segunda-feira, 14 de maio de 2018

A PONTE MULTI-MILIONÁRIA DA CRIMEIA ESTÁ SE TORNANDO OUTRO PONTO DE PARTIDA?


Kiev provocou uma crise ao confiscar embarcações russas no Estreito de Kerch; As autoridades ucranianas foram solicitadas a recuar antes que a situação se deteriorasse ainda mais. O Estreito de Kerch conecta o Mar Negro e o Mar de Azov, e a Rússia à Crimeia.

A construção de uma ponte da Rússia para a península através do Estreito foi iniciada depois que os Crimeanos votaram esmagadoramente em 2014 para voltar à Rússia. O presidente russo, Vladimir Putin, expressou a esperança de que a ponte esteja pronta até o verão de 2018.


A Rússia acusou a Ucrânia de pirataria, depois que o movimento da Ucrânia no Mar de Azov corre o risco de se tornar o próximo ponto de fulgor na guerra da Ucrânia.

Em 25 de março, a Ucrânia deteve a embarcação de pesca de bandeira russa Nord, que supostamente operava em águas ucranianas, no Mar de Azov. Registrado na Criméia, o navio e seus dez tripulantes foram escoltados até o porto de Berdiansk e atualmente aguardam julgamento na Ucrânia.

Em 10 de abril, autoridades ucranianas prenderam outra embarcação russa, um navio de draga, atracado temporariamente no porto de Yuzhny, região de Odessa, por supostamente realizar obras ilegais de extração de areia na Crimeia ocupada, informou a agência de notícias russa TASS no mês passado.

A Ucrânia expressou o desejo de policiar o estreito, e as autoridades ucranianas estão preparando “escoltas de escolta” para limitar o tráfego de água russo. Em uma entrevista no Observer com o ex-vice-ministro da Defesa da Ucrânia, o almirante da reserva Igor Kabanenko explicou a posição da Ucrânia.

Segundo ele, Kiev está preparando comboios militares para escoltar os navios que passam pelo Estreito de Kerch.

“Devemos nos preparar para vários cenários negativos até bloquearmos a passagem de navios pelo Estreito de Kerch para Mariupol e Berdyansk, mas não podemos precisar de comboios militares, mas sob certas condições essa pode ser a única maneira de garantir a segurança de todos no entroncamento dos dois mares”, disse Kabanenko.

Neste caso, disse o almirante, “qualquer medida para deter ou inspecionar navios de comboios será qualificada como um ataque a um comboio militar, isto é, um ato de agressão, com os correspondentes direitos e deveres dos navios de guerra de repeli-lo”.

Como medida de “dissuasão”, o almirante propunha patrulhas militares no mar. No entanto, Kabanenko disse que os barcos de patrulha dos EUA “que garantem as capacidades da Marinha Ucraniana” ainda não foram entregues à Ucrânia.

Mais cedo, o deputado ucraniano Refat Chubarov propôs a criação de um consórcio internacional que administrará a ponte da Criméia “depois de sua alienação” da Rússia.

O ministro da Infraestrutura da Ucrânia, Volodymyr Omelian, disse à RFE / RL que o Ministério da Infraestrutura e o Ministério da Justiça estão preparando ações contra a Rússia pela “construção ilegal” da ponte a ser apresentada aos tribunais internacionais.

Construção da ponte da Criméia, Kremlin.ru Clique na imagem para ampliar 

“Estamos perdendo muito dinheiro por causa dos parâmetros limitados dos navios, que agora não podem passar sob os arcos da ponte. As estimativas são modestas até agora – dezenas de milhões de hryvnias – mas acho que as perdas são muito maiores, já que estamos perdendo empregos”, reclamou Omelian.

Mas a Construction.ru foi assegurada pela assessoria de imprensa da Agência Federal de Transporte Marítimo e Fluvial da Rússia, que as limitações eram para garantir a segurança da navegação.

A ponte também criou uma nova controvérsia na Holanda, onde sete empresas holandesas e seus diretores, trabalhando na construção que liga a Rússia à Crimeia, foram acusadas criminalmente na sexta-feira por supostamente violar as sanções da União Européia contra Moscow.

NU.nl informou que as empresas pensaram que poderiam contornar as sanções da União Europeia, trabalhando apenas no lado russo da fronteira. Mas os promotores holandeses discordaram. “Esta é uma ofensa grave, minando o regime de sanções da UE”, disseram os promotores em um comunicado.

Indivíduos que violaram as sanções podem ser sentenciados a até seis anos de prisão ou multa máxima de 82 mil euros, disse uma porta-voz do Ministério Público. As empresas enfrentam até multas mais duras, até 820 mil euros.

Os promotores não identificaram as empresas envolvidas, mas disseram que as transações sob investigação ocorreram entre novembro de 2015 e a última parte de 2017. A porta-voz se recusou a dar mais detalhes.





As empresas envolvidas supostamente forneceram máquinas, peças de máquinas e outros serviços para a construção da ponte de 19 quilômetros, informou o escritório do promotor holandês. As sanções da UE afirmam que as empresas europeias não estão autorizadas a importar mercadorias da Crimeia e não podem investir lá, entre outras coisas.

Empresas de Milsbeek e Dodewaard estão implicadas em violar as sanções contra a Rússia. De Gelderlander informou que os funcionários da empresa Milsbeek estavam atualmente na Rússia para a construção da ponte.

Sem a ponte, não havia conexão direta da Rússia com a Crimeia. A ponte será aberta no próximo final de semana.

Enquanto isso, serviços especiais russos foram instalados nas águas e no espaço aéreo do estreito para evitar possíveis provocações por parte de islamitas e serviços especiais ucranianos, disse Alexander Bortnikov, chefe do Comitê Nacional Anti-Terrorismo e diretor do Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB) em um comunicado.

“A mão-de-obra e os recursos foram preparados para ações coordenadas em caso de ameaças terroristas contra instalações erguidas”, disse Bortnikov ao Comitê Nacional Antiterrorismo da Rússia.

Como EADaily relatou anteriormente, em 7 de abril, uma Organização do Movimento Voluntário Ucraniano, OUN, anunciou ataques terroristas cronometrados para a abertura da Ponte da Crimeia.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com




Nenhum comentário :

Postar um comentário