quinta-feira, 7 de junho de 2018

Ishchenko: A Ucrânia É Uma Ilusão Que Nunca Mais Existirá


Por Rostislav Ishchenko, traduzido por Jafe Arnold - 
As pessoas tendem naturalmente a esperar o melhor - mesmo que saibam com certeza que não há chances de a situação melhorar. É difícil para uma pessoa aceitar o fato de que ele não tem chance de ver seu país voltar ao normal em sua vida. É ainda mais difícil aceitar que seus filhos também não vejam a recuperação. Quando se trata de netos, ninguém jamais admitiria que um longo período de estagnação de todo um estado é possível em princípio.
Resultado de imagem para ucrania maiden
É claro que todos conhecem a situação na África Subsaariana (onde um estado normal, estável e próspero é uma exceção rara). Todos conhecemos os exemplos do Afeganistão e da Somália, onde as guerras civis estão se arrastando há meio século, sem fim à vista, que destruíram completamente a economia e lançaram as amplas massas da população de volta aos padrões de vida pré-históricas. 

Sabemos também que os palestinos têm lutado desde 1947 pela criação de seu próprio estado (de acordo com uma resolução do Conselho de Segurança da ONU), mas a quarta geração de seus filhos nasceu no exílio. As tragédias da Líbia e do Iraque, onde agora é desconhecida quando a vida normal será restaurada, recentemente se desdobraram diante de nossos olhos.
As pessoas tendem a acreditar que é suficiente mudar um mau governante (ou regime) por um bom e que então a prosperidade chegará amanhã. Todos os Maidans (“baniremos o vilão corrupto e teremos a felicidade européia”) foram construídos sobre essa propaganda. Até as forças anti-Maidan compraram o mesmo tipo de ilusão.
Vendo que o regime de Poroshenko é impressionante, os anti-fascistas ucranianos começaram a se divertir discutindo as opções de mudança de regime. O ambiente político geral contribuiu para seu otimismo - os EUA estão ocupados lutando contra a China e mergulhando em um conflito com a Europa; Líderes europeus foram a Sochi e agora foram ao Fórum Econômico de São Petersburgo para investigar a possibilidade de construir novas relações pragmáticas com a Rússia. O apoio da Ucrânia explodiu como um balão perfurado. Kiev não está mais acusando poloneses ou húngaros de "trair a Ucrânia", mas Merkel e Macron. As coisas chegaram ao ponto de os especialistas ucranianos começarem a argumentar que o notório formato da Normandia foi criado pela Alemanha (com a não resistência da França) para vender a Ucrânia à Rússia.
Em geral, todo mundo vê duas coisas. Primeiro, o regime de Kiev não é um residente permanente. Em segundo lugar, nenhum dos jogadores sérios está ansioso por lutar contra a Rússia pela Ucrânia. Conclui-se, assim, que resta apenas pouco tempo para esperar que as “Bastilles sejam invadidas” e o poder passe para as pessoas apropriadas. Então as relações com a Rússia serão restauradas e a prosperidade chegará.
Isto é uma ilusão - uma ilusão perigosa.
Recentemente tive uma longa conversa com meu amigo e colega que teve que deixar Kiev há apenas um mês. Então eu consegui falar com mais algumas pessoas que permanecem em Kiev. Todos eles estão bem cientes do fato de que não há políticos pró-russos na Ucrânia e em sua vizinhança imediata. Eles também sabem perfeitamente que todas as diferenças entre as autoridades ucranianas (quem quer que sejam) e a oposição ucraniana (quem quer que esteja nela) são apenas sobre quem consegue saquear o país e de quem é a vez de comer na palma da mão. .Eles sabem que, mesmo de acordo com dados oficiais, o PIB do país caiu duas vezes e o comércio exterior caiu três vezes. Para eles, não é segredo que as empresas de alta tecnologia ucranianas não apenas perderam os mercados estrangeiros, mas até mesmo os produtos agrícolas da Ucrânia estão sendo deslocados.
Ou seja, eles sabem que não há chances de uma rápida restauração do Estado ucraniano e da economia ucraniana após a queda do atual regime. Simplesmente não há ninguém para fazer isso. E, no entanto, eles acreditam que a Rússia fará isso e em pouco tempo retornará o bem-estar para pelo menos o nível de 2013…
Eles argumentam que, antes de tudo, a Rússia ainda não pode permitir uma "Somália Européia" em suas fronteiras. Em segundo lugar, o país [Ucrânia] tem grande potencial agrícola e de trânsito, portanto, há algo em que confiar para começar a recuperação. Em terceiro lugar, a indústria pode ser pelo menos parcialmente revivida.
Por que a expectativa de um rápido renascimento da Ucrânia é uma perigosa ilusão? Em princípio, estou inclinado a pensar que nunca haverá qualquer reavivamento dentro da estrutura do estado ucraniano. Em primeiro lugar, a fragmentação da integração da Ucrânia e dos seus fragmentos nos países vizinhos é um processo longo (um estado fundador da ONU não pode simplesmente ser tomado e liquidado "porque se quer"). Em segundo lugar, mesmo essa reviravolta não promete um “milagre econômico ucraniano” no futuro previsível.
Por quê? Porque todos os saltos econômicos significativos sempre foram alcançados sob a liderança de uma elite nacional adequada que trabalha a si mesma e aos outros na construção de um sistema de alianças políticas e econômicas internacionais de forma que o desenvolvimento da indústria nacional e o acesso aos mercados mundiais seja benéfico para os parceiros.
Os EUA investiram dezenas de bilhões de dólares na Alemanha, no Japão e na Coréia do Sul. Você pode não acreditar, mas eles também investiram dezenas de bilhões na Ucrânia (inclusive através do FMI). Se somarmos aos investimentos da UE, o número é ainda maior. Ao mesmo tempo, a Rússia, em virtude dos baixos preços da energia e de várias distorções no comércio bilateral que beneficiaram a Ucrânia, também subsidiou Kiev três vezes mais do que o Ocidente investiu. Tomados em conjunto, os empréstimos ocidentais e a assistência financeira e os empréstimos e preferências comerciais russas para a Ucrânia trouxeram mais de quatrocentos bilhões de dólares em diferentes canais ao longo dos 27 anos de independência da Ucrânia. Em outras palavras, cada dois dos três dólares do orçamento de estado da Ucrânia vem do Ocidente ou da Rússia.
E daí? No momento, a Ucrânia não tem economia, mas Kiev espera que o próximo empréstimo do FMI de um bilhão de dólares, que o país está esperando há um ano e meio (e, obviamente, não receberá), resolverá todos seus problemas.
De facto, não só foram roubadas as enormes quantias investidas na Ucrânia pelos seus parceiros multi-vector, como a própria Ucrânia - como tal - foi roubada. O território e a população permanecem, mas o estado e a economia não. não há uma elite local que esteja disposta a assumir a responsabilidade por um "milagre econômico" inovador. Os oponentes de Poroshenko estão mais uma vez prometendo ao povo “um salário de mil dólares” depois que chegam ao poder. Yatsenyuk em 2014 prometeu mais, mas agora o apetite da população empobrecida torno-se muito mais modesto.
A falta de qualquer idéia da oposição para a recuperação econômica ucraniana, bem como política externa e interna alternativa, é evidência convincente de que os oponentes de Poroshenko, que estão correndo para entrar no poder, não planejam mudar nada, exceto o nome do dono do bolso em que os fluxos financeiros desembarcam. Em tal situação, qualquer ajuda, seja da Rússia, da Europa ou até mesmo dos Estados Unidos, mesmo todos juntos, é deixada sem sentido. Os ladrões só são capazes de roubar é sua profissão. E a Ucrânia é grande demais para garantir o Estado de Direito às custas da gestão externa.
Estou horrorizado ao ver como a situação no século 17 foi repetida com uma precisão impressionante na Ucrânia . Naquela época, o território já havia deixado a Polônia, mas ainda não havia passado para a Rússia. O resultado da dominação das elites locais foi chamado de “Ruina”, um desastre civilizacional: muitas décadas de guerra civil, agitação interminável, a divisão do país e a divisão da sociedade, a destruição do país (pré-dilúvio, exportação de grãos). A economia que existia sob os poloneses, a perda da metade da população, etc. Isso soa um sino?
Tanto no século XVII, como agora, a Polônia e a Rússia não têm interesse em uma Somália européia se debatendo em suas fronteiras. Mas ninguém foi capaz de fazer nada sobre isso, já que todas as tentativas de confiar na elite local levaram ao reconhecimento de que eles estão lidando com um canalha, um ladrão e um traidor.
Dezenas de milhares de administradores inteligentes não surgirão do nada. Políticos responsáveis ​​não serão enviados de Moscou, Berlim ou Washington. Até que haja pessoas que possam efetivamente usar a ajuda externa, não haverá ajuda. O mesmo vale para ajuda humanitária (sob a proteção de capacetes azuis).
A queda do regime de Kiev não significa automaticamente um milagre econômico. O regime teve apenas opositores políticos, não econômicos, e simplesmente não há ninguém para perseguir uma nova política econômica.
O círculo está fechado. Tudo o que resta é esperar que a situação internacional se desenvolva de tal forma que os vizinhos da Ucrânia possam restaurar a ordem em suas fronteiras e trazer os sobreviventes de volta à civilização. Exceto que isso não vai acontecer tão cedo.



Nenhum comentário :

Postar um comentário