quinta-feira, 12 de julho de 2018

HISTERIA ANTI-RUSSA E O COLAPSO DAS RELAÇÕES LESTE-OESTE: UMA CARTA ABERTA AO POVO DA GRÃ-BRETANHA


Esta carta aberta, do icônico ator russoVasily Livanov MBE, foi primeiramente enviada ao The Guardian. Eles se recusaram a publicá-la.

Tal como acontece com muitos dos meus compatriotas, há muitas coisas sobre a Grã-Bretanha e o povo britânico que eu admiro. Como alguém cuja vida inteira tem sido ligada à literatura, ao cinema e ao teatro, tenho o maior apreço pela literatura inglesa e pelas artes, por seus escritores e dramaturgos, atores e diretores. 


Como alguém que teve a sorte de ter interpretado o icônico inglês Sherlock Holmes em uma série de filmes soviéticos de muito sucesso, tive a honra de ter sido premiado com um MBE por Sua Majestade a Rainha Elizabeth II. Agradeço a chance de ter feito parte do parentesco cultural e da sinergia mutuamente enriquecedores de nossos dois países. Como alguém que viveu uma vida longa, lembro vividamente os anos da Segunda Guerra Mundial, quando a União Soviética e a Grã-Bretanha eram aliadas firmes e orgulhosas na luta contra o nazismo.

Muitos russos sentem uma afinidade com muitas coisas inglesas – de pubs e jardins a uísque escocês e canto galês e vales luxuriantes. Corridas de Ascot, shows de flores do Chelsea, museus de Londres e Stonehenge – muitos os viram ou pelo menos os viram na TV. Talvez surpreendentemente, muitos entretenham um interesse vivo na monarquia britânica e na família real, televisão e jornais russos carregam histórias sobre a rainha e seus netos e bisnetos. Os estereótipos lisonjeiros da Grã-Bretanha ainda permanecem. Mas cada vez mais esse quadro idílico está sendo prejudicado pelos desenvolvimentos políticos dos últimos anos.

Hoje, como muitos de meus compatriotas, fico triste em ver o estado em que a relação entre nossos dois países foi reduzida. Embora as situações de conflito raramente possam ser atribuídas a uma única parte, estou convencido de que a atual crise deplorável e aprofundada é principalmente de Londres.

Por favor, não cometa o erro de escrever este ponto de vista como uma vítima da propaganda desonesta do Kremlin. Pelo contrário, a visão que tenho e compartilho com a grande maioria dos russos foi moldada e aperfeiçoada, paradoxalmente, pela incessante propaganda anti-russa proveniente dos corredores de poder de Londres e da mídia que parece ter perdido toda a capacidade de raciocínio independente. pelo menos para qualquer coisa russa. Muitos na Grã-Bretanha podem se surpreender com o fato de o público russo ser bem informado sobre a cobertura da mídia internacional, certamente na medida em que diz respeito a seu país.

Não pretendo me debruçar sobre a longa lista de diferenças geoestratégicas e políticas entre Moscou e Londres. Certamente, cada um dos lados tem seus próprios interesses e razões para agir da maneira que faz. A compreensão dessas razões é o trabalho dos respectivos governos e seus thinktanks de política externa. Recusar-se manifestamente a entender essas razões é uma falha abjeta do governo. E isso, lamento dizer, é exatamente o que estou vendo no topo do governo britânico e em grande parte da imprensa britânica.

O que estamos testemunhando é a recusa consistente de Londres – e, mais genericamente, ocidental – de tratar a Rússia pós-soviética como um parceiro igual nos assuntos internacionais. A capital ocidental mais bélica – notavelmente, Londres – vêm tentando condenar a Rússia a ser o partido derrotado na Guerra Fria, e a se comportar como um. Lembre-se, esta é uma visão tomada pela maioria dos russos, que também estão cada vez mais convencidos de que os ataques do Ocidente não são direcionados a Putin ou ao Kremlin, mas a seu país como tal, ao povo e ao estado da Rússia.

Muitos apontarão a Crimeia como prova da agressividade e ameaça da Rússia à paz mundial. Mas eles devem considerar que a Crimeia, ao invés de ser a causa, é uma consequência do colapso total do diálogo Leste-Ocidente em que Londres tem desempenhado um papel significativo e muitas vezes foi a líder de torcida. Mais importante, é, na contagem final, até o povo da Criméia decidir onde querem estar, certamente não para Londres ou Washington.

As acusações de que Londres está atirando na porta da Rússia em face de todos os estereótipos gratuitos que os russos têm da Grã-Bretanha e de sua cultura supostamente cavalheiresca. Pessoas no topo do governo britânico têm falado com os russos como uma espécie de “povo menor” em uma linguagem que invoca as páginas menos lisonjeiras da não tão distante história imperial britânica.

PM Theresa May acusando a Rússia no envenenamento de Skripals sem qualquer evidência séria era totalmente desavergonhada.

O secretário de Relações Exteriores Boris Johnson, comparando a próxima Copa do Mundo da Rússia aos Jogos Olímpicos de 1936 de Hitler, foi o maior insulto – não apenas à Rússia, mas também à própria Grã-Bretanha e ao resto da coalizão anti-Hitler.

O secretário de Defesa, Gavin Williamson, dizendo à Rússia para “calar a boca e ir embora” – ele percebe até mesmo quem ele está tentando intimidar? Você pode criticar Moscou o quanto quiser, mas nunca se rebaixou a esse nível ao conversar com nações soberanas, grandes ou pequenas. É uma crise aguda na educação britânica a razão para essa desculpa para o estadismo? Que tipo de política eles acham que estão perseguindo, que tipo de mundo eles estão moldando? Sinto-me realmente arrependido por Sua Majestade a Rainha, que ela tenha que chamar esse governo de seu.

A atual explosão de russofobia e histeria anti-russa na Grã-Bretanha não tem precedentes na memória viva. Nem mesmo a Guerra Fria viu tão evidente desrespeito pelas normas e convenções da diplomacia interestatal. Qualquer um que peça um compromisso significativo com a Rússia é considerado um radical ou traidor perigoso. As pessoas que até concordam em falar com a mídia russa são marginalizadas e deixadas de lado. Qualquer um que simplesmente peça restrição ou cautela é difamado como um fantoche de Putin. Existe um nome para isso já? Atividades não britânicas? Um curioso, mas profundamente perturbador, retrocesso na era McCarthy na moderna Inglaterra iluminada.

É difícil escapar do momento deste último capítulo da longa saga anti-russa de Londres com uma etapa crucial do projeto North Stream 2, a Copa do Mundo de futebol e, é claro, a recente eleição presidencial na Rússia. O que só serve para mostrar que os instigadores ignoram o que é o povo russo. Qualquer movimento hostil do lado de fora nos unirá, nos uniremos e encontraremos uma resposta. Eles não teriam tentado se soubessem a primeira coisa sobre o que faz a Rússia funcionar. Eles têm que perceber que em sua campanha venenosa estão engajando não apenas o Kremlin ou Putin, eles estão contagiando todo o povo russo, incluindo sua classe política e elite empresarial.

Não temos carne com o povo da Grã-Bretanha. Pelo que podemos vislumbrar, mais e mais deles são céticos quanto à propaganda anti-russa vomitada pelos falcões no governo e em grande parte da mídia. Os atuais ventos frios vão diminuir e nossos dois países voltarão a um relacionamento civilizado e respeitoso que tem muito a oferecer.

Como orgulhoso recebedor da Mais Excelente Ordem do Império Britânico, aspiro a uma diplomacia britânica sábia e digna que torne isso possível.

Autor: Vasily Livanov
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com




2 comentários :

  1. O que se passa na Inglaterra não é diferente do resto do ocidente. Este, com seu sistema maligno de governança sabe que sem uma propaganda forte anti-Rússia, seu modelo está fadado ao fracasso, pois vemos a dupla China-Rússia na busca de um mundo multipolar, onde a soberania de cada país é respeitada, enquanto que no ocidente o discurso é de intervenção, sanções e humilhações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitos cidadãos dos países do ocidente já tão percebendo que essa propaganda anti-rússia é papo pra boi dormir e está fadada ao fracasso.

      Excluir