terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

China está prestes a testar canhão eletromagnético naval


Navio de desembarque da Marinha da China estaria armado com um canhão elétrico, segundo mostram as fotos difundidas pela mídia. Se isto for confirmado, a China se transformará no primeiro país do mundo a instalar uma arma deste tipo em embarcação militar.

As fotos publicadas em 31 de janeiro mostram um suposto protótipo de canhão eletromagnético, instalado em um navio chinês de desembarque do tipo 072III Huanggang Shan.


​Entretanto, as fotos não permitem afirmar com certeza de qual tipo de arma se trata. No entanto, sua forma geral coincide com projetos semelhantes dos EUA e se distingue consideravelmente dos sistemas de artilharia naval.

Normalmente, é difícil avaliar os êxitos armamentistas de Pequim, devido ao caráter fechado da indústria militar chinesa. Não obstante, o país regularmente divulga anúncios sobre os testes de equipamento muito avançado, como drones de ataque e catapultas eletromagnéticas para porta-aviões.

Os navios de desembarque do tipo 072 III não representam nenhum avanço no serviço da Marinha da China, mas o Huanggang Shan possui diferenças importantes em termos de design. Conta com contendores adicionais no convés, bem como uma área para desembarque. Assim é possível sugerir que o navio já não pretende servir para sua missão inicial e será usado para efetuar outras tarefas: não é descartada a hipótese que se converta em plataforma para testar canhão elétrico.

Analistas militares citados pelo jornal russo Gazeta, acreditam que o navio, com um deslocamento de 7.000 toneladas, foi escolhido para o teste porque um barco menor não seria capaz de acomodar o barril e a bateria colossal.

Os canhões eletromagnéticos existem como conceitos e protótipos. Entre eles, o mais conhecido é o projeto americano que foi recentemente suspenso por causa do enorme custo e falta de progressos significativos.

Armas deste tipo podem lançar projéteis de metal em alta velocidade de até 10,6 quilômetros por segundo em vez de munições explosivas. A enorme energia cinética faz com que o canhão quase alcance os mesmos resultados que munições sofisticadas e mísseis de cruzeiro por uma fração do custo.
O Pentágono passou anos desenvolvendo essa arma, mas finalmente Washington parou de financiar o projeto devido aos gastos enormes que não davam resultados.

Todos os protótipos estadunidenses foram de instalações terrestres, mas o objetivo final foi, de fato, criar uma arma naval.

navalbrasil

Nenhum comentário :

Postar um comentário