quarta-feira, 25 de abril de 2018

CONTRA-HEGEMONIA COMO UMA GRANDE ESTRATÉGIA PARA A EURÁSIA.


Uma estratégia de ação adequada e atraente para a Rússia no espaço eurasiano em um contexto global deve ser vista exclusivamente como um projeto de contra-hegemonia.

Para usar a terminologia de Antonio Gramsci, existe um pacto histórico entre o capitalismo burguês, que é agora representado na forma de uma aliança entre corporações transnacionais, o establishment político e o bloco de poder dos países ocidentais (e seus satélites) e o sociedade civil desses estados. Os outros estados e povos, que não estão integrados neste sistema, representam vários sistemas.


O primeiro deles é o cesarismo. Neste caso, as elites políticas tentam resistir à pressão do lado da hegemonia global, mas devem respeitar tanto as opiniões da classe média (que freqüentemente é objeto de manipulação externa) quanto a situação internacional. As tentativas de garantir e fortalecer a própria soberania nacional colidem com todos os tipos de desafios, em consequência dos quais as elites nacionais devem fazer concessões à situação atual e tomar medidas predefinidas contra as forças hegemônicas (não necessariamente abertamente). Tal processo é chamado de transformismo por Gramsci. O rótulo de “jovens democracias” para as sociedades dos países da Europa Oriental e “economias em transição” para o espaço pós-soviético é um exemplo claro de transição cesárea para o transformismo.

No caso da Europa Oriental, na maioria dos casos, a hegemonia se adaptou com sucesso e realizou seu plano de ligar os estados ao seu sistema. A situação é menos clara nos países pós-soviéticos e nas elites políticas até hoje: o equilíbrio entre o transformismo e o cesarismo. Neste último caso, os líderes e as pessoas que os rodeiam são acusados ​​de autoritarismo, domínio ditatorial e violação das normas democráticas e dos direitos humanos; este é um instrumento diplomático de pressão para empurrar o regime para o transformismo e para uma maior integração pela hegemonia ocidental.

A teoria do Neo-Marxista Immanuel Wallerstein de análise do sistema-mundo através do núcleo de divisão, semi-periferia e periferia é também uma parte dessa estrutura, assim como a divisão artificial do mundo com base em princípios político-econômicos. no primeiro, segundo e terceiro mundos. Neste caso, Wallerstein consigna a Rússia à semiperiferia, o que significa que ele a leva para o centro (hegemonia); É por isso que, levando em conta várias dependências e decisões nos últimos anos, podemos chegar à conclusão de que um ato de equilíbrio entre o cesarismo e o transformismo está ocorrendo na Rússia, o que só pode ser motivo de preocupação.

Se fizermos uma breve análise das dependências da Rússia, que podem ser fraquezas ao mesmo tempo, veremos que a soberania da Rússia não é total ou limitada nas seguintes esferas:

– finanças (o dólar como moeda de reserva mundial, controle sobre transferências bancárias);
– a formação de preços sobre os recursos energéticos e vários outros recursos e produtos (através dos mercados bolsistas de Nova Iorque, Londres e outras cidades);
– cultura (a exibição de produções de Hollywood);
– educação (o sistema de Bolonha);
– ciência (o índice de citação da Califórnia, o sistema de subsídios);
– tecnologia (o uso de software e sistemas técnicos ocidentais).
Além disso, existem sinais implícitos de fraqueza em nosso sistema de defesa, por exemplo, na dependência da base de componentes dos sistemas de armas russos.

É muito importante notar que William Robinson apontou “quatro tipos de hegemonia no contexto da evolução histórica e do sistema capitalista global: 1) a hegemonia como dominação internacional, que está ligada à escola realista; 2) afirmar a hegemonia, que está relacionada às relações internacionais e ao poder dos estados centrais; 3) hegemonia como competição entre blocos históricos numa certa ordem política (uma especialidade da estrutura social de acumulação); 4) dominância consensual ou hegemonia ideológica [Robinson, William I. Gramsci e Globalização: Do ​​Estado-nação à hegemonia transnacional // Revisão Crítica da Filosofia Social e Política Internacional 8, no. 4, 2005, P. 1-16].

É claro que certos estados estão tentando misturar todos os quatro tipos, o que lhes permitiria alcançar o status de hegemonia incondicional. Assim, os EUA estão se adaptando à escola realista das relações internacionais (ao invés da escola liberal); eles jogam suas políticas através de estruturas internacionais (o FMI, Banco Mundial, ONU) e alianças (OTAN, UE, a Parceria Transatlântica); eles continuam enfatizando sua liderança global e usam força ideológica (declarações sobre a atratividade do modelo democrático, o uso de estruturas que formam a ordem global do dia, como a Comissão Trilateral, o Clube Bilderberg, etc).

Robert Cox sugeriu uma concepção de contra-hegemonia, tendo provado que “nas condições de globalização é necessário colocar a questão da contra-hegemonia globalmente também, como a hegemonia burguesa-liberal, ao realizar o transformismo, romperá o cesarismo mais cedo ou mais tarde” [Дугин А.Г. Контргегемония. // :евиафан: Контргегемония и евроцентризм (вып. 5) .— М .: Евразийское Движение, 2013. С. 12].

A contra-hegemonia toma forma principalmente na esfera social. “Da posição de controle global, a contra-hegemonia está ligada àquelas potências que tentam impedir a formação de um regime específico que diminui e destrói as formas heterodoxas da ordem socioeconômica e se baseia em uma fundação tradicional” [ Савин Л.В. О некоторых аспектах контргегемонии. // :евиафан: Контргегемония и евроцентризм (вып. 5) .— М .: Евразийское Движение, 2013. С. 80].

É claro que nas condições do surgimento de novos estados emergentes, o renascimento do poder da Rússia e os sintomas da crise do sistema capitalista liberal (a partir da crise financeira de 2008 e terminando com a perturbação do consenso entre os países). elites políticas dos países ocidentais e seus povos), todos os pré-requisitos estão aqui para a criação de uma plataforma estável de contra-hegemonia, sob os auspícios da Grande Estratégia para a Eurásia, através da integração geopolítica, o fortalecimento das normas culturais-ideológicas e valores, a criação de cintos de segurança interligados, mas também através da luta contra a corrupção, a remoção de barreiras para a escalada social e o aumento da qualidade de vida dos cidadãos.

Teses de um relatório, apresentado na conferência “Great Eurasia 2030: analytics of development, security and cooperation”, Moscou, 29.11.2017.

Autor: Leonid Savin
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com


Nenhum comentário :

Postar um comentário