sábado, 7 de julho de 2018

O IMPÉRIO DAS CORPORAÇÕES ANULA A SOBERANIA. COMO OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO ENGANAM O PÚBLICO SOBRE AS FACILIDADES DE COMÉRCIO ENTRE NAÇÕES.


Os meios de comunicação enganam o público sobre “Fast Track” e “Trade bills”. Poderiam estes métodos ser adotados nas tomadas de comércio em países sulamericanos como Brasil e Argentina, devido a ascensão nestes países das figuras neoliberais que são subservientes ao império das corporações multinacionais?



A forma como o norte-americano “Fast Track” (na tradução ao pé da letra algo como atalho) foi descrito para o público americano é um método alternativo para o Senado nos EUA lidar com as “Tomadas Comerciais” (TPP e TTIP) que o presidente apresentar ao Senado para sua aprovação; e esse método alternativo é aquele em que “nenhuma emenda é permitida e haverá uma votação direta para cima ou para baixo do projeto”.


Mas, na verdade, o método “Fast Track”, na verdade, exige que apenas 50 senadores votem “sim” para que a medida seja aprovada pelo Senado, ao passo que o método descrito e requerido na Constituição dos EUA (Seção 2) é que o Presidente “terá o poder, por e com o parecer e consentimento do Senado, para fazer tratados, desde que dois terços dos senadores presentes concordem.” Não são 50 senadores; são 67 senadores, que a Constituição exige.

Em outras palavras: “Fast Track Trade Promotion Authority” (que foi inventado pelo presidente imperial Richard Nixon em 1974, a fim de promover sua meta de um executivo ditatorial, onde a presidência se tornaria uma ditadura) reduz a aprovação constitucionalmente exigida de 67 Senadores para apenas 50 senadores.

Esta regra de dois terços é estabelecida na Constituição, a fim de tornar especialmente difícil a aprovação de qualquer tratado que os Estados Unidos tenham com qualquer país estrangeiro. O mesmo requisito de dois terços é estabelecido para a emenda da Constituição, exceto que isso é uma exigência de dois terços na Câmara e no Senado: pode ser feito “por: dois terços (a maioria absoluta) do Senado e do Senado”. Câmara dos Representantes…; ou por uma convenção nacional reunida a pedido das legislaturas de pelo menos dois terços (atualmente 34) dos estados.”

Conseguir dois terços de qualquer das duas casas do Congresso para votar em um projeto de lei é raro e difícil, mas aconteceu 27 vezes, porque todo o processo foi público e porque havia amplo apoio de cada emenda.

Por outro lado: os tratados comerciais propostos pelo presidente Obama ainda são secretos.

A diferença entre 50 senadores contra 67 senadores é, essencialmente, a diferença entre um tratado que é discutido publicamente e amplamente aceito pelo público americano (o povo, afinal, que votou nos membros do Congresso); contra um tratado secreto que será amplamente inaceitável para o público americano quando o público da América se tornar informado de seu conteúdo, o que não acontecerá até anos após o tratado já ter entrado em vigor.

Esta é a razão pela qual apenas uma pequena fração das autênticas “contas de comércio” precisa mesmo de “Fast Track Trade Promotion Authority” para passar; a maioria das contas comerciais são aprovadas normalmente. Um presidente não pede a “Autoridade de Promoção do Comércio Fast Track”, a menos que ele vá apresentar ao Congresso um tratado que é tão horrível para o povo americano que poucos membros da Câmara ou do Senado votariam por ele – a conta precisa de “Fast Track” para poder passar.

Quais tipos de “contas de comércio” são essas?

Tratam-se de tratados nos quais apenas uma pequena fração do tratado tem a ver com “Comércio”, ou com tarifas e outros favoritismos legais relativos a uma nação em oposição a outra. Em outras palavras: elas são leis para ceder nossa soberania nacional a corporações internacionais. As questões de tarifas e outras disputas de “comércio” entre as nações são colocadas nesses tratados multinacionais para enganar o público e pensar que tudo o que está em questão é “comércio”.

Nunca confunda luta pela liberdade com a construção de um império corporativo.
Agora, é verdade que o “Fast Track” também elimina a capacidade dos membros do Senado de propor uma emenda ao tratado que o Presidente está apresentando para aprovação. Mas essa é uma característica relativamente pequena de “Fast Track”, que foi incluída no conceito para que “Fast Track” possa ser descrita pelos políticos e pela mídia “news” como sendo uma questão menor – não é “grande coisa”, ceder a soberania a corporações internacionais.

Não é um assunto menor; é o assunto mais importante na Presidência inteira do presidente Obama: trata-se de tratados internacionais escandalosamente ruins com muitas nações ao mesmo tempo, nos quais as corporações internacionais (ou seja, os cerca de cem indivíduos que detêm os interesses de controle delas) vão receber a nossa soberania nacional e democrática sobre os direitos trabalhistas, os direitos dos consumidores, os direitos ambientais e os direitos dos investidores – é tudo o que esses bilionários podem imaginar para transmitir ao público os danos que eles fazem, mantendo para si todos os benefícios dos líderes O jogo cabeça-eu-ganho-calda-você-perde eles estão jogando com o público dos EUA e de todos os outros países signatários. É fascismo internacional, não apenas fascismo do tipo local.


E é isso que temos agora.

dinamicaglobal



Nenhum comentário :

Postar um comentário