitar a transição de uma ordem internacional unipolar norte-americana para uma ordem multipolar diversificada, protegida por uma série de Grandes Poderes. No entanto, isso também fornece o plano de como os EUA se oporão à maior ameaça até agora a sua hegemonia mundial, à medida em que tudo o que Washington tem a fazer é incentivar as guerras híbridas centradas na identidade nos estados de trânsito geoestratégico ao longo desses corredores, a fim de perturbar, controlar, ou influenciá-los de maneiras que eliminam o impacto multipolar da mudança de jogo.

Guerra Híbrida Arriscada

Para este fim, os EUA utilizam a guerra da informação e as ONGs para exacerbar as falhas já existentes dentro do país visado ou, por vezes, engenharias completamente novas, empregando seus parceiros regionais para canalizar armas e suporte material para o incipiente movimento anti-governo fora do interesse compartilhado que eles têm ao ver a citada iniciativa ter sucesso. Quer se trate de ajustes de regime (concessões políticas), mudança de regime (mudança de liderança) ou uma reinicialização do regime (reforma política-constitucional total), os EUA desejam um resultado que lhe dará a capacidade de interferir com as Novas Estradas de Seda que a China está construindo em todo o mundo.

Isso pode ser provocado por uma Revolução de Cores, uma Guerra Não Convencional ou uma transição faseada entre ambas, que podem acabar em uma intervenção militar multilateral direta como na Guerra da Líbia em 2011. Todos os países são vulneráveis ​​em princípio a essas táticas, mas o hemisfério oriental – especialmente os países não-ocidentais da Afro-Eurasia – são mais suscetíveis do que os ocidentais devido à sua demografia mais diversificada e à história relevante que faz seus potenciais campos de ação sócio-demográficos mais facilmente exploráveis. A fim de compreender o quão mundial de uma competição é isso, é necessário familiarizar-se com todos os existentes, planejados e futuros corredores de conectividade construídos na China, em todo o mundo.

Corredores de conectividade

Aqui estão três mapas que destacam as várias estradas da seda na Eurásia, África e América Latina:
  • Verde: Ponte terrestre Eurasiática
  • Castanho: Estrada da seda balcânica
  • Roxo: Estrada da seda asiática trans-central
  • Vermelho: CPEC
  • Azul: Corredor Econômico / Energético China-Myanmar (CMEC)
  • Laranja: Estrada da seda ASEAN
  • Pink: Projetos prospectivos / interligações
  • Corredor econômico do BCIM
  • China-Nepal-Bengala Ocidental
  • Médio Oriente-Europa
  • Via terrestre direta via “Curdistão”
  • Caminho marítimo para Latakia ou Beirute através de “Curdistão” e / ou desertos sunitas-xiitas
Linhas Vermelhas são anunciadas e / ou projetos construídos, enquanto as verdes são prospectivas. De norte a sul, as estradas de seda existentes ou planejadas são:
  • Estrada da Seda de Djibouti-Addis Abeba (Estrada da Seda da Etiópia)
  • LAPSSET Corredor Econômico
  • Ferrovia de calibre padrão
  • Corredor Central
  • TAZARA
  • Corredor de Nacala
  • Ferrovia Ponta Techobanine
Quanto aos projetos prospectivos, do Norte ao Sul, estes são:
  • Estrada de seda sahariana-saheliana
  • CCS Corredor (Camarões-Chade-Sudão)
  • Estradas de seda da Nigéria
  • Corredor Intermodal Cruz-Congo
  • Ferrovia Benguela / Nordeste Corredor para Angola
  • Corredor Walvis Bay
  • Corredor de Área de Comércio Livre Trino (África do Sul para o Sudão, seguindo o encanamento do Renascimento Africano entre Moçambique e África do Sul com interligações adicionais entre projetos existentes no norte)
Existem apenas duas Estradas de Seda de importância nas Américas, e são o Canal da Nicarágua e a Ferrovia Transoceânica (TORR) entre o Brasil e a Bolívia-Peru.

Estrangulando as Estradas da Seda

Os três mapas fornecidos acima são muito úteis para identificar os estados de trânsito mais geoestratégicos e as comunidades de identidade sub-estaduais ao longo das Estradas da Seda Nova, que, em conformidade, deverão se tornar os futuros campos de guerra da Guerra Híbrida. Assim é como se vê o mundo com apenas as entidades mencionadas destacadas:
Como pode ser visto, os estados que são mais vulneráveis ​​a guerras híbridas provocadas externamente a nível nacional são de leste a oeste:
  • Tailândia
  • Myanmar
  • Etiópia
  • Quênia
  • República da Macedónia
  • República Democrática do Congo (RDC)
  • Zâmbia
  • Nigéria
  • Bolívia
  • Nicarágua
Há também algumas questões transnacionais sub-estatais que podem ser agravadas por forças externas para perturbar o trânsito da Nova Estrada da Seda através de vários estados geoestratégicos e de leste a oeste são:
  • “Grande Nepal” (como manifestado por Gorkhaland na Índia, mas contrabalançado pela Índia no Nepal através do Terai)
  • Vale Fergana
  • Terrorismo transfronteiriço de origem afegã
  • Balochistão
  • “Curdistão”
  • O sectarismo sunita-xiita em todo o deserto “Syraq”
  • Bósnia (envolvendo diretamente os interesses sérvios e croatas, mas indiretamente afetando todos os Balcãs)
A tendência predominante é que o “Grande Coração” da Eurásia – Médio Oriente, Ásia Central e Ásia do Sul – é mais diretamente ameaçado por ameaças subentendidas transnacionais latentes, enquanto o resto dos estados de trânsito em todo o mundo correm maior risco de ameaças estritamente internas, como as expostas nos textos citados anteriormente pelo autor, no início desta análise. A maneira mais fácil de catalisar esses cenários de conflito é explorar o “Choque das Civilizações”, que é, por si só, um plano americano para dividir e governar o Hemisfério Oriental.
Em meio a inúmeros perigos para os planos chineses da Estrada da Seda, uma característica proeminente destaca-se, e é que a Ponte terrestre Eurosiática entre a China-Cazaquistão-Rússia é o mais seguro de todos os corredores. Como tal, isso torna absolutamente vital para o futuro da Ordem Mundial Multipolar e dota seus dois principais estados de trânsito com uma significância estratégica incomparável. Embora a Rússia e o Cazaquistão sejam alvo de seus próprios modos, sua composição interna e sua localização geográfica os isolam das “guerras híbridas” padrão que se espera que se espalhem por todo o mundo.

Segurança Democrática

O melhor caminho para a emergência do Plano Mundial Multipolar para enfrentar essas miríades de ameaças à Guerra Híbrida é através de medidas pró-ativas no fortalecimento de sua Segurança Democrática individual e coletiva. Este conceito foi introduzido pelo autor e elaborado em algumas propostas analíticas publicadas nos últimos dois anos:
A idéia geral é que os estados precisam implementar uma abordagem holística da segurança que envolve não apenas medidas militares convencionais, mas também econômicas, informativas e mesmo ideológicas (diretamente proclamadas ou não). A cooperação internacional através de instituições multipolar, como o BRICS, o SCO, e até mesmo em grande medida a maior parte do G20, permitiria um tremendo progresso nessas frentes. No entanto, deve ser tomado um cuidado intenso para garantir que qualquer integração institucional que se realize em nome da Segurança Democrática não seja feita com a despesa de “soma zero” percebida de qualquer outro estado, inclusive se alguns dos participantes que possam se preocupar com eles não estão sendo tratados como parceiros iguais neste processo.

Tendências gerais

Fazendo um inventário dos processos globais e contando com a informação detalhada contida em todos os materiais citados anteriormente, é possível identificar um punhado de tendências gerais em cada um dos três teatros da Estrada da Seda (Eurasia, África e América Latina) descritos no seção anterior. Antes de fazer isso, o autor sugere que o leitor aproveite o tempo para rever duas de suas obras anteriores:
Os materiais referenciados contêm detalhes mais aprofundados do que o que a análise atual explica, embora os seguintes ainda chamem a atenção para as tendências mais impactantes em curso em todo o mundo:
Eurásia:
  • Interferência indiana:
O BRICS original e o recém-inaugurado membro da SCO, Índia, foram preparados para se tornar o “contrapeso” preferido do mundo unipolar para a China, incapaz de desafiá-lo fisicamente individualmente, mas capaz de criar problemas suficientes no futuro para as Novas Estradas de Seda e os processos de integração multipolar em geral que Pequim é forçado a responder de uma forma ou de outra.
  • Ato de Equilibrio Euroasiático da Rússia:
O autor solicita que o leitor verifique suas duas peças sobre como “o Ato de equilíbrio diplomático da Rússia na Ásia é para o benefício de seu aliado chinês” e “Os progressistas da política externa da Rússia enfrentaram os tradicionalistas”, mas a idéia principal que eles têm em comum é que o papel geoestratégico previsto no século XXI da Rússia é se tornar a suprema força de equilíbrio no supercontinente euro-asiático, e está conquistando uma variedade de parcerias “não tradicionais” em todo o hemisfério para esse fim. * Integração acelerada da ASEAN: a Associação das Nações do Sudeste Asiático continuará a aprofundar a cooperação multilateral dos seus Estados membros na Comunidade Económica da ASEAN (AEC) e a coordenação trilateral militar / antiterrorista entre Filipinas, Malásia e Indonésia, apenas com ameaças sistêmicas reais para a coesão que vem do que mais uma vez poderia ser o “estado paria” de “guerra civil” de Mianmar e uma possível insurgência pró-americana “Camisa Vermelha” na Tailândia.
  • O Oriente Médio Sob Nova Administração:
A cooperação do Grande Poder trino entre a Rússia, o Irã e a Turquia está mudando o Oriente Médio, assim como a aproximação da Rússia com a Arábia Saudita e seus excelentes laços com “Israel” estão fazendo também, mas há uma chance de que o aumento do “Curdistão” e a potencial dissolução do Iraque poderia resolver tudo isso e lançar a região em tal caos que a antiga ordem Sykes-Picot seja completamente revisada.
  • A UE entre Ditadura e Descentralização:
Como escreveu o autor no verão de 2016, em um artigo intitulado “Pós-Brexit UE: entre desagregação regional e Ditadura completa”, a UE centralizará em uma ditadura completa ou descentralizada em uma coleção de blocos regionais (um importante do que está para ser liderado pela Polônia), mas de qualquer forma, não parece que será sempre o mesmo novamente, uma vez que luta para se adaptar à realidade pós-Brexit.
África:
  • Ascensão dos Blocos Regionais:
Várias organizações como a CEDEAO, a SADC, a IGAD e a EAC (que está no processo de federalização em um futuro próximo) estão consolidando suas capacidades e integrando suas instituições constantemente, o que permite falar sobre uma “Continental” Regionalismo “que ocorre na África, pelo qual a União Africana é fortalecida pelo crescimento desses blocos regionais em todo o território.
  • Reversão Costeira:
Em vez das costas do Norte ou do Oeste de África que lideraram o continente em desenvolvimentos geopolíticos e crescimento econômico como no passado, o futuro verá a Costa Oriental se tornar o centro de foco devido ao aumento da rivalidade China-Índia sobre esses estados adjacentes ao Oceano Índico e a integração Norte-Sul entre eles como resultado da Área Tripartida de Livre Comércio de 2016.
  • Triângulo da desestabilização:
A Nigéria na África Ocidental, a Etiópia na sua metade oriental e a RDC (Congo) em seu coração central estão prestes a sofrer um conflito de guerra híbrido significativo no futuro próximo, sendo o pior caso que este Triângulo da Desestabilização criaria um buraco negro do caos no espaço entre eles, o que conseqüentemente impede a integração trans-continental (bicoastal) da Estrada da Seda e compensa o “Sonho Africano”.

América latina:
  • Operação Condor 2.0:
Isso foi abordado pelo autor em múltiplas análises e vem sendo lançado desde 2009, com o conceito de que os EUA retrabalharam seu antigo conjunto de ferramentas de mudança de regime da era da Guerra Fria na América Latina para provocar a queda da ALBA e Mercosul na Nova Guerra Fria.
  • Aliança do Pacífico + Mercosul = Área de Livre Comércio das Américas (ALCA):
A motivação para a Operação Condor 2.0 é que os EUA querem ver a integração dos blocos comerciais comerciais da Aliança do Pacífico e do Mercosul em uma estrutura econômica unificada que, em seguida, possa constituir a base da sua Área de Livre Comércio das Américas desejada.

Fortaleza América:

O grande objetivo estratégico que os EUA estão buscando na América Latina é fortalecer a massa terrestre sob seu domínio unipolar completo, a fim de criar um “reduto” hemisférico para se “retirar” (seja por derrota ou como retirada tática) se os seus planos de armas de “Choque das Civilizações” e as guerras híbridas relacionadas com as faíscas conseguissem semear o caos incontrolável do outro lado do mundo.

Pensamentos finais

A ordem mundial inteira está passando por uma revisão fundamental à medida que as grandes potências alinhadas de modo multipolar cooperam na reforma dos sistemas econômicos, financeiros e políticos globais, mas isso está esperando a grande fricção com os EUA unipolares que não querem perder sua hegemonia sobre os Assuntos Internacionais. Os EUA não querem ser “um entre iguais” em um “Concerto de Grandes Poderes” do século XXI, como o modelo para o qual os estados multipolares estão em progressão progressiva (o que, de forma importante, mantém elementos-chave da ordem mundial existente em relação a instituições internacionais como a ONU, o Banco Mundial e o FMI, et al.), mas deseja manter seu controle sobre o poder de ser o tomador de decisão mais importante do mundo.
Aqui está uma quebra dos três imperativos interconectados mais significativos dos grandes poderes multipolares, os EUA unipolares e seus aliados “Governados por Trás”, e os estados de pequeno e médio porte (SMS) entre eles na Nova Guerra Fria:
Estados multipolares:
  • Confie nos BRICS (e em menor medida, no G20) para impulsionar a reforma institucional econômica e financeira;
  • Use o SCO como plataforma central para integrar medidas de segurança duras, suaves e democráticas;
  • e construir as Novas Estradas de seda como um meio de reformular, religar e redirecionar as rotas comerciais globais para sustentar a Ordem Mundial Multipolar.
Estados Unipolares:
  • Promover o “choque de civilizações” como o modelo mais eficiente para dividir e governar o hemisfério oriental;
  • Ofensivas da guerra híbrida empreendida contra estados-chave de trânsito;
  • e os EUA manter bases operacionais para a frente na África do Sul para controlar os recursos e os corredores de conectividade seguindo as Guerras híbridas, ao mesmo tempo em que trabalham para reforçar a Fortaleza América para ter um “reduto” impenetrável para se retirar para contingências imprevistas quando surgir.
Pequenos e Médios Estados (SMS):
  • Envolver-se em um cuidadoso equilíbrio multi-escalonado tanto entre e dentro dos blocos multipolar e unipolar;
  • Considerar se eles preferem desempenhar o papel de “ofensa” em ser uma plataforma de lançamento para a campanha do bloco unipolar contra a multipolaridade, ou “defesa” na integração dentro de uma ordem mundial reformada;
  • e evitar “equilibrar” de forma ambiciosa até o ponto em que cria mais confusão e adversários do que vale, pois isso poderia acabar sendo contraproducente para o próprio estado e qualquer bloco em que se aborde mais próximo.

No total, a geopolítica do século XXI da Ordem Mundial Multipolar será marcada por guerras híbridas provocadas externamente pelos mais importantes corredores da Nova Rota da Seda e os estados de pequeno e médio porte na Afro-Eurasia (e em menor grau, partes da América Latina) que são capturados entre os dois blocos servirão como campos de batalha do futuro, com alguns poucos convertendo-se provavelmente em cenários ​​perigosos semelhante ao que foi na Siria com diplomacia arricada de Grande Poder.


Autor: Andrew Korybko
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com



Nenhum comentário :

Postar um comentário