segunda-feira, 4 de junho de 2018

Obrigado Camarada Trump: "Tornar A América Grande Novamente" É Um Colapso Do Atlantismo


Por Rostislav Ishchenko, traduzido por Jafe Arnold -
A Ucrânia fez [sem querer] muito para fazer a Europa entender e aceitar a necessidade de reconciliar-se com a Rússia, esquecer as sanções e começar a replanejar o seu destino - para iniciar a transição do euro-atlântico para o euro- Escolha asiática. Tendo em conta o último episódio com Babchenko, Poroshenko, Gritsak e Lutsenko, que viu os políticos europeus e a mídia como o público, a Ucrânia fez mais do que depender dele.
Resultado de imagem para trump união europeia
No entanto, a coisa é: absolutamente nada dependeu da Ucrânia. Daí porque os esforços de Kiev resultaram em zero resultados. E não importa quantos zeros você tenha, você ainda tem zero.

Apesar do facto de muitos dos meus colegas terem ficado impressionados com a estupidez implausível total do regime de Kiev e terem elevado os políticos ucranianos e o papel do próprio Petro Poroshenko no centro da conciliação russo-europeia, considero o meu dever restaurar a justiça atropelada e apontar para o verdadeiro pacificador, o verdadeiro roteirista e diretor da inevitável e sincera reconciliação russo-européia. Todos vocês conhecem essa personalidade incomparável e extraordinária: o presidente dos EUA, Donald Trump.
Sim, é para ele que devemos ser gratos pela epifania da Europa. E não é sobre os pequenos fracassos dos EUA nas frentes da Coréia e da Síria. Antes de Trump, outros presidentes sofreram derrotas nesses tipos de casos. Além disso, Assad e o terceiro Kim revelaram-se duros de roer, teimosos em sua defesa, espertos em sua diplomacia e prontos para ir até o fim. Não é que Trump tenha tido azar com seus parceiros ucranianos. Afinal de contas, não foi Trump quem os levou ao poder, nem quem os selecionou e preparou. A incubadora desses imbecis foi criada pelos americanos na Ucrânia não apenas antes de Obama, mas antes de Bush Jr. Os principais eventos ocorreram na era [Bill] Clinton. Os próprios europeus participaram desta seleção negativa de uma elite ucraniana.
Os Estados Unidos experimentaram problemas semelhantes e até mesmo muito mais graves antes (a crise dos mísseis cubanos, o embargo do petróleo árabe, derrota na guerra do Vietnã, o fracasso da operação de libertar a embaixada americana em Teerã, a morte em massa de fuzileiros navais no Líbano e forças especiais na Somália, etc.), mas a Europa nunca manifestou o desejo de encontrar uma alternativa à aliança com Washington.
E então aconteceu o Fórum Econômico de São Petersburgo. Mas os contratos maciços de bilhões de dólares com empresas européias, incluindo aqueles assinados que contornaram as sanções, não significam nada. As empresas americanas também assinaram contratos semelhantes por bilhões de dólares. Isso é agradável, pois mostra o fracasso da estratégia de sanções do Ocidente, mas não afeta a relação entre a Europa e os Estados Unidos. Mesmo o grande número de participantes no fórum é apenas uma evidência do fracasso da política de isolar internacionalmente a Rússia. Bem, os EUA não conseguiram isolar a URSS, mas conseguiram destruí-la - com o apoio europeu, a propósito.
Tudo o que aconteceu em São Petersburgo, em 2018, também aconteceu há um ano ou dois. Exceto por uma coisa. Até agora, não havia o presidente francês, Emmanuel Macron (que simboliza a UE), o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe (personificando os aliados orientais dos EUA) e a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde (representando organizações financeiras internacionais). agindo como se fossem o séquito do presidente russo e nem mesmo tentando esconder sua inferioridade a Vladimir Putin.
Até agora, havia apenas um político no mundo por trás do qual eles concordaram em recuar - o presidente dos Estados Unidos da América ... Sua auto-humilhação demonstrada em São Petersburgo significa apenas uma coisa - um novo líder apareceu no mundo e eles o reconheceram realizando uma dança ritual apropriada ao redor dele.
E isso não é tudo. Pouco antes do fórum econômico de São Petersburgo em Sochi, Putin foi visitado por uma peregrinação em massa dos líderes da UE que não podiam ir a São Petersburgo, ou cujos problemas não podiam ser adiados. Uma parte significativa dos líderes ocidentais visitou a recepção do Presidente da Rússia (em Sochi ou em São Petersburgo), verificando a sua disponibilidade para mudar para um novo campo e investigar o terreno quanto à possibilidade de negociar condições exclusivas de cooperação. Merkel, Macron, Abe, Lagarde - a nata do establishment globalista, as pessoas que cimentaram a fundação da autoridade americana sobre o Ocidente coletivo - de repente se revelaram não apenas no evento de Putin, mas também ativamente e sinceramente criticaram os EUA.
Eles ainda não saíram de Washington, mas já estão procurando uma saída e estão estudando de perto um líder alternativo.
Então, o que aconteceu e o que Trump tem a ver com isso?
Como podemos recordar, a luta nas eleições de 2016 não foi apenas entre o candidato republicano e o candidato democrata, mas entre o globalista Clinton e Trump, que não era bem merecidamente, mas tecnicamente corretamente chamado de nacionalista americano.
A política de Clinton era clara. Ela se ofereceu para continuar a aumentar a pressão ocidental sobre os opositores (Rússia, China e seus aliados), esperando que a total superioridade de recursos do Ocidente lhes permitisse vencer a corrida pela liderança e que as conseqüências irreversíveis da guerra econômica quebrassem a Rússia e a China. antes que o Ocidente sentisse seu impacto. Os custos da guerra (econômica ou híbrida) deveriam ser cobertos pelos troféus após a vitória.
Trump criticou essa estratégia, argumentando que ela é perseguida há mais de uma década e que Washington está mais longe dos resultados do que há uma década ... Trump partiu do fato de que os Estados Unidos estão perdendo recursos muito mais rápido do que seus oponentes pela crise permanente, enquanto a Rússia resistiu à crise global com relativa calma. Por isso, ele propôs mudar a estratégia dos EUA, concentrar-se principalmente nos problemas internos dos Estados Unidos e apenas retornar à política de confronto com a Rússia. A fim de "tornar a América grande novamente", Trump precisou reduzir a atividade da política externa, passar para uma política de isolacionismo total ou parcial e redirecionar os fundos destinados à política externa agressiva para a solução de problemas internos.
Trump chegou ao poder com sucesso. E então descobriu-se que, apesar da precisão de seu diagnóstico e da correção fundamental de seu plano de tratamento, ele não conseguia implementar seu programa como um todo. Não é coincidência que o caminho de Trump tenha sido aguerrido, e que ele tenha sido ameaçado de impeachment, apenas na medida em que ele não concordou em deixar a política externa ao feudo dos falcões e se concentrar na solução de problemas econômicos.
No final, Trump mais uma vez derrotou seus oponentes e não apenas manteve o poder, mas também criou uma boa reserva para a reeleição para um segundo mandato. Agora a popularidade de Trump nos EUA mostra níveis altos recordes. Mas sua popularidade entre os europeus está sofrendo.
O ponto é que , deixando a política externa para os falcões, Trump deu um passo forçado, não forçado pela resistência dos globalistas, mas pela realidade objetiva. Os Estados Unidos não podem adotar uma política isolacionista em prol de sua economia, desde que a maior parte de seu consumo interno seja alcançada por meio de trocas desiguais que só podem ser mantidas pela hegemonia político-militar.
Ao mesmo tempo, entretanto, Trump não recuou de políticas protecionistas, tentando no mínimo reduzir o saldo negativo do comércio exterior. Aqui ele automaticamente pisou nos interesses não só da China, mas também da UE e do Japão. Além disso, em um esforço para reduzir o déficit orçamentário dos EUA, ele começou a insistir em um aumento acentuado nas contribuições dos aliados para a Otan. Em essência, o que Trump fez foi simultaneamente envolver-se na dura competição econômica com a UE e exigir que a UE aumentasse seus atuais gastos militares.
Se antes que a parceria com os Estados Unidos proporcionasse à Europa a oportunidade de gastar quase nenhum dinheiro em segurança e receber bons dividendos, recebendo uma parte igual do roubo do resto do mundo, então agora está claro que, por causa de sua salvação, os Estados Unidos estão perdendo a capacidade de roubar o resto do mundo e então decidiu começar a roubar a Europa.
E a UE decidiu se defender. Mas isso requer uma alternativa ao sistema americano de segurança e desenvolvimento econômico. E só a Rússia pode fornecer isso.
Trump, impulsionado pelo desejo de restaurar o poder industrial e a estabilidade financeira dos EUA, em um confronto com a realidade, foi forçado a tomar medidas que poderiam lhe trazer sucesso se a Europa não se contorcesse e concordasse em se sacrificar pelas ambições americanas.
Mas a UE começou a revidar, o restante dos aliados também se lembrou de “interesses eternos”, e os EUA se viram em uma situação em que Washington seria ameaçado de isolamento se seus aliados se transferissem para a Rússia. Obrigado Trump por suas boas intenções.



Nenhum comentário :

Postar um comentário