domingo, 25 de junho de 2017

OTAN: DESTRUINDO A HISTERIA SOBRE A “AMEAÇA” DA RÚSSIA NA REGIÃO DE KALININGRADO.


Em 5 de junho, a presidente da Lituânia, Dalia Grybauskaite, disse que ter Rússia e Bielorrússia no mesmo bairro é uma grande ameaça para os países bálticos e para a Polônia. Segundo ela, a militarização da região de Kaliningrado e o uso do território da Bielorrússia para “várias experiências militares e jogos agressivos dirigidos contra o Ocidente” também são perigos significativos.
Kaliningrado, Rússia.
A presidente da Lituânia falou sobre o exercício militar bielorrussso-russo Zapad-2017 (oeste 2017) como parte dos “jogos agressivos” e desafios. As autoridades lituanas acreditam que podem servir de prelúdio a uma invasão armada e posterior ocupação. Grybauskaite quer que a “ala oriental” da OTAN (Estados Bálticos e Polônia) seja saturada com sistemas de defesa aérea e outras armas, tanto quanto possível.

A aliança deve apresentar um plano para combater um bloqueio dos Estados Bálticos no caso de o chamado corredor de Suwalki ser capturado pelo inimigo. O presidente acredita que a Lituânia, a Letónia, a Estônia e a Polônia devem falar por unanimidade sobre estes e outros desafios na cúpula dos líderes da OTAN no verão de 2018.

Isso faz parte de uma campanha de informação para fazer com que a Rússia pareça um valentão militarizando a região para ser usada como um trampolim para agressão. A Polônia e os Estados Bálticos são pintados como vítimas inocentes a quem devem ser oferecidas com urgência a ajuda da OTAN e da UE.

Enquanto isso, a OTAN está realizando o exercício Sabre Strike (28 de maio a 24 de junho) em vários locais em toda a Estônia, Letônia, Lituânia e Polônia. Mais de 2.000 soldados e aviadores da Letônia, Lituânia, Itália, Noruega, Reino Unido, Polônia, Eslováquia e os EUA estão participando do evento de treinamento. Dois bombardeiros estratégicos В-1В e três B-52H dos EUA voaram para a Grã-Bretanha (estação RAF Fairford em Gloucestershire, Inglaterra) para participar dos exercícios Sabre Strike, bem como os exercícios Baltops no Mar Báltico de 1 de junho a 20 de junho. RC- 135W, RC-135U, AWACS da OTAN e Gulfstream sueco 4, bem como bombardeiros estratégicos dos EUA, chegaram tão perto quanto 50-60 km das fronteiras russas.

Ao todo, as atividades da OTAN na região do Báltico se intensificaram. 12 exercícios já foram realizados este ano.

A Rússia é chamada de principal ameaça na nova doutrina de defesa polonesa apresentada em maio. Decisões são tomadas para impulsionar seu poder naval. Varsóvia planeja aumentar o Exército em até 50% nos próximos anos, com pelo menos três brigadas de defesa territorial a serem implantadas na fronteira leste do país.

A Polônia selou um contrato com os EUA para adquirir capacidade de primeiro golpe, representando uma ameaça para a Rússia. Em novembro passado, o Departamento de Estado dos EUA aprovou a venda para a Polônia de 70 mísseis AGM-158B JASSM-ER (faixa extensa) com uma faixa operacional de 1000 + km (620 mi) – uma arma stealth efetiva para eliminar os principais locais de infra-estrutura estacionária localizados profundamente no território da Rússia. A Rússia está seriamente ameaçada, enquanto este tema particular é mantido fora do discurso público no Ocidente.
A Polônia vem implementando planos para formar uma força de defesa territorial paramilitar de 50.000, uma componente de reserva militar planejada do exército regular, desde 2015. Aproximadamente 20.000 guardas se juntarão às fileiras da nova força em 2017. O país está a caminho de tornar-se um poder militar regional com a “ameaça” da Rússia usada como espectro para justificar os planos.

A OTAN está construindo infra-estrutura para presença militar permanente perto das fronteiras russas. A implantação viola a Lei de Fundação Rússia-OTAN (1997). Ao assinar o documento, a OTAN prometeu não buscar “estações permanentes adicionais de forças de combate terrestres substanciais” nas nações mais próximas da Rússia “no atual e previsível ambiente de segurança”.
Existe algum motivo para criar tumulto sobre uma “ameaça” alegadamente proveniente da região de Kaliningrado? Dificilmente.
Enquanto a OTAN está implantando uma força militar multinacional nos três Estados bálticos e na Polônia, a Rússia é bastante passiva na área. Na verdade, não foram feitos passos significativos para fortalecer a presença militar russa ali e nas regiões russas que fazem fronteira com os Estados Bálticos nos últimos quatro anos.

A presença militar diminuiu exponencialmente desde o colapso da União Soviética. Em 1997, a força de 90 mil do 11º Exército da Guarda foi dissolvido. No 2009-2010, as forças russas na região de Kaliningrado foram drasticamente reduzidas e permaneceram no mesmo nível baixo desde então. Apenas um batalhão de tanques permanece como parte da 79ª Brigada de rifle de motor.
No início de 2010, a Rússia tinha 10.500 tropas terrestres (excluindo os 1.100 no Corpo de Marines) no distrito especial de Kaliningrado. Não houve mudanças significativas desde então. Havia 32 submarinos na frota do Báltico em 1991, e apenas 2 deles permaneceram. As Forças Aeroespaciais têm apenas alguns aviões de combate Su-27 e Su-24M implantados na região. A implantação de mísseis Iskander-M para Kaliningrado desde outubro de 2016 tem ocorrido para tirar os mísseis táticos Tochka-U obsoletos do serviço. É normal colocar uma arma moderna em vez de uma obsoleta. Ele aumenta a capacidade, mas não os números.

As únicas medidas tomadas até agora para aumentar o potencial de defesa da região são a formação de uma nova brigada de aviação do exército em Ostrov, na região de Pskov, e colocando um regimento do novo sistema antiaéreo S-400 no combate em Kaliningrado para substituir os S-200 obsoletos.

A Rússia poderia facilmente aumentar significativamente a sua presença na região. Poderia implementar muitos outros aviões de ponta, mísseis Iskander, unidades do exército e navios com mísseis de cruzeiro Kalibr de longo alcance. Ainda não o fez, mas se a OTAN continuar aumentando o seu potencial na área, Moscow não terá outra maneira senão tomar medidas em resposta. Não é tarde demais para parar a perigosa corrida de armamentos e atividades militares nesta parte da Europa.

A histeria atacada no ocidente em torno da “construção russa” na região de Kaliningrado é largamente ignorada por Moscow. A Rússia deixa claro que não tem planos de ameaçar os países do Báltico e escandinavos ou a Polônia e não está buscando conflitos ali. A conversa sobre os planos da Rússia para invadir os Estados Bálticos, a Polônia ou os países escandinavos é sem sentido. A Rússia tem qualquer motivo ou capacidade de fazê-lo.

Evidentemente, os reforços da OTAN na região do Báltico são uma forma de exercer pressão sobre a Rússia em relação à sua política externa e uma tentativa de influenciar uma hipotética “grande negociação” em uma série de questões de segurança. Além disso, a OTAN precisa de uma “ameaça” para justificar a sua razão de ser. O que vem de terroristas não fornece um motivo para manter grandes formações multiserviços com equipamentos pesados ​​para impulsionar as indústrias de defesa, enquanto a Rússia faz.


Autor: Alex Gorka
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário