domingo, 15 de abril de 2018

3 Sinais De Que A Ucrânia Está se Preparando para A Guerra no Donbass


Por Eduard Popov, traduzido por Jafe Arnold -

Para o bem ou para o mal, a situação em Donbass nos últimos dias não viu mudanças revolucionárias. No entanto, algumas tendências muito importantes foram observadas, o que pode levar a uma situação fundamentalmente nova.
Resultado de imagem para exercito ucraniano
1. Kiev prepara novos ataques terroristas contra o Donbass

Em 13 de abril, o serviço de imprensa do Ministério da Segurança do Estado da Lugansk (MGB) publicou um relatório expondo os preparativos dos sabotadores de Kiev para assassinarem os chefes do LPR e do DPR. 


De acordo com o ministério, perto da aldeia de Novopetrovka no distrito Berdyansky da região de Zaporozhye, foi estabelecida uma base exclusiva para treinar esquadrões terroristas sabotadores. Sabotadores estão sendo treinados em explosivos e operações de franco-atiradores sob o comando de, segundo o relatório, “um cidadão da Geórgia, Maruashvili, que participou do combate na Ossétia do Sul em 2008.” O relatório continua: “As tarefas desses grupos de sabotagem terroristas é a realização de ataques terroristas no território do DPR e LPR e a eliminação de representantes de sua liderança. ”

Há muito tempo, Kiev vem perseguindo uma política de terrorismo em massa contra a população das repúblicas do Donbass, além do terror dirigido contra os líderes militares da DPR e da LPR. Naturalmente, tudo isso viola os Acordos de Minsk que garantem a anistia aos participantes em processos sociopolíticos no Donbass.

Nas últimas semanas, as operações terroristas de Kiev aumentaram drasticamente. Por exemplo, guardas de fronteira ucranianos levaram dois navios civis russos como reféns. Esses e outros incidentes são tentativas de provocar a Rússia. Poroshenko está aproveitando a imersão da Rússia no conflito sírio para resolver seus próprios problemas internos. E ele conseguiu, na medida em que Moscou ainda está apenas reagindo às provocações de Kiev no nível das declarações. A tática de Moscou é não sucumbir a provocações, mas isso tem falhas cruciais e leva apenas ao aumento da agressividade na retórica e nas ações da parte de Kiev, que é coberta pelo apoio do Ocidente.

Em uma recente entrevista à mídia russa, expressei minha opinião de que as repúblicas do Donbass e da Rússia precisam reagir a violações claras dos Acordos de Minsk, ameaçando Kiev com “conseqüências políticas” quando as vidas e a saúde dos líderes do DPR e LPR estiverem ameaçadas. Apenas o que tais "consequências políticas" poderiam ser é uma questão em aberto.

2. Kiev alega que a Rússia está se preparando para invadir a Ucrânia

O notório Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) acusou Moscou de pretender enviar tropas para o Donbass. O vice-chefe da SBU, Viktor Kononenko, afirmou que a Rússia enviará tropas no outono, alegando que as autoridades russas ordenarão unidades do exército na Ucrânia após algum tipo de provocação contra a população de língua russa do leste da Ucrânia. A mídia ucraniana “patriótica” está espalhando rumores de que Moscou usará “tias” ( titushki - um novo eufemismo ucraniano referente a esportistas contratados para dispersar comícios, um sinônimo de hooligans mercenários inescrupulosos) para atacar ações em massa em defesa da língua russa na Ucrânia.

O jornal Korrespondent informou que tais ações de protesto em massa contra violações da língua russa no sistema educacional ucraniano e comunicação em massa realmente serão realizadas. Em vários artigos para o Fort Russ, analisamos profundamente a lei em questão adotada pela Verkhovna Rada em 5 de setembro de 2017, que basicamente proíbe o uso de qualquer idioma contra o ucraniano. Essa lei já provocou duras disputas diplomáticas com a Hungria, Romênia, Polônia, Bulgária e Grécia. Embora esses países tenham demonstrado sua indignação com a violação dos direitos de suas minorias nacionais na Ucrânia, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia demonstrou sua habitual passividade. A realidade da Ucrânia contemporânea é tal que a Rússia não tem absolutamente nenhuma chance de envolvimento em assuntos sociais, que são rigidamente controlados pela SBU. A contratação de “tias” está provavelmente sendo organizada pela própria SBU para enquadrar e depois acusar a Rússia. Esse algoritmo é bem conhecido, já que os ataques nazistas ucranianos a missões diplomáticas húngaras e polonesas (bem como em memoriais poloneses) têm sido habitualmente retratados como operações do FSB, assim como todos os conflitos da Ucrânia com seus vizinhos europeus são apresentados como maquinações russas. Esta é uma tática eficaz, mas uma tática destrutiva que acabará voltando para atacar a própria Ucrânia, que não está nem tentando se comprometer com a Hungria, Polônia e Romênia, que têm alguns direitos históricos a territórios “ucranianos”, sem mencionar a Rússia. 

A passividade do Ministério das Relações Exteriores russo garante que a Rússia nunca iniciará uma guerra com a Ucrânia pela violação dos direitos dos russos. No entanto, isso serve como uma ferramenta de propaganda conveniente para as autoridades de Kiev, que então têm liberdade de ação na esfera humanitária e para preparar cabeças de ponte diplomáticas antes de qualquer ofensiva “eventual”.  do exército russo. Um pouco ironicamente, portanto, a Ucrânia está usando tanto as alegações de agressão russa ativa quanto a realidade da passividade russa como uma ferramenta para estabelecer melhores pré-condições diplomáticas para a guerra.  

3. Preparativos propagandísticos e militares da Ucrânia para a guerra com a Rússia

Ao mesmo tempo, a mídia ucraniana está desencadeando alegações de que a Rússia concentrou tropas ao longo das fronteiras da Ucrânia (ao longo das fronteiras com a DPR e a LPR). O secretário do Conselho de Segurança Nacional da Ucrânia, Turchynov (que iniciou a guerra em Donbass), afirma que 260 mil soldados russos e mil veículos militares foram reunidos na fronteira da Ucrânia. Como o pastor batista Turchynov imagina que tal exército acumulado é impossível de acontecer, uma vez que a concentração de um grupo militar muito mais modesto (digamos, uma ou duas divisões) na fronteira seria imediatamente visível através das redes sociais como qualquer um com uma câmera poderia filmar essas enormes colunas do exército. Além disso, eles estariam na região vizinha de Rostov, em cuja capital, Rostov-on-Don, na qual eu moro, não há o menor sentido de preparação para a guerra - isto é, pela Rússia.

Por que essas falsificações estão circulando? 

Provavelmente, a fim de mais uma vez evocar a linha mítica "ameaça russa" para encobrir os próprios preparativos militares da Ucrânia. De acordo com relatos do canal Telegram WarGonzo, o exército ucraniano foi recentemente movendo tropas através do rio Donets Seversky em posições, não muito longe da fronteira da República Popular de Lugansk. Há mais do que algumas teorias sugerindo que a Ucrânia está se preparando para lançar uma ofensiva nesta região após o levantamento oficial da Operação Anti-Terrorista.

Tanto no DPR, LPR, e Duma de Estado da Rússia, foram ouvidos avisos sobre uma blitzkrieg ucraniana em Donbass para acontecer nesta primavera. De acordo com Sergei Zheleznyak, membro do Comitê de Assuntos Internacionais da Duma, as autoridades ucranianas vão lançar operações militares em grande escala contra o Donbass em maio. No momento, acho difícil comentar essas previsões, e espero relatórios atualizados do Donbass que, como de costume, compartilharei com os leitores do Fort Russ. De qualquer forma, essas tendências das últimas semanas são motivo de crescente alarme.

Uma série de outros desenvolvimentos significativos, como a chocante mensagem de Poroshenko para Vladimir Putin e os russos, e os processos socioeconômicos em curso na República Popular de Lugansk, serão considerados nos próximos artigos.

fort-russ

Nenhum comentário :

Postar um comentário