quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Melhor parte das vendas do S-400 da Rússia é como elas degradam as relações dos EUA com outros Países


Caso em questão: se os EUA agora sancionarem a Índia, isso degradará os laços entre eles, mas se os EUA abrirem uma exceção neste caso, arruinará suas relações com outros compradores sancionados do S-400.
Imagem relacionada
Em 5 de outubro de 2018, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi e o presidente russo Vladimir Putin assinaram em Nova Delhi um acordo para transferir cinco avançados  sistemas de mísseis terra-ar S-400 Triumf em troca de US $ 5,43 bilhões a venda será concretizada em dois anos. Além disso, a Índia gastará US $ 2,2 bilhões para comprar quatro fragatas de mísseis russos e irá negociar o licenciamento do fuzil de assalto AK-103.


Normalmente, uma transação desse tipo acionaria sanções dos Estados Unidos devido à aprovação em 2017 da Lei de Combate aos Adversários da América Através das Sanções, que estipula punições para países que compram equipamento militar russo. A renuncia das sansões são possíveis, mas geralmente apenas para casos isolados, como peças sobressalentes.


De fato, apenas um mês antes, em setembro, sanções da CAATSA foram impostas à China pela compra de  caças Su-35 Flanker-E  . e do S-400.

No entanto, a embaixada dos EUA em Nova Déli está sendo discreta em relação às repercussões, afirmando que a CAATSA não deveria "impor danos às capacidades militares de nossos aliados ou parceiros". E como os Estados Unidos estão muito interessados ​​em tornar a Índia um parceira de uma aliança para conter a expansão militar da China, a maioria dos observadores espera que a lei seja dispensada seletivamente .

Tal inconsistência pode em breve ter repercussões ruins, uma vez que enfraquecerá a credibilidade das sanções dos Estados Unidos a seu parceiro da OTAN a Turquia , que também está comprando o S-400 com obcecadas objeções de Washington. Como Washington está vendendo dezenas de caças furtivos F-35 para Ancara, o Pentágono está  particularmente preocupado  que os sistemas S-400 na Turquia possam ser usados ​​para estudar a assinatura de radar do jato furtivo e possivelmente invadir seus computadores. No verão de 2017, o Congresso dos EUA aprovou uma  lei de autorização de defesa que  bloqueia a transferência dos F-35s em 2019, aguardando nova revisão.

No entanto, tanto o Pentágono quanto a Lockheed parecem confiantes de que o acordo turco com o F-35 ainda continuará. Dar uma isenção à Índia para sua compra do S-400 certamente reforçará a impressão de que as sanções só serão seletivamente aplicadas.

Por que tantos países estão dispostos a arriscar a ira de Washington por mísseis antiaéreos russos? Muito simples, enquanto os militares dos EUA esperam que seus aviões de combate conquistem a superioridade aérea, as forças terrestres russas nunca tomaram o controle dos céus como certo e investiram muito mais em sistemas antiaéreos baseados em terra . Usando seus mísseis de maior alcance, um S-400 pode ameaçar aeronaves a até duzentos quilômetros de distância  - enquanto na melhor das hipóteses o raio de ação do Patriot chega à metade disso. (É verdade que o alcance efetivo do S-400 é mais próximo de 75-160 milhas quando se trata de alvos menores e mais ágeis, como caças.)

O desenvolvimento de mísseis terra-ar nos EUA nas últimas duas décadas concentrou-se no combate a mísseis balísticos, que não são suscetíveis à interceptação de caças. O Pentágono implantou sistemas compatíveis com o ABM, como o Patriot PAC-3 MSE, o THAADS , o  GMD  e o SM-3 da Marinha  Mas se você está mais preocupado com as aeronaves inimigas, os sistemas russos provavelmente oferecem o melhor retorno para o seu dinheiro.

A Índia tem um relacionamento militar muito longo com a Rússia que remonta ao auge da Guerra Fria. Quando os Estados Unidos impuseram um embargo de armas à Índia devido ao conflito indo-paquistanês de 1965, a União Soviética entrou na brecha. Em 1971, os tanques T-55 e PT-76  construídos pelos soviéticos, os helicópteros Mi-4, os caças MiG-21 e os mísseis anti-navio Styx desempenharam um papel importante na derrota das forças paquistanesas na Índia, no que agora é Bangladesh. Uma frota soviética até mesmo  enfrentou  uma força-tarefa norte-americana enviada ao Oceano Índico para pressionar Nova Déli a cancelar a ofensiva.

Na era pós-soviética, os militares indianos continuam a depender de hardware russo para os principais sistemas de armas , como o  tanque T-90  ,  Su-30MKI Flanker  e  MiG-29 Fulcrum  , submarinos nucleares e diesel-elétricos e até mesmo um porta-aviões extraordinariamente ruim .

Hoje, no entanto, Nova Déli pode estar mais à deriva na órbita de Washington. Um dos motivos é que os sistemas de armas russos, embora geralmente mais baratos, demonstraram problemas de confiabilidade e baixo suporte pós-compra. Outra é que a aliança dos EUA com o Paquistão está se enfraquecendo rapidamente. A questão principal, no entanto, é a relação tensa de Nova Déli com Pequim , que tem suas raízes na guerra de fronteira de 1962, mas está crescendo de forma mais aguda devido à dramática escalada militar da China e à crescente aliança com o Paquistão. Os sinais do novo relacionamento incluem um acordo de base militar compartilhado em 2016, e a venda nos EUA de  aviões de patrulha marítima P-8  , de transporte C-17 e C-130 e helicópteros de ataque Apache.

Houve sinais preliminares de que Nova Déli pode ser tentada pelos aviões furtivos FA-18 Super Hornet ou F-35  dos EUA  Enquanto isso, a Índia recentemente cancelou seu financiamento para um  caça furtivo FGFA  desenvolvido pela Rússia, derivado do problemático Su-57.

Recentemente, a Rússia sinalizou para a Índia sua disposição de aprofundar os laços com os rivais da Índia Pequim e Islamabad, se a relação especial deles  se atrofiar. Afinal, a Rússia está vendendo os S-400 para a China e para a Índia, e recentemente convidou  as forças chinesas  a participarem de seu enorme exercício militar Vostok. No final, para Moscou, as vendas de armas são uma fonte importante de renda, e não algo feito a serviço de uma causa ideológica ou de alianças imaginárias.

A compra de Modi do S-400, portanto, não significa apenas conseguir que SAMs altamente capazes compensem a rápida melhora do poder aéreo da China  , que agora inclui caças stealth operacionais. É também para garantir a Moscou que ainda tem tempo de investir em seu relacionamento com um antigo aliado.

Enquanto isso, Washington está tentando desesperadamente alistar a Índia em uma aliança não oficial de países que buscam conter a expansão militar da China no Pacífico e no Oceano Índico. Mas, desde a Guerra Fria, Nova Délhi tem resistido a ter sua política externa inserida nos cálculos estratégicos de outro país. É por isso que Washington provavelmente continuará pacientemente cortejando um profundo relacionamento de segurança com Nova Délhi e ignorando suas próprias sanções legalmente impostas, mesmo que a Índia continue mantendo seus laços mais antigos com Moscou.





Nenhum comentário :

Postar um comentário