terça-feira, 7 de agosto de 2018

Dois golpes contra o imperialismo dos EUA: desdolarização e armas hipersônicas


"A capacidade de destruir em questão de minutos um grupo de transportadoras da Marinha dos EUA ou sistemas ABM  na Romênia e na Polônia, sem dúvida, tem um efeito preocupante nas forças armadas dos EUA"

No atual mundo multipolar em que vivemos, fatores econômicos e militares são decisivos para garantir aos países sua soberania. A Rússia e a China parecem levar isso muito a sério, comprometidas com a desdolarização de suas economias e o desenvolvimento acelerado de armas hipersônicas.

A fase de transição pela qual estamos passando, passando de uma ordem global unipolar para uma multipolar, exige uma observação cuidadosa. É importante analisar as ações empreendidas por duas potências mundiais, China e Rússia, na defesa e consolidação de sua soberania no longo prazo. Observando as decisões tomadas por esses dois países nos últimos anos, podemos discernir uma estratégia dupla.Uma é a econômico, a outra é puramente militar. Em ambos os casos, observamos uma forte cooperação entre Moscou e Pequim. O mérito dessa aliança é paradoxalmente atribuído à atitude de várias administrações dos EUA, desde George Bush pai até Obama. O relacionamento especial entre Moscou e Pequim foi forjado por uma experiência compartilhada da pressão de Washington nos últimos 25 anos. Sua missão compartilhada agora parece ser a de conter o poder imperial em declínio dos EUA  e pastorear o mundo de uma ordem mundial unipolar, com Washington no centro das relações internacionais, para uma  ordem mundial multipolar , com pelo menos três potências globais desempenhando um papel importante nas relações internacionais.

A estratégia sino-russa mostrou-se ao longo das últimas duas décadas tem duas partes:  a  influência econômica, por um lado, e  a força militar,  por outro, a última para afastar o comportamento americano imprudente. Ambos os poderes eurasianos têm seus respectivos pontos fortes e fracos a esse respeito. Se a economia da Rússia dificilmente pode ser comparada à da China, a China desempenha um papel secundário nos dissuasores convencionais e nucleares da Rússia, e está bem atrás de Moscou em termos de armas hipersônicas. A cooperação entre Moscou e Pequim visa utilizar 

Soberania econômica

Tanto  a desdolarização  quanto o desenvolvimento de  armas hipersônicas  servem ao propósito de defender a soberania de ambos os países. A soberania econômica implica, entre outras coisas, a eliminação da dependência do dólar americano, o abandono de um sistema bancário internacional baseado no sistema de pagamentos SWIFT, a inclusão e aumento da participação do yuan na cesta de moedas internacionais, a redução da dívida pública denominada em dólar, o acúmulo constante de ouro e, é claro, a eliminação de qualquer dívida residual com instituições internacionais que fazem parte do modelo de governança mundial controlado e manipulado por Washington para seus próprios interesses.

Pequim, em vez de procurar substituir o papel central dos Estados Unidos, procura, em vez disso, expandir sua influência em organizações existentes como o Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco de Compensações Internacionais (BIS), o Banco Mundial e o World Trade Settlements e a Organização OMC.

De um ponto de vista econômico, a ordem internacional é muito semelhante a um duopólio, em vez de multipolar, sem esquecer que a União Europeia tem um papel importante a desempenhar caso reconquiste alguma forma de soberania libertando-se da dependência de Washington. Para Moscou e Pequim, reduzir a dívida pública é uma das melhores maneiras de alcançar uma soberania econômica forte. A Federação Russa reduziu sua dívida pública em relação ao PIB de 92% no início de 2000 para 12,9% hoje. A República Popular da China, com mais de 20 anos, aumentou sua dívida pública de 20% do PIB para cerca de 48%. Em comparação com a dívida pública dos países europeus (Itália e Grécia são mais de 120%, França 100%, a média da UE é 85%), Japão (240%) e Estados Unidos (110%), Pequim e Moscou deram uma atenção especial para manter suas contas em ordem. Outra estratégia importante envolve o acúmulo estável de ouro nas reservas desses dois países.

China e Rússia estão mais uma vez tendendo ir em direção oposta à do Ocidente. Desde 2005, a Rússia e a China acumularam enormes quantidades de ouro, com a clara intenção de diversificar suas reservas. Tanto Moscou quanto Pequim estão entre os 10 principais países em termos de reservas de ouro, com um aumento exponencial nos últimos anos.
Graças a uma dívida pública limitada, enormes quantidades de ouro e uma redução progressiva na quantidade de títulos do governo dos EUA detidos, Moscou e Pequim embarcaram no caminho da plena soberania econômica, independente do sistema do dólar e protegendo-se fortemente contra qualquer crises financeiras futuras. A este respeito, a criação de organismos financeiros internacionais, a serem adicionados àqueles já existentes, tem o claro propósito de diluir a influência institucional de Washington sobre os assuntos econômicos do mundo.

Uma decidida aceleração nessa direção geral foi feita após a exclusão da República Islâmica do Irã do sistema SWIFT, um alarme para a dupla euro-asiática. Apesar da redução da dívida pública e da significativa desdolarização, os dois países continuam dependentes e, portanto, vulneráveis ​​a um sistema econômico e financeiro que orbita em torno de Washington e Londres. A solução alternativa foi, portanto, criar dois sistemas alternativos de pagamento bancário para o SWIFT. No caso da Rússia, existe o chamado sistema de transferência de mensagens financeiras (SPFS), e na China, o Sistema de Pagamentos Interbancário (CIPS). Inicialmente concebido como um recuo em caso de exclusão do sistema SWIFT, os projetos SPFS e CIPS estão atualmente fortemente entrelaçados com os acordos de energia alcançados em 2015. A venda de gás natural liquefeito (GNL) a Pequim ocorre por meio de um sistema internacional de pagamentos baseado no renminbi chinês, que é imediatamente convertido em ouro graças ao mecanismo inovador inaugurado na Bolsa de Ouro de Xangai. Não está excluído que essas operações não pudessem ocorrer diretamente nos sistemas SPFS ou CIPS no futuro. Não importa o sistema petrodólar  que é um dos principais problemas que a China e a Rússia enfrentam ao lidar com o sistema financeiro internacional. Esforços para mudar progressivamente de USD para Yuan no pagamento de commodities de petróleo estão em vigor há anos, especialmente por Pequim.

Este é um exemplo de como países como a Rússia e a China encontraram maneiras de contornar os meios usados ​​para limitar sua soberania. A inclusão do  yuan na cesta  de moedas de reserva mundial do FMI está associada à estratégia chinesa de apoiar o renminbi para exportação, reduzindo a participação do dólar americano. A estratégia adotada por Moscou e Pequim parece deixar Washington incapaz de deter as medidas de proteção dessas duas potências euro-asiáticas.

Na prática, já estamos começando a ver os efeitos dessa ordem mundial alternativa econômica. As sanções impostas por Washington e seus sátrapas em Moscou e Teerã são facilmente contornadas pela Rússia e pelo Irã, com bolsas denominadas em outras moedas que não o dólar (geralmente ouro), ou simplesmente através de permutas.

A China e a Rússia, com economias fortemente diversificadas, com tesouros repletos de ouro e com mínima dívida pública, deixam muito pouco espaço para os especuladores internacionais afetarem suas economias domésticas com ações que equivalem a terrorismo financeiro.

Ser capaz de minimizar os impactos e riscos de uma nova crise financeira, ou resistir às ameaças e chantagens dos organismos internacionais dirigidos em grande parte por Washington e Londres, é o principal meio de ser capaz de traçar um curso economicamente independente e garantir a soberania nacional.

As forças armadas são o fiador definitivo da soberania

Sem uma soberania militar clara e inviolável, as medidas econômicas implementadas podem se tornar ineficazes em caso de guerra. Por esta razão, a China e a Rússia continuam a implementar estratégias de armas nucleares, o último e definitivo impedimento. Moscou é pelo menos igual a Washington nesse sentido, assim como Pequim é pelo menos igual a Washington no campo econômico. A China e os Estados Unidos têm uma economia interconectada, mas no caso de uma guerra total, Washington sofrerá o maior dano. A transferência para a China de quase toda a indústria americana tem um custo e, no caso de uma ruptura completa nas relações entre os dois países, Washington está bem ciente de sua vulnerabilidade econômica à China.
Em termos militares, a estratégia para garantir a soberania territorial concentra-se em certas áreas fundamentais, nomeadamente a defesa do espaço aéreo e das fronteiras marítimas, e a capacidade de desencorajar qualquer ataque nuclear, garantindo uma capacidade de segunda greve.

Eu escrevi sobre isso  no passado, observando que a Rússia e a China implementaram sistemas complexos e avançados nos últimos anos para fechar a lacuna tecnológica com o Ocidente, com Moscou sendo pelo menos igual a Washington nesse aspecto e compartilhando com Pequim algumas de suas inovações mais importantes. A venda de S-400 para a China abre o caminho para uma futura defesa conjunta do espaço aéreo eurasiano. À medida que o processo de união e cooperação entre os dois países aumenta, suas respectivas forças armadas terão a tarefa de desencorajar tentativas externas de desestabilizar a região. Essa é a razão pela qual os Estados Unidos veem a venda dos sistemas S-400 (para a Turquia, por exemplo) como uma linha vermelha que não deve ser ultrapassada. A capacidade de impedir o acesso ao espaço aéreo de alguém perturba uma das principais doutrinas de guerra de Washington. Sem supremacia aérea e capacidade de operar em um espaço aéreo não contestado.

O segundo foco militar para os eurasianos diz respeito à defesa de suas fronteiras marítimas, refletindo a necessidade de Moscou e Pequim de manter a Marinha dos EUA a uma boa distância de suas costas. O desenvolvimento de armas anti-navio tem sido uma prioridade para Pequim nos últimos anos, como tem sido o desenvolvimento de ilhotas no Mar do Sul da China para garantir uma proteção constante de suas fronteiras, dada a presença agressiva da Marinha dos EUA. Pequim pretende criar áreas de negação para os militares dos EUA. Inicialmente mantendo as forças dos EUA a cerca de 180 milhas de sua costa, a intenção futura é empurrá-las ainda mais para trás, a uma distância de cerca de 700 milhas, obtendo assim um espaço anti-acesso / negação de área  (A2 / AD)  que impede qualquer assalto anfíbio ou um bloqueio marítimo das linhas marítimas de comunicação da China.

Da mesma forma que a desdolarização representa uma arma nuclear econômica nas mãos da Rússia e da China, o desenvolvimento de armas hipersônicas é o eixo da capacidade da aliança sino-russa de defender sua soberania territorial. Escrevi dois artigos muito detalhados sobre essas armas incríveis, e também meus colegas da Strategic Culture Foundation. É um tema excitante porque, pela primeira vez em anos, Washington enfrentou o fato consumado do impressionante progresso tecnológico de seu adversário geopolítico. As armas hipersônicas não têm fraquezas presentes e Moscou é o único país do mundo capaz de produzi-las e usá-las. Com essa nova capacidade, a gama de ações da Federação Russa atinge níveis sem precedentes.

As armas hipersônicas têm a  vantagem crucial  de poder atingir alvos móveis ou fixos com velocidade e potência sem precedentes. A capacidade de obliterar em questão de minutos um grupo de transportadoras da Marinha dos EUA ou  sistemas ABM  na Romênia e na Polônia, sem dúvida, tem um efeito preocupante sobre as forças armadas dos EUA. Isso sem deixar de lado o fato de que o futuro sistema S-500 terá capacidades anti-satélite, bem como defesa contra mísseis balísticos, e o novo SS-28 Sarmat não poderá ser interrompido por nenhum sistema ABM atual ou futuro.

Com o uso de armas hipersônicas (algumas já operacionais) e os sofisticados sistemas S-400 e S-500, o poder naval e aéreo dos EUA está sendo fortemente desafiado. Com as armas nucleares, até mesmo as capacidades russas de primeiro e segundo ataques tornam-se impossíveis de serem superadas pelos EUA.

É apenas uma questão de tempo até que a tecnologia hipersônica seja posta em prática pela República Popular da China, provavelmente com a assistência crucial de Moscou. O nível de confiança mútua e cooperação nunca foi tão alto entre os dois países, e é natural que eles colaborem militarmente e economicamente, estimulados pelo seu adversário comum.





Nenhum comentário :

Postar um comentário