quarta-feira, 13 de junho de 2018

GEOPOLÍTICA DA ÁREA DO MAR MEDITERRÂNEO DURANTE E APÓS A GUERRA FRIA (1949-1989)


O atual conflito de guerra na Síria e a guerra constante entre o Estado de Israel e os palestinos que recentemente irromperam novamente na Faixa de Gaza trouxeram a região do Oriente Médio para a atenção mundial novamente. No entanto, o Oriente Médio é uma continuação natural-geográfica da bacia do Mar Mediterrâneo e, portanto, faz parte do jogo geopolítico mediterrâneo mais amplo. No entanto, a importância geopolítica e geoestratégica da bacia do Mar Mediterrâneo é provavelmente do mais alto nível da perspectiva global.
O principal exercício de guerra anti-submarino da OTAN no Mar Mediterrâneo, em março de 2018. (Fonte: Oriental Review)

Uma importância da área do Mar Mediterrâneo no ponto de vista geopolítico e geoestratégico pode-se entender pelo fato de que esta área está situada na encruzilhada entre três continentes e fazendo de fato uma ponte entre a Europa, Ásia e África. A área do Mar Mediterrâneo, bem como conecta dois oceanos – o Atlântico e o Índico. É um fato verdadeiro que as terras ao redor do mar Mediterrâneo foram o centro da cultura, civilização e história do mundo antigo que deram base para a modernidade atual e especialmente para o pano de fundo da civilização ocidental. Uma importância econômica da área está no fato de que o Mediterrâneo estava e está a caminho das rotas vitais do comércio mundial.

Linhas de Demarcação

A área do Mar Mediterrâneo é, na verdade, a linha de demarcação entre vários “mundos”: judeo-cristão e islâmico; desenvolvido e subdesenvolvido; democracia e autoritarismo, etc. É importante notar que esta área foi confrontada com o maior número de guerras em toda a história. Nos tempos modernos, o Mediterrâneo foi um dos lugares mais significativos da Guerra Fria (1949-1989), entre a OTAN e o Pacto de Varsóvia. Além disso, as duas primeiras crises pós-Guerra Fria em todo o mundo, a Primeira Guerra do Golfo (1991)e a dissolução da ex-Iugoslávia (1991-1995) seguida da Guerra do Kosovo (1998-1999) envolveu a área do Mar Mediterrâneo e teve implicações diretas na vida política na área.
Hoje, na área pode ser distinguido de cinco grupos influentes político-militares:
    1) A União Europeia, o Conselho da Europa e a OTAN.
    2) Federação Russa.
    3) A Liga dos Estados Árabes.
    4) Países não aliados (Israel, Sérvia, Bósnia-Herzegovina e Antiga República Iugoslava da Macedónia – ARJM).
    5) China.
Durante o período da Guerra Fria, o sistema de segurança mundial baseava-se no conceito de “Equilíbrio do Medo”. De acordo com a estratégia da OTAN, o principal perigo era esperado tanto na Europa Central quanto na “Ala Ocidental” da OTAN. Posteriormente, a área do Mar Mediterrâneo, como a “Ala Sul” da OTAN, era considerada de menor importância. importância em geral estratégia de guerra da OTAN durante o tempo da Guerra Fria. Além disso, partes da área fora da OTAN foram chamadas de “fora da área”. Toda a região foi considerada de fato como parte da principal linha de frente da Europa Central em direção ao Pacto de Varsóvia, pelo menos até 1960, quando a frota da URSS estava presente no Mar Mediterrâneo. A “Sexta Frota” dos EUA no Mar Mediterrâneo também deveria simbolizar o apoio aos aliados dentro do confronto global.
O fato de importância é que dentro do segmento mediterrâneo da OTAN havia e ainda há fragmentações políticas e até mesmo os conflitos (ex., A crise de Chipre em 1974). Por um lado, a Turquia, a Itália e Portugal foram completamente integrados na OTAN, enquanto o envolvimento da Grécia na organização foi e é estritamente determinado pelo conflito com a Turquia sobre Chipre, as ilhas do Mar Egeu e Trace na Península Balcânica. A França e a Espanha não participam plenamente da estrutura militar da OTAN. Em geral, o conflito entre a Grécia e a Turquia foi e é o mais significativo dentro do serviço da OTAN:
    1) Como a fonte crucial de fragmentação dentro da “Ala Sul” da OTAN.
    2) Como fonte de desestabilização da segurança da zona do Mar Mediterrâneo.
No entanto, com a dissolução da URSS, a unificação da Alemanha e a abolição do Pacto de Varsóvia (1989-1991), um período da Guerra Fria terminou com uma clara vitória militar-política ocidental, principalmente pelos EUA. A era pós-Guerra Fria é primeiramente caracterizada pelo desaparecimento do equilíbrio das superpotências, o “choque de civilizações” e com as relações internacionais dentro da estrutura do “Ocidente contra o resto”. O resultado mais significativo desses eventos é o fato de que a divisão do bloco da Europa até agora desapareceu. Além disso, em vez de ser o principal rival dos EUA e da OTAN, a Rússia pós-soviética se tornou seu principal parceiro (até a crise ucraniana ter começado em 2014) na tentativa de estabelecer um novo sistema de segurança global conhecido como “A Nova Ordem”. e liderado pela administração dos EUA. Este termo foi usado pelo presidente dos EUA, George Bush (Senior), em novembro de 1990, em seu discurso ao Congresso dos EUA.

Os EUA estão usando essa máxima para informar a todos os atores mundiais que reservaram para si o papel de liderança nas novas relações internacionais. O fato é que, após o período da divisão mundial bipolar, os confrontos dominantes leste-oeste são agora substituídos por cruzamentos e misturas na área do mar Mediterrâneo, com tensões e conflitos das relações Norte-Sul.

“Zona Cinza”

O desaparecimento de uma das duas superpotências da Guerra Fria eliminou a “ameaça global” na área do Mediterrâneo até o 11 de setembro de 2001. Em vez das lutas bipolares, a área do Mar Mediterrâneo tornou-se, do ponto de vista estratégico, a chamada “Zona Cinza” pelo menos até a atual guerra na Síria. No que diz respeito à segurança da área do Mediterrâneo, após a remoção da Cortina de Ferro em 1989/1990, o novo desafio refletido através de foco mudou do Leste-Oeste para os confrontos políticos e econômicos e culturais e atrito entre o Norte e o Sul, entre as áreas desenvolvidas e subdesenvolvidas do mundo, no que diz respeito à explosão demográfica do Sul (isto é, a África do Norte e Central no caso da área do Mar Mediterrâneo) e os problemas de desemprego seguidos pelas ondas de migração ilegal do Sul para o norte.

Uma questão de segurança da última década do período da Guerra Fria seguida pelo período pós-Guerra Fria na área do Mar Mediterrâneo foi e é caracterizada e desafiada pelo aumento do nacionalismo regional em muitos casos, mas não exclusivamente ligado ao fundamentalismo islâmico, como durante a época da “Primavera Árabe”, iniciada em 17 de dezembro de 2010. É importante notar que muitos países do Mediterrâneo têm quase 100% de população islâmica, o que significa que a vida política é baseada principalmente nos valores islâmicos (teocráticos). A influência do islã na vida política desses países é dia a dia no processo de aumentar o que é muito visível, por exemplo, no Egito e na Líbia após as revoluções bem sucedidas em que Hosni Mubarak e Muammar Gaddafi perderam o poder ou ainda mais visível no caso da atual guerra na Síria. O objetivo dos fundamentalistas islâmicos é estabelecer estados islâmicos puros baseados no Alcorão como se fosse um caso com o Afeganistão do Taleban antes da intervenção militar dos EUA após o 11 de setembro. O modelo desse tipo de estado teocrático ofereceu a revolução islâmica na Pérsia em 1979, quando o regime pró-Ocidente do Xá Reza Pahlavi (diretamente apoiado pelos EUA) foi abolido e removido com o modelo do regime fundamentalista islâmico na República da Irã. Este exemplo foi e é seguido por vários partidos, movimentos e organizações ultra-islâmicos em todo o mundo islâmico, como é o caso, por exemplo, da Frente Islâmica de Salvação (FIS) na Argélia ou do Partido Bósnio de Ação Democrática (SDA). na década de 1990. Falando sobre o nacionalismo regional dos países árabes e islâmicos é necessário mencionar, juntamente com o fundamentalismo islâmico de Khomeini no Irã, e o pan-arabismo de Gamal Abdel Nasser apoiado pela organização da sociedade de “Irmãos Muçulmanos” ou o neo-pan-arabismo de Saddam Hussein, etc.

Fontes de Conflito

Não há dúvida de que a região do Mediterrâneo foi e é, e provavelmente será, uma das áreas mais propensas a conflitos em todo o mundo. Não há virtualmente nenhum país na região cujos limites de estado não foram ou não são questionados por seus vizinhos ou não podem ser questionados do ponto de vista histórico. Após o fim do confronto bipolar entre a OTAN e o Pacto de Varsóvia, houve duas lutas militares em relações diretas com a região do Mediterrâneo. Houve a Primeira Guerra do Golfo, na qual um dos países do Mediterrâneo (Turquia) estava fortemente envolvido, e a guerra civil na ex-Iugoslávia como um dos países do Mediterrâneo. Além disso, existem várias fontes de conflitos constantes na região. Os mais importantes deles são:
    1) atrito israelo-palestino.
    2) A questão dos curdos, que vivem em quatro países – Turquia, Síria, Iraque e Irã.
    3) Fricção entre a Líbia e o Egito e a Líbia e a Argélia.
    4) Os conflitos locais no Sudão, Chade e Saara do Sul.
O cruzador russo de mísseis pesados ​​Pyotr Veliky faz escala em Tartus, na Síria (fonte: Oriental Review)
Observações Finais

Finalmente, a sua parte oriental é do enorme potencial de conflito de toda a área da região do Mar Mediterrâneo. A área do Mar Mediterrâneo foi e é um dos principais pontos estratégicos de interesse para a OTAN desde o momento da criação desta organização militar em 1949 durante a Guerra Fria, a fim de desafiar as ameaças reais ou potenciais para a sua própria segurança. Dentro de um conceito global do sistema de segurança da OTAN, a Turquia, a Grécia e a Itália compõem um sub-sistema de países que pertencem à sua “Ala Sul”. As principais áreas de atuação desses países são o Oriente Médio e os Bálcãs. Contudo, independentemente do facto de a Turquia, a Grécia e a Itália pertencerem ao mesmo sistema de segurança oferecido pela OTAN, existem sérias diferenças em relação à política regional da OTAN, especialmente entre a Turquia e a Grécia, que aproximaram quase ao conflito de guerra aberta em 1974 sobre a questão de Chipre. Eles também tinham políticas diferentes em relação à questão da sucessão da ex-Iugoslávia em 1991-1995, seguida pela Guerra do Kosovo de 1998-1999. O futuro da sua cooperação mútua dentro do modelo de segurança oferecido pela OTAN depende principalmente da questão de como a Turquia e a Grécia podem resolver os seus problemas bilaterais, em particular relacionados com a questão do futuro de Chipre.


Nenhum comentário :

Postar um comentário