quinta-feira, 12 de julho de 2018

FORÇAS ARMADAS RUSSAS ESTÃO MUITO MAIS MORTÍFERAS AGORA GRAÇAS À EXPERIÊNCIA DE COMBATE SÍRIA.


A intervenção permitiu que a Rússia desenvolvesse ainda mais seu hardware, táticas e acima de tudo – seus comandantes militares.

A Rússia está disposta a manter suas forças na Síria, apesar das perdas potenciais, porque o Kremlin acredita que os benefícios superam os custos. Do ponto de vista russo, a campanha de Moscow na Síria proporciona à experiência de combate inestimável do Kremlin que está ajudando a refinar as capacidades de suas forças militares.


“O uso de nossas forças armadas em condições de combate é uma experiência única e uma ferramenta única para melhorar nossas forças armadas”, disse o presidente russo Vladimir Putin durante uma sessão pública de perguntas e respostas em 7 de junho. as forças armadas em condições de combate.”

Ganhando Experiência de Combate

Na opinião do Kremlin, uma das razões mais importantes para a Rússia continuar sua campanha na Síria é refinar ainda mais sua recém desenvolvida capacidade de ataque guiada por precisão. “A Síria não é um campo de tiro para armas russas, mas ainda as estamos usando, nossas novas armas”, disse Putin. “Isso levou à melhoria dos modernos sistemas de ataque, incluindo sistemas de mísseis. Uma coisa é tê-los e outra coisa é ver como eles se saem em condições de combate.”

Putin observou que a Síria também provou ser importante para a indústria de defesa da Rússia – que obteve informações valiosas sobre como as forças do Kremlin usam seu hardware em combate. “Quando começamos a usar essas armas modernas, incluindo mísseis, equipes inteiras de nossas empresas do setor de defesa foram até a Síria e trabalharam lá no local – é extremamente importante para nós – finalizá-las e descobrir com o que podemos contar quando usando-os em condições de combate”, disse Putin.

O campo de provas sírio da Rússia

Mas a Síria provou ser mais do que apenas um campo de provas para a tecnologia militar da Rússia. A campanha da Síria ajudou a Rússia a desenvolver mais seus líderes militares e forneceu ao seu corpo de oficiais uma experiência real de combate. Isso, por sua vez, permitiu que as forças russas melhorassem muito suas táticas, técnicas e procedimentos.

“Nossos comandantes – tivemos um grande número de oficiais e generais na Síria e participaram dessas hostilidades – começaram a entender o que é um conflito armado moderno, como é importante a comunicação, a inteligência, a interação entre as unidades de armas e as formações, como é importante assegurar o funcionamento eficaz do grupo aeroespacial, aviação, forças terrestres, incluindo forças de operações especiais”, disse Putin. “Isso nos permitiu dar mais um passo importante na melhoria de nossas forças armadas.”

Michael Kofman, pesquisador do Centro de Análises Navais especializado em assuntos militares russos, observou que a guerra do Kremlin na Síria provou ser inestimável para Moscow como uma linha de treinamento de fogo real. “Grande parte do alto escalão militar passou pela Síria, e assim tem uma porcentagem substancial da força aérea”, disse Kofman. “A maioria dos comandantes distritais e comandantes do exército de armas combinadas gastaram tempo com o pessoal na Síria. A Síria é agora a boa guerra, projetada para sangrar as forças armadas russas e um canal de treinamento sustentável para oficiais superiores.”

De fato, grande parte do financiamento para a campanha do Kremlin na Síria é tirada do orçamento de treinamento militar russo. “O dinheiro para a guerra é retirado da parte de treinamento de combate do orçamento militar”, disse Vasily Kashin, membro sênior do Centro de Estudos Europeus e Internacionais Globais da Escola Superior de Economia de Moscow. “Todos os novos equipamentos foram testados em combate – até mesmo os tipos ainda não aprovados para produção em série, dezenas de milhares de policiais tiveram experiência real em combate. Gastar a mesma quantia de dinheiro em treinamento não teria os mesmos resultados.”

Quanto aos treinamentos e lições aprendidas, os russos acreditam que a guerra é essencialmente neutra em termos de custos. “É claro que é extremamente importante e, em certo sentido, está se pagando”, disse Kashin.

Lições aprendidas

A lição mais importante que os militares russos aprenderam na Síria é a necessidade de o poder aéreo se coordenar estreitamente com as forças terrestres. “Na Síria, primeiro, as Forças Aeroespaciais da Rússia aprenderam a lutar e começaram a aprender a lutar em apoio às forças terrestres”, disse Kofman. “Aqui as unidades das forças especiais e os assessores lutaram uma batalha separada, mas cada vez mais eles começaram a integrar o poder aéreo com as operações terrestres em tempo real.”

Os militares russos também aprenderam rapidamente as limitações de seus sensores e sistemas de armas. “Os russos rapidamente descobriram que, embora tivessem as plataformas, suas armas e sistemas ainda eram inadequados para empregos precisos”, disse Kofman. “O SVP-24 [visores de bombas computadorizadas] acrescentou uma precisão considerável, mas eles tiveram que voar muito alto e, finalmente, as munições russas são grandes demais para o trabalho. Eventualmente, a força de helicópteros veio como um dos poucos componentes que tem a capacidade de fornecer PGMs [munições guiadas com precisão] contra alvos móveis.”

Embora a campanha da Síria tenha exposto pontos fracos nas armas, sensores, táticas e treinamento da Rússia, ela também proporcionou a Moscow uma oportunidade para lidar com essas deficiências. Os russos obtiveram enormes ganhos de capacidade desde o início de sua campanha na Síria em 2015. “Com o tempo, eles refinaram o complexo de reconversão, desenvolvendo a capacidade de envolver os alvos quase em tempo real”, disse Kofman.

O custo da guerra

Mas os ganhos da Rússia na Síria não vieram sem um preço – Moscow perdeu tanto homens quanto material durante sua intervenção naquela nação devastada pela guerra. Putin reconheceu que as forças russas haviam perdido tanto tropas quanto equipamentos durante a intervenção do Kremlin na Síria para apoiar o regime de Assad. “Sabemos que o uso das forças armadas em condições de combate significa perdas”, disse Putin. “Nunca esqueceremos essas perdas e nunca deixaremos as famílias dos nossos camaradas, que não voltaram para casa da Síria, em apuros.”

Como a Rússia preparou a operação no território da Síria. Clique na imagem para ampliar
[res. 1200 × 2118]
Apesar das perdas, Putin insiste que as operações militares russas na Síria são necessárias para garantir os interesses vitais de Moscow na região. Além disso, enquanto Putin insiste que a Rússia cessou as principais operações de combate dentro da Síria, Moscow não retirará suas forças da região tão cedo. “Nossas forças militares estão lá para garantir os interesses da Rússia nesta região vitalmente importante do mundo, que é muito próxima a nós, e eles estarão lá enquanto beneficiar a Rússia e em cumprimento de nossos compromissos internacionais”, disse Putin.

Apoio Doméstico à Campanha da Síria da Rússia

No entanto, Putin – talvez consciente de que a população russa não está a bordo com um compromisso ilimitado no Oriente Médio – disse que Moscow não pretende permanecer permanentemente na Síria. “Não estamos planejando retirar essas unidades, mas estou chamando sua atenção para o fato de que eu não chamei essas bases de locais”, disse Putin. “Não estamos construindo estruturas de longo prazo e podemos retirar rapidamente todos os nossos membros do serviço sem perda material. Até agora, eles são necessários, eles estão cumprindo tarefas importantes, incluindo garantir a segurança da Rússia naquela região e garantir nossos interesses na esfera econômica.”

Putin se esforçou para enquadrar a intervenção de Moscow na Síria em termos de ameaças diretas à pátria russa. Putin defendeu seu povo que é melhor combater os extremistas islâmicos das repúblicas da Ásia Central da antiga União Soviética na Síria, e não em casa, na própria Rússia. “Deixe-me lembrá-lo que milhares de militantes, nativos de países da Ásia Central, com os quais não temos fronteiras controladas, estão se concentrando em território sírio”, disse Putin. “Era melhor lidar com eles e destruí-los lá do que enfrentá-los com força letal aqui.”

Kashin observa que as pesquisas mostram que a população russa apóia a guerra do Kremlin na Síria. “Em geral, a maioria das pessoas apóia a campanha síria”, disse Kashin. “Mas apenas uma minoria de pessoas realmente se preocupa com a campanha síria”.

De fato, a porcentagem do público russo que se interessa ativamente pela campanha na Síria geralmente gira em torno de um quinto da população. “Quando algo realmente acontece lá, haveria cerca de 30% das pessoas que realmente estão investigando”, disse Kashin. Quando nada importante acontece, seriam apenas cerca de 20% realmente interessados. Mas entre as pessoas que realmente se importam com a campanha – o que significa que passam tempo lendo e assistindo – o apoio à guerra é esmagador”.

A razão para esse apoio é que os russos que estão prestando atenção à campanha acreditam que é melhor para Moscow combater elementos extremistas na Síria, e não dentro da própria Rússia. “A explicação de que estamos matando pessoas que de outra forma viriam aos antigos territórios soviéticos parece lógica”, disse Kashin.

A Síria é realmente um dos interesses vitais da Rússia?

Embora o Kremlin possa afirmar que sua campanha na Síria é de vital interesse para a Rússia, há espaço para considerável ceticismo. “Em suma, a liderança russa vê a Síria como uma campanha importante e de valor estratégico em termos de interação com os Estados Unidos”, disse Kofman. “No entanto, não é um interesse vital. Se fosse, Putin não estaria enfatizando a rapidez com que eles estão posicionados para sair. Ao contrário, Moscow está de olho em quanto está alavancado nesse conflito e certificando-se de que não há nada lá que não possa ser retirado a curto prazo”.

Em última análise, a Rússia está disposta a manter o rumo na Síria, desde que o Kremlin obtenha mais benefícios do que os custos. Por enquanto, a campanha do Kremlin na Síria está colhendo benefícios impressionantes de Moscow como um campo de treinamento de fogo real onde as forças russas podem testar seus homens e materiais em uma guerra real enquanto incorrem em riscos mínimos. Assim, é uma oportunidade para a Rússia refinar não apenas sua tecnologia militar, mas também suas táticas, técnicas e procedimentos em condições operacionais reais. E, como tal, a Síria é inestimável para as forças armadas russas ganharem experiência de combate enquanto o Kremlin luta para reconstruir a Rússia como uma grande potência capaz de competir frente a frente com os Estados Unidos.

Autor: Dave Majumdar
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário