quinta-feira, 22 de junho de 2017

CRIMES DE GUERRA DOS EUA NA SÍRIA.


O governo dos Estados Unidos é culpado de crimes de guerra. Esta é a principal conclusão alcançada pela comissão internacional independente de inquérito criada pelas Nações Unidas em 2011 para investigar as violações dos direitos humanos decorrentes da prolongada guerra apoiada pelos EUA para a mudança de regime na Síria.
A implacável campanha de bombardeio do Pentágono na cidade de Raqqa, no norte da Síria, a chamada “capital” do Estado Islâmico do Iraque e da Síria (ISIS), provocou uma “perda impressionante de vidas civis”, ao mesmo tempo em que forçou mais de 160 mil civis a fugir de suas casas, afirmou na quarta-feira, Paulo Pinheiro, presidente da comissão de inquérito da ONU.

Forças armadas norte-americanas derrubaram dezenas de milhares de munições em Raqqa e nos arredores, matando e mutilando milhares de homens, mulheres e crianças sírias. As unidades dos fuzileiros navais dos EUA, que aumentaram constantemente as forças terrestres desdobradas ilegalmente no solo sírio, desencadearam mais poder de fogo letal, disparando obusos de 155mm em bairros urbanos lotados e helicópteros de ataque Apache para fornecer suporte aéreo próximo às chamadas Forças Democráticas Democráticas. Esta força de procuração de Washington é dominada pela milícia do YPG curda e “aconselhada” pelas tropas das Operações Especiais dos EUA.
O assédio sangrento de Raqqa está se desenrolando, mesmo quando o Pentágono está realizando um massacre semelhante, iniciado em outubro passado, em Mosul, uma cidade iraquiana a 232 milhas a leste que uma vez se vangloriou de uma população de mais de 2 milhões. A maioria de Mosul foi pulverizada por bombas, foguetes e projéteis dos EUA. Milhares foram mortos e feridos, enquanto muitos permanecem ainda enterrados sob os escombros.

Armas de crueldade.

O escopo dos crimes de guerra que está sendo levado a cabo pelo Pentágono se aproxima mais acentuadamente com os relatórios verificados de que as unidades de artilharia dos EUA estão disparando projéteis de fósforo branco em Raqqa e Mosul. Essas armas químicas incendiárias, proibidas de acordo com o direito internacional para uso em áreas povoadas, inflamam a carne humana em contato, queimando-a até os ossos, enquanto aqueles que respiram os gases liberados pelas conchas sufocam e queimam de dentro para fora. As feridas horríveis causadas por essas armas reabriam quando expostas ao ar. O fósforo branco é usado para atacar os que estão sob ataque.
Outra arma assassina empregada contra as populações de Raqqa e Mosul é o foguete MGM-140B. Disparado de um lançador de foguete móvel, a arma detona no ar, espalhando cerca de 274 granadas anti-pessoal, cada uma das quais é capaz de matar qualquer pessoa dentro de um raio de 15 metros.
Uso de uma arma química mortal em Mosul pelos EUA (Fonte: Murica Today)
No mês passado, o secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, disse à mídia que o Pentágono estava adotando
    “Táticas de aniquilação” em sua campanha anti-ISIS, acrescentando: “As baixas civis são um fato da vida nesse tipo de situação”.
Mattis, um general da marinha recentemente aposentado, a quem os militares apelidaram de “Mad Dog”, ele sabe do que fala. Em 2004, liderou os dois assaltos assassinos de Fallujah que reivindicaram a vida de milhares de iraquianos e, como nas últimas atrocidades dos EUA, utilizaram conchas de fósforo branco contra uma população civil.

As intervenções militares dos EUA no Iraque e na Síria não visam “aniquilar” o ISIS, o produto da invasão e ocupação do Iraque de 2003, seguido pela utilização de Washington de combatentes islâmicos como forças terrestres de procuração nas guerras de mudança de regime na Líbia e na Síria. Enquanto Raqqa foi cercada por forças apoiadas pelos EUA no norte, leste e oeste, uma rota de fuga para combatentes ISIS foi aberta no sudeste, a fim de canalizá-los para a província de Deir al-Zour, para que eles possam lutar contra o Exército sírio lá. Da mesma forma, um grande número de combatentes ISIS foram autorizados a fugir de Mosul, cruzando a fronteira para a Síria para o mesmo propósito.

Os objetivos estratégicos de Washington no Iraque e na Síria não são os de “combater o terrorismo”, mas sim consolidar a hegemonia dos EUA no Oriente Médio rico em petróleo e se preparar para a guerra contra os principais obstáculos a esse objetivo, o Irã e a Rússia. Para o imperialismo dos EUA, o controle incontestável sobre o Golfo Pérsico e a Ásia Central proporcionaria os meios para cortar o fornecimento de energia ao seu rival global, a China.

Esses objetivos predatórios são a fonte de crimes de guerra, e não apenas no Iraque e na Síria. No Iêmen, Washington está apoiando uma guerra quase genocida liderada pela monarquia saudita com o objetivo de enfraquecer a influência do Irã no Golfo Pérsico. Durante a visita a Riad no mês passado, o presidente Donald Trump anunciou um acordo de armas de US$ 110 bilhões com o reino, que, em primeira instância, reabastecerá as bombas e os mísseis que está chovendo sobre a população da nação mais empobrecida do mundo árabe.
O presidente Donald Trump e o rei Salman bin Abdulaziz Al Saud, da Arábia Saudita, assinam uma Declaração Conjunta de Visão Estratégica para os Estados Unidos e o Reino da Arábia Saudita, durante as cerimônias, no sábado, 20 de maio de 2017, no Royal Court Palace, em Riyadh, na Arábia Saudita . (Foto Shealah Craighead, oficial da Casa Branca.)
Este pacote de armas segue acordos similares assinados pela administração Obama, que também forneceu aos sauditas ajuda logística e de inteligência para a guerra do Iêmen, incluindo o reabastecimento no meio do ar para seus aviões de guerra e apoio naval dos EUA para um bloqueio que está motando de fome a população e negando suprimentos médicos. Além de matar 12 mil pessoas, a guerra dos EUA e da Arábia Saudita deixou pelo menos 7 milhões de iemenitas à beira da fome, enquanto a cólera está ameaçando matar milhares. Save the Children informa que, em média, uma criança iemenita está contraindo a doença a cada 35 segundos.

Enquanto isso, Washington está se preparando para escalar a matança prolongada no Afeganistão. As autoridades dos EUA informaram terça-feira que Trump autorizou Mattis a estabelecer níveis de tropas no país, que os EUA ocuparam desde 2001. Espera-se que milhares de soldados sejam implantados, com o objetivo de realizar as “táticas de aniquilação” favorecidas pelo secretário de Defesa. Um gosto do que está por vir foi visto na segunda-feira, quando as tropas dos EUA, cujo comboio atingiu uma bomba na estrada, abriram fogo indiscriminadamente sobre civis, matando um trabalhador do forno de tijolos e seus dois filhos com idades entre os oito e os 10.

À medida que essas atrocidades se desenrolam através de um campo de batalha global em constante expansão, o que é impressionante é a ausência de qualquer oposição organizada aos crimes de guerra dos EUA. As guerras contínuas nem sequer são assunto de debate no Congresso e são apoiadas por democratas e republicanos. A mídia, um fiel braço de propaganda do Pentágono e da CIA, mostrou um completo desinteresse nos crimes de guerra dos EUA, prestando atenção apenas quando são feitas denúncias contra a Rússia ou o governo sírio.

Além disso, enquanto as massas de trabalhadores nos EUA e em todo o mundo se opõem à guerra, os grupos de pseudo-esquerda que iniciaram os protestos contra a guerra da classe média nos anos 60 e 70 abandonaram a oposição verbal mesmo à agressão militar dos EUA. Refletindo os interesses das camadas da classe média privilegiada, grupos como a Organização Socialista Internacional nos EUA, o Partido da Esquerda na Alemanha e o Novo Partido Anti-capitalista na França articularam a política desse novo círculo eleitoral para o imperialismo, justificando intervenções neocoloniais em nome dos “direitos humanos” e retratando operações de mudança de regime da CIA, como na Líbia e na Síria como “revoluções”.

O surgimento de um verdadeiro movimento anti-guerra é hoje uma questão de vida e morte, já que os crimes de guerra perpetrados por Washington em todo o mundo ameaçam se unir a um conflito global envolvendo as principais potências nucleares.


Autor: Bill Van Auken
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário