sábado, 9 de junho de 2018

EUA DESAFIAM A RÚSSIA À GUERRA NUCLEAR.


Agora que os Estados Unidos (com a cooperação de seus parceiros da OTAN) transformaram os países da antiga União Soviética, além da Rússia, em aliados da OTAN, e também transformaram os aliados do Pacto de Varsóvia na União Soviética nos próprios aliados militares dos EUA na OTAN, os Estados Unidos finalmente, virando os parafusos diretamente contra a própria Rússia, desafiam de fato a Rússia a defender sua aliada Síria. 

Os EUA estão advertindo o governo da Síria que a terra síria, que é ocupada pelos EUA e pelas forças anti-governamentais que os EUA protegem na Síria, não é mais a terra da Síria. 

Os EUA estão dizendo que haverá uma guerra direta entre as forças armadas da Síria e as forças armadas dos Estados Unidos se a Síria tentar restaurar seu controle sobre aquela terra.

Tacitamente, a mensagem dos Estados Unidos para Moscou é: agora é a hora de você deixar de defender o governo da Síria, porque se você não for – se você for à defesa da Síria enquanto a Síria tenta matar essas forças de ocupação (incluindo as tropas americanas e conselheiros que estão ocupando a Síria – então você (Rússia) estará em guerra contra os Estados Unidos, mesmo que os EUA sejam claramente o invasor, e a Rússia (como aliada da Síria) seja claramente a defensora.
Peter Korzun, meu colega na Strategic Culture Foundation, encabeçou no dia 29 de maio, “Departamento de Estado dos EUA informa à Síria o que pode e não pode fazer em seu próprio solo” e abriu:
    “O Departamento de Estado dos EUA alertou a Síria contra o lançamento de uma ofensiva contra posições terroristas no sul da Síria. A declaração afirma que os militares americanos responderão se as forças sírias lançarem uma operação destinada a restabelecer o controle legítimo do governo sobre as áreas controladas pelos rebeldes, incluindo o território no sudoeste da Síria entre Daraa e as Colinas de Golã ocupadas por Israel. Washington está emitindo ordens para uma nação cuja liderança nunca convidou a América em primeiro lugar! A própria idéia de que outro país diria ao governo sírio internacionalmente reconhecido que não pode tomar medidas para estabelecer o controle sobre partes de seu próprio território nacional é estranha e absurda por qualquer medida”.
O lado pró-governo chama essas “posições terroristas”, mas o lado aliado dos EUA e dos invasores, os chama de “combatentes da liberdade” (embora o lado norte-americano seja liderado há muito tempo pela afiliada síria da Al Qaeda e tem confiado cada vez mais sobre os curdos anti-árabes). Mas o que quer que seja, os Estados Unidos não têm autoridade legal para dizer ao governo da Síria o que fazer ou não em terras sírias.

A posição básica da Rússia, pelo menos desde que Vladimir Putin chegou ao poder em 2000, é que a soberania de toda nação sobre sua própria terra é a pedra fundamental sobre a qual a democracia tem possibilidade de existir – sem isso, uma terra não pode ser sequer possível uma democracia. O governo dos EUA está agora desafiando diretamente esse princípio básico e, além disso, está fazendo o mesmo em partes do território soberano da Síria, um aliado da Rússia, que depende amplamente da Rússia para ajudar a derrotar as dezenas de milhares de invasões e forças de ocupação.
Se a Rússia permitir que os Estados Unidos assumam – diretamente ou via forças da Al Qaeda ligadas ao Al Qaeda ou suas forças anti-árabes – partes do território sírio, então o líder da Rússia, Vladimir Putin, será visto como a versão atual da Grã-Bretanha. o líder Neville Chamberlain, famoso, como diz a Wikipedia, por “sua assinatura do Acordo de Munique em 1938, concedendo à Alemanha a região de Sudetos da Tchecoslováquia de língua alemã”.

Assim: Putin agora será confrontado com os vícios, ou então com base nos princípios democráticos internacionais básicos, especialmente o princípio de que a soberania de cada nação é sacrossanta e é o único fundamento sobre o qual a democracia é possível existir ou evoluir para o ser.
No entanto, este assunto está longe de ser a única maneira em que o governo dos EUA agora está desafiando a Rússia para a Terceira Guerra Mundial. Em 30 de maio, o jornal turco Yeni Safak exibiu “trens dos EUA em grupos armados na base de Tanf para um novo corredor terrorista” e informou que:
    Novas organizações terroristas estão sendo estabelecidas pelos EUA na base militar Tanf no sul da Síria, que é administrada por Washington, onde vários grupos armados estão sendo treinados para serem usados ​​como pretexto para justificar a presença dos EUA no país devastado pela guerra.
    O treinamento militar está sendo conduzido para grupos de oposição “moderados” em al-Tanf, onde tanto os EUA quanto o Reino Unido têm bases.
    Esses grupos são compostos de estruturas que foram estabelecidas através do financiamento dos EUA e não foram aceitas sob a égide de grupos de oposição aprovados pela Turquia e pela FSA.

    De Deir Ezzor para Haifa

    Alegando estar “treinando a oposição” em Tanf, os EUA estão treinando militantes de operações sob a percepção de estar “a uma distância igual de todos os grupos”.
    Além da chamada oposição que está ligada à al-Qaeda, os terroristas do Daesh [ISIS] trazidos de Raqqa, o oeste de Deir Ezzor e as Colinas de Golan estão sendo treinados no campo de Tanf. …
    O plano é transportar petróleo iraquiano para o porto de Haifa [Israel], no Mediterrâneo, através de Deir Ezzor e Tanf.
Na verdade, Deir Ezzor também é a capital da região produtora de petróleo da Síria, e, portanto, essa ação dos Estados Unidos é mais do que apenas uma rota de trânsito para o petróleo do Iraque chegar a Israel; também é (e muito) sobre a tentativa dos EUA de roubar petróleo da terra síria.

Além disso, em 23 de maio, Joe Gould da Defense News intitulado “House rejeita limite de nova ogiva nuclear” e ele relatou que a Câmara dos EUA, em cumprimento da Nuclear Posture Review da administração Trump, que visa reduzir o limiar de guerra nuclear de modo para expandir os tipos de circunstâncias em que os EUA “vão nucleares”, rejeitou, por um voto de 226 a 188, uma medida apoiada pelo Partido Democrata que se opõe à redução do limiar nuclear. 

O presidente Trump quer permissão para baixar o limite para o uso de armas nucleares em um conflito. As novas ogivas nucleares menores, uma “variante do W76-2”, têm 43% do rendimento da bomba que os EUA lançaram em Hiroshima, mas é chamada de “arma nuclear tática”, que supostamente é destinada para uso em ” guerras convencionais, de modo que é realmente concebido para eliminar completamente o princípio metaestratégico anterior, de “Destruição Mútua Assegurada” referente à guerra nuclear (que armas nucleares são justificáveis ​​apenas para prevenir outra Guerra Mundial, nunca para ganhar tal guerra) que impediu com sucesso a guerra nuclear até agora – que uma vez que um lado tenha introduzido armas nucleares em um conflito militar, iniciou uma guerra nuclear e está desafiando qualquer adversário a ir nuclear ou se render – o novo metaestratégico americano doutrina (desde 2006) é “Primazia Nuclear”: vencer uma guerra nuclear. (Veja isto e isto.)

O presidente dos Estados Unidos, Trump, está chegando ao limite, presumivelmente na expectativa confiante de que, como presidente dos Estados Unidos, ele possa agarrar com segurança qualquer território que desejar e roubar qualquer óleo ou outro recurso natural que desejar, em qualquer lugar que desejar. O governo russo, ou qualquer outra pessoa, pensa ou quer.

Embora suas palavras frequentemente contradigam isso, isso agora é claramente o que ele está, de fato, fazendo (ou tentando fazer), e a atual Câmara dos Representantes dos EUA, pelo menos, está dizendo sim a isso, como constituindo valores e políticas americanas, agora.

Trump – não em palavras, mas em fatos – é “apostar a casa” nisso.

Além disso, como eu encabelei no dia 26 de maio na Strategic Culture, “Relatório confiável alega que EUA realocam o ISIS da Síria e do Iraque para a Rússia via Afeganistão”. Trump aparentemente está tentando usar esses terroristas como – de novo como os EUA os usaram no Afeganistão para enfraquecer a União Soviética – de modo a enfraquecer a Rússia, mas desta vez até está tentando infiltrar-se na própria Rússia.


Mesmo Adolf Hitler, antes da Segunda Guerra Mundial, não investiu na jugular britânica. É difícil pensar em um líder de uma nação que tenha sido ousado. Confesso que não posso.

Autor: Eric Zuesse
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com




Nenhum comentário :

Postar um comentário