segunda-feira, 14 de maio de 2018

MUNDO REAGE AO 'TERRÍVEL MASSACRE' EM GAZA, ONDE ISRAEL MATA 52 E FERE 2.410 MANIFESTANTES PALESTINOS


Em 14 de maio, pelo menos 52 manifestantes palestinos foram mortos e mais de 2.410 foram feridos pelas forças israelenses durante os protestos em torno da chamada barreira de segurança na Faixa de Gaza. 
Mundo reage ao 'terrível massacre' em Gaza, onde Israel mata 52 e fere 2.410 manifestantes palestinos
As manifestações aconteceram em meio à inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém, que ocorreu no mesmo dia. O governo palestino descreveu a violência como um "massacre terrível" perpetrado "pelas forças da ocupação israelense".


A decisão de Washington de mudar sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém desencadeou uma série de protestos em massa, dos quais o mais recente começou antes da cerimônia. O presidente dos EUA, Donald Trump, reconheceu oficialmente Jerusalém como a capital de Israel em 6 de abril de 2017.


Durante a cerimônia de posse da embaixada, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, agradeceu Trump por “ter a coragem de cumprir suas promessas”.

Jared Kushner, genro e assessor de Trump, representou a administração dos EUA na cerimônia e ressaltou a importância desse movimento:

"Os Estados Unidos estão com Israel porque acreditamos, sabemos, que é a coisa certa a fazer."

Mais tarde, Netanyahu explicou as ações israelenses contra os manifestantes como autodefesa contra o movimento Hamas.

"Todo país tem a obrigação de defender suas fronteiras", afirmou Netanyahu no Twitter. “A organização terrorista Hamas declara que pretende destruir Israel e envia milhares para romper a cerca da fronteira a fim de alcançar esse objetivo. Continuaremos a agir com determinação para proteger nossa soberania e nossos cidadãos ”.

O presidente Trump também elogiou a decisão em um comunicado:

"On December 6th, 2017, at my direction, the United States finally and officially recognized Jerusalem as the true capital of Israel. Today we follow through on this recognition and open our embassy in the historic and sacred land of Jerusalem."


No entanto, o presidente dos EUA não comentou sobre uma nova rodada de tensões entre palestinos e israelenses causada por sua decisão.
Ao mesmo tempo, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan mais uma vez criticou a liderança israelense por seus actinos descrevendo Israel como um "estado terrorista".
Segundo o jornal Hurriyet, Erdogan se dirigiu a Benjamin Netanyahu falando aos partidários na província de Adana:
“Nós [Turquia] estamos lidando com terroristas. Mas você não está preocupado com os terroristas porque você é um estado de terrorismo ”.
Enfatizando as medidas terroristas de Israel, Erdogan disse que deve ser reagido:
“A comunidade internacional deve agir rapidamente para acabar com a crescente agressão de Israel cumprindo suas responsabilidades”.
O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse que é "negativo porque é uma revisão dos acordos internacionais"
“Quanto ao estabelecimento da embaixada dos EUA em Jerusalém, muitas vezes expressamos nossa visão negativa sobre essa decisão”, disse Lavrov. "Estamos confiantes de que os acordos consagrados nas decisões da comunidade global devem ser revistos unilateralmente dessa forma."
O governo alemão expressou grande preocupação com a situação em Gaza.
"O direito ao protesto pacífico também deve ser aplicado em Gaza", disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do país . “Israel tem o direito de se defender e proteger sua barreira (de fronteira) contra intrusões violentas, mas o princípio da proporcionalidade se aplica”.
A França pediu "restrição no uso da força" na área.
"Depois de várias semanas de violência e com um número crescente de vítimas palestinas na Faixa de Gaza hoje, a França pede novamente que as autoridades israelenses mostrem discernimento e moderação no uso da força, que deve ser estritamente proporcional", disse o Ministério das Relações Exteriores da França. em uma declaração .
O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, criticou o governo israelense por buscar uma abordagem repressiva aos protestos pacíficos dos palestinos, exigindo o direito de retornar à pátria.
Israeli regime massacres countless Palestinians in cold blood as they protest in world's largest open air prison. Meanwhile, Trump celebrates move of U.S. illegal embassy and his Arab collaborators move to divert attention. A day of great shame.


Nenhum comentário :

Postar um comentário