sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Mulher cria acidentalmente bateria que pode durar até 400 anos!


Uma estudante de doutorado na Universidade da Califórnia, Mya Ke Thay criou uma coisa muito útil enquanto "jogava" de acordo com ela, no laboratório: uma bateria recarregável que dura até 400 anos. Você já pensou que um dia você viria a esse grande avanço?

"Mya estava brincando e cobriu tudo com uma fina camada de gel antes de iniciar o ciclo", disse Reginald Penner, conselheiro do departamento de química da Universidade da Califórnia, Irvine.
"Ele descobriu que apenas usar este gel (eletrólito) poderia ser circulado (carregado e descarregado) centenas de milhares de vezes sem perder suas capacidades". E ela fez isso por três meses.

Com esta invenção, se fosse patenteado, nem laptops nem smartphones teriam que ser cobrados por toda a vida e, claro, acabariam por contaminar baterias de íon de lítio em aterros sanitários.

Nanowires já estavam sendo estudados para uso possível em baterias, mas cientistas descobriram que ao longo do tempo os cabos iriam quebrar porque são muito frágeis, quebrando o ciclo de carga. O ciclo de carregamento ocorre quando a bateria está completamente cheia depois de completar um ciclo de esvaziamento completo.

Mas que surpresa quando Thai Mya alcançou este marco, o fato é que ela cobriu o conjunto de nanofios de ouro em dióxido de manganês e uma espécie de gel eletrônico, e então começou a observar os ciclos. Para a surpresa de Mya Reginald Penner e do chefe de departamento de química da universidade, a bateria permaneceu ininterrupta do total de 30.000 ciclos e permaneceu carregada no mês seguinte.

A bateria tem uma carga média para um laptop que dura entre 300 e 500 ciclos de carga. A nanobatería desenvolvida é de 200.000 ciclos variados em três meses que, entretanto, significam aproximadamente 400 anos de vida.

Agora que temos o avanço, continua a ser visto se as grandes empresas vão cuidar de produzir algo que é realmente bom para os consumidores e para o planeta. 




4 comentários :

  1. Mas ela não sabe ainda como funciona ou como pode replicar o experimento

    ResponderExcluir
  2. Conhecimento novo, sendo espalhado na net, sem obtenção de lucros, demonstra que na humanidade alguns estão acordando para a partilha natural, necessária à efetiva qualidade de vida da próxima geração. A informação e a velocidade que se expande, não permitirá mais lucros próprios egoístas num futuro bem próximo. Parabéns à jovem pela lucidez em descobrir e partilhar nova técnica na construção das baterias; o meio ambiente agradece!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O maior avanço seria separar SP do Brasil e colocar os mineiros e seus descendentes para fora.

      Excluir